Gostou do artigo? Compartilhe!

O aumento no consumo de duas xícaras de café por dia pode reduzir em 43% o risco de câncer de fígado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Evidências indicam que o consumo de café pode proteger contra doenças hepáticas1 e reduzir o risco de câncer2 de fígado3. Um aumento de consumo de 2 xícaras de café por dia foi associado a uma redução de 43% no risco de câncer2 de fígado3, tanto para aqueles com história de doença hepática4, quanto para aqueles que não têm história da doença.

Uma meta-análise, publicada no jornal médico Gastroenterology, envolveu 11 estudos científicos relacionando o consumo de café e o risco de câncer2 de fígado3 (com a participação de 2260 pacientes com câncer2 de fígado3 e 239.146 indivíduos sem câncer2 de fígado3). A meta-análise foi realizada com estudos selecionados no MEDLINE de 1966 a fevereiro de 2007, todos eles mostrando uma relação inversa entre o consumo de café e o risco de câncer2 de fígado3. Em 6 destes estudos, essa associação inversa era estatisticamente significativa.

Os mecanismos envolvidos e as substâncias presentes no café responsáveis por estes benefícios ainda não estão esclarecidos. O café contém substâncias anti-oxidantes como os ácidos clorogênicos, que modulam o humor, combatem o estresse oxidativo e inibem a formação de carcinógenos.

Dados a respeito dos efeitos benéficos do café sobre a função hepática4 aumentaram nas últimas duas décadas. Vários trabalhos mostram uma associação inversa entre o consumo de café e os níveis de enzimas hepáticas5, como a gama-glutamil transferase (enzima6 hepática4, que é um marcador sensível de doença hepatobiliar7, mas pouco específico) e a alanina aminotransferase (enzima6 hepática4 que mostra uma maior especificidade para lesão8 hepática4), assim como o risco para doença crônica do fígado3 e cirrose9 hepática4.

Estudos com animais também mostraram um efeito inibidor do café sobre a carcinogênese (formação de câncer2) hepática4. Também existem evidências de que o consumo de café reduziria o risco de câncer2 de fígado3 primário e de carcinoma10 hepatocelular.

Fonte: Gastroenterology

NEWS.MED.BR, 2007. O aumento no consumo de duas xícaras de café por dia pode reduzir em 43% o risco de câncer de fígado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/11349/o-aumento-no-consumo-de-duas-xicaras-de-cafe-por-dia-pode-reduzir-em-43-o-risco-de-cancer-de-figado.htm>. Acesso em: 21 set. 2019.

Complementos

1 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
4 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
5 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
6 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
7 Hepatobiliar: Diz-se do que se refere ao fígado e às vias biliares.
8 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
9 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
10 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
Gostou do artigo? Compartilhe!