Gostou do artigo? Compartilhe!

Fiocruz: mais de 25% das mães no Brasil podem apresentar depressão no período pós-parto

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

No Brasil, cerca de 25% das mães apresentam sintomas1 de depressão no período de 6 a 18 meses após o nascimento do bebê. É o que mostra uma pesquisa realizada pela pesquisadora Mariza Theme, da Escola Nacional de Saúde2 Pública Sergio Arouca (Ensp/Fiocruz) e publicada no Journal of Affective Disorders. A prevalência3 desse distúrbio no país foi mais elevada que a estimada pela Organização Mundial de Saúde2 (OMS) para países de baixa renda, nos quais 19,8% das parturientes4 apresentaram transtorno mental, em sua maioria a depressão.

Este é o maior estudo sobre parto e nascimento já ocorrido no Brasil. Coordenada pelas pesquisadoras Maria do Carmo Leal e Silvana Granado, a pesquisa apontou número excessivo de cesarianas (52% no total, contra 88% no setor privado) e persistência de intervenções dolorosas e desnecessárias no parto (como episiotomia5, manobra de Kristeller, uso de ocitocina6, menor frequência da utilização de analgesia obstétrica, dentre outros).

A pesquisa entrevistou 23.896 mulheres no período de 6 a 18 meses após o nascimento do bebê. A prevalência3 global de sintomas1 de depressão pós-parto foi de 26,3%, mas a comparação entre os períodos de 6 a 9 meses (25,7%) e de 9 a 12 meses (27,1%) não indicou diferença significativa no desenvolvimento do transtorno mental. As mães que apresentaram sintomas1 de depressão pós-parto, de acordo com o modelo final da análise, são da cor parda, de baixa condição socioeconômica, com antecedentes de transtorno mental, com hábitos não saudáveis, como o uso excessivo de álcool, paridade alta e que não planejaram a gravidez7.

Ainda chamou a atenção da equipe de pesquisa uma pergunta sobre a avaliação do atendimento na maternidade, na ocasião da alta médica. As mulheres que fizeram má avaliação do atendimento tiveram probabilidade duas vezes maior de apresentar os sintomas1 depressivos do que aquelas que avaliaram como muito bom.

 

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz, em 18 de abril de 2016

Veja a notícia completa em Depressão pós-parto acomete mais de 25% das mães no Brasil.

NEWS.MED.BR, 2016. Fiocruz: mais de 25% das mães no Brasil podem apresentar depressão no período pós-parto. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/827319/fiocruz-mais-de-25-das-maes-no-brasil-podem-apresentar-depressao-no-periodo-pos-parto.htm>. Acesso em: 25 out. 2020.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
4 Parturientes: Puérperas. Mulheres que estão prestes a dar à luz ou deram à luz há pouco tempo.
5 Episiotomia: Corte cirúrgico feito no períneo (área entre a vagina e o ânus), realizado com anestesia local, se a mulher ainda não estiver anestesiada, para alargar o canal do parto e, supostamente, ajudar o nascimento do bebê.
6 Ocitocina: Hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na hipófise posterior (neuro-hipófise). Tem a função de promover as contrações uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
Gostou do artigo? Compartilhe!