Gostou do artigo? Compartilhe!

Distúrbios do sono podem agravar depressão em adolescentes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Segundo a pesquisadora Ellie McGlinchey, do Columbia University Medical Center, em Nova Iorque, já se sabe que há consequências emocionais da privação de sono em adultos. Em adolescentes que já são vulneráveis esta privação também pode exacerbar suas labilidades emocionais. Por isso, os pesquisadores queriam verificar se uma redução nos distúrbios do sono dos adolescentes poderia ajudar a melhorar a depressão.

Foram realizados dois ensaios clínicos1 randomizados. Em ambos os estudos, descobriu-se que o curso da depressão era muito pior quando os transtornos do sono persistiam mesmo após o tratamento. A pesquisa foi apresentada na Anxiety and Depression Association of America (ADAA) Conference 2016.

O primeiro estudo, que incluiu 63 adolescentes, comparou a psicoterapia interpessoal versus tratamento usual. O segundo estudo, intitulado Treatment for Adolescent Depression Study (TADS), incluiu 439 adolescentes e comparou a terapia cognitivo2-comportamental (TCC) vs terapia com fluoxetina vs TCC mais fluoxetina vs placebo3.

Em ambos os ensaios, os participantes foram avaliados durante todo o tratamento e no pós-tratamento para sintomas4 de depressão autorreferidos, sintomas4 de insônia e melhora clínica geral. Nos dois estudos, os adolescentes cujos distúrbios do sono persistiram ao longo do tempo apresentaram sintomas4 depressivos significativamente piores, disse McGlinchey, não importando o tratamento que recebiam. A coordenadora destaca que os distúrbios do sono devem ser alvo de atenção em todos os tipos de modalidades de tratamento usados para a depressão.

A Dra. McGlinchey observou que hipnóticos não são indicados em pacientes jovens, porque a pesquisa sugere que essas medicações podem prejudicar o cérebro5 em desenvolvimento. A melhor abordagem é oferecer aos adolescentes, que são candidatos para tratamento, um programa de tratamento comportamental estruturado do sono. É importante ter em mente que alguns antidepressivos podem piorar os distúrbios do sono.

 

Fonte: Anxiety and Depression Association of America (ADAA) Conference 2016, apresentado em 2 de abril de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Distúrbios do sono podem agravar depressão em adolescentes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/825834/disturbios-do-sono-podem-agravar-depressao-em-adolescentes.htm>. Acesso em: 17 out. 2019.

Complementos

1 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!