Gostou do artigo? Compartilhe!

Fechamento de escolas relacionado à COVID-19 e risco de ganho de peso entre crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A pandemia1 da doença do coronavírus 2019 (COVID‐19) está causando morbimortalidade substancial, sobrecarregando os sistemas de saúde2, fechando economias e fechando distritos escolares.

Embora seja uma prioridade mitigar3 seu impacto imediato, deve-se chamar atenção para o efeito de longo prazo da pandemia1 na saúde2 das crianças; a COVID‐19, por meio do fechamento das escolas, pode exacerbar a epidemia de obesidade4 infantil e aumentar as disparidades no risco de obesidade4.

Em muitas áreas dos Estados Unidos e também no Brasil a pandemia1 da COVID-19 fechou as escolas, e alguns desses sistemas escolares não devem reabrir neste ano escolar. As experiências em Hong Kong, Taiwan e Cingapura sugerem que as ordens de distanciamento social, se levantadas após curtos períodos, deverão ser periodicamente restabelecidas para controlar as crises da COVID-19.

Em resumo, pode-se prever que a pandemia1 da COVID-19 provavelmente dobrará o tempo fora da escola este ano para muitas crianças e exacerbará os fatores de risco para ganho de peso associados ao recesso no verão.

Embora tenha sido escrito muito sobre os pobres ambientes de alimentação e atividade física nas escolas, os dados mostram que as crianças experimentam ganho de peso prejudicial não durante o ano letivo, mas principalmente durante os meses de verão em que estão fora da escola. Von Hippel et al. documentaram aumentos no peso dos alunos e na prevalência5 de obesidade4 e sobrepeso6 ao longo de três anos escolares, com aumentos na prevalência5 de obesidade4 e sobrepeso6 ocorrendo apenas durante o recesso do verão.

Este trabalho e trabalhos subsequentes descobriram que o ganho de peso durante o recesso da escola no verão é particularmente aparente para jovens latino-americanos e afro-americanos, além de crianças que já apresentam excesso de peso. É importante ressaltar que os dados mostram que o peso ganho durante os meses de verão é mantido durante o ano letivo e acumula a cada verão.

O ganho de peso não saudável na infância é motivo de preocupação a longo prazo, pois vários estudos mostram que a obesidade4 experimentada na infância está associada a maior peso na idade adulta. Por exemplo, a obesidade4 experimentada a partir dos 5 anos mostrou-se associada a um IMC7 significativamente maior até os 50 anos e maior massa gorda8 aos 50 anos.

Saiba mais sobre "Obesidade4 infantil", "COVID‐19 - como é?" e "Atividade física".

Nessa publicação feita no jornal Obesity, pesquisadores argumentam que, além de aumentar o tempo fora da escola, a pandemia1 da COVID-19 exacerba todos os fatores de risco para ganho de peso associados ao recesso do verão. O fechamento das escolas e as ordens de isolamento social criam desafios para o ambiente alimentar e para a atividade física das crianças.

Anualmente, mais de 30 milhões de crianças recebem almoços escolares gratuitos ou subsidiados e, entre as famílias elegíveis, as taxas de insegurança alimentar são mais altas nos meses de verão. Projeções feitas para a Filadélfia, nos Estados Unidos, demonstram que apenas 3 dias de fechamento da escola podem resultar em mais de 405.000 refeições perdidas entre as crianças em idade escolar. A insegurança alimentar tem sido associada ao risco de obesidade4 e ganho de peso, e embora muitas comunidades estejam implementando meios inovadores para continuar o almoço escolar, é esperado que a insegurança alimentar aumente para as crianças durante a pandemia1.

Além disso, à medida que as famílias estocam alimentos estáveis ​​nas prateleiras, eles parecem estar comprando alimentos ultraprocessados ​​e densos em calorias9. As próprias experiências dos pesquisadores em supermercados mostram que, junto com as prateleiras que continham farinha, arroz e feijão, as prateleiras que guardavam bolachas, batatas fritas, miojo, refrigerante, cereais açucarados e refeições prontas processadas estão bastante vazias. Embora estocar itens alimentares estáveis ​​nas prateleiras seja claramente uma necessidade de preparação e ajude a minimizar as viagens para fora de casa, prevê-se que muitas crianças experimentem dietas com mais calorias9 durante a resposta à pandemia1.

Obviamente, os pedidos de distanciamento social e permanência em casa emitidos em cidades em todo o mundo reduzem as oportunidades de atividade física entre crianças, principalmente para crianças em áreas urbanas que moram em apartamentos pequenos. Prevê-se que atividades sedentárias e tempo de uso de telas se expandam sob ordens de distanciamento social; dados disponíveis mostram que o uso de videogames online já está aumentando. O tempo de tela está associado à ocorrência de sobrepeso6/obesidade4 na infância, provavelmente devido às questões duplas do tempo sedentário e da associação entre tempo de tela e lanches.

Embora o aumento da atividade sedentária afete todas as crianças, é provável que elas tenham o maior impacto nas crianças urbanas que não têm acesso a espaços ao ar livre seguros e acessíveis, onde possam manter distância social. Embora parques e playgrounds permaneçam abertos em algumas cidades, há uma ampla percepção de que não é possível manter os playgrounds limpos e as crianças terão dificuldade em manter distância social. Portanto, as famílias urbanas podem, compreensivelmente, optar por não usar esses espaços, exacerbando a disparidade entre aqueles que podem/não podem permanecer fisicamente ativos ao ar livre.

Quais são as respostas de saúde2 pública, planejamento e serviço social que podem continuar a apoiar a alimentação saudável e a vida ativa das crianças em idade escolar durante essa pandemia1? Primeiro, serão necessárias abordagens inovadoras para lidar com a insegurança alimentar, dentro dos limites do distanciamento social ou das ordens de permanência em casa. A prática comum do recesso de verão das escolas que oferecem refeições prontas nos locais escolares pode ser ampliada nos meses de fechamento da escola, mas pode não ser apropriada para famílias com idosos vulneráveis ​​em casa. Como alternativa, algumas comunidades já começaram a entregar refeições através de ônibus escolares que percorrem suas rotas regulares de coleta.

Os mercados de agricultores geralmente fornecem produtos étnicos e especiais e alimentos preparados valorizados pelas comunidades imigrantes e, como tal, estados e municípios devem considerá-los como parte de serviços alimentares essenciais e desenvolver protocolos de distanciamento social para esses mercados.

À medida que as escolas desenvolvem sua capacidade remota de ensino, deve-se tornar a educação física uma prioridade. Onde as escolas estão enviando planos de aula para casa para matemática e inglês, eles também podem enviar planos de aula para atividades físicas. Existem vários programas de exercícios projetados para uso de viajantes de negócios em quartos de hotel e com equipamentos de ginástica limitados; esses programas de exercícios podem ser adaptados aos planos de aulas em casa. Para escolas com capacidade de transmitir aulas online, os professores de educação física podem transmitir aulas de exercícios.

Por fim, o programa Influências Ambientais nos Resultados da Saúde2 Infantil, dos Institutos Nacionais de Saúde2 dos Estados Unidos, inclui 70 coortes que estão estudando a obesidade4 infantil, e é um recurso que pode ser usado para estudar as consequências relacionadas à obesidade4 do fechamento prolongado das escolas.

Leia sobre "Alimentação saudável", "Orientação pediátrica sobre uso de telas" e "Criança fora do peso - o que fazer".

 

Fonte: Obesity, publicação em 30 de março de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Fechamento de escolas relacionado à COVID-19 e risco de ganho de peso entre crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1366493/fechamento-de-escolas-relacionado-a-covid-19-e-risco-de-ganho-de-peso-entre-criancas.htm>. Acesso em: 2 jun. 2020.

Complementos

1 Pandemia: É uma epidemia de doença infecciosa que se espalha por um ou mais continentes ou por todo o mundo, causando inúmeras mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia pode se iniciar com o aparecimento de uma nova doença na população, quando o agente infecta os humanos, causando doença séria ou quando o agente dissemina facilmente e sustentavelmente entre humanos. Epidemia global.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
4 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
5 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
6 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
7 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Massa gorda: É a porção de massa do organismo constituída de gordura armazenada (encontrada no tecido subcutâneo) e gordura essencial (encontrada nas vísceras, responsável pelo funcionamento fisiológico normal). A massa gorda é o resultado em quilos do percentual de gordura existente no organismo. Por exemplo, um indivíduo de 100 quilos e com percentual de gordura de 38%, pode ter o valor da massa gorda calculado em 38 quilos.
9 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!