Gostou do artigo? Compartilhe!

Equipe de F1 ajuda a construir novo aparelho de auxílio respiratório para pacientes com Covid-19 no Reino Unido

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um aparelho respiratório1 projetado e construído em menos de uma semana para manter os pacientes da Covid-19 fora dos cuidados intensivos foi entregue aos hospitais de Londres para testes clínicos.

O dispositivo fornece um fluxo constante de oxigênio e ar para pacientes2 que estão com dificuldades para respirar e pode ser usado em enfermarias padrão, ao contrário da ventilação3, que exige que os pacientes tenham um procedimento invasivo e sedação4 em uma unidade de terapia intensiva5.

Esses dispositivos de pressão positiva contínua nas vias aéreas (Cpap – do inglês continuous positive airway pressure), que estão sendo amplamente utilizados em hospitais na Itália e na China, preenchem a lacuna entre uma máscara de oxigênio e a ventilação3 completa. Os hospitais britânicos têm o aparelho, mas ele é escasso.

Saiba mais sobre "Ventilação3 mecânica", "Oxigenioterapia" e "O que saber sobre o coronavírus e cuidados de prevenção".

Engenheiros do University College London (UCL) e médicos do hospital do UCL (UCLH) desenvolveram o dispositivo, que é considerado uma melhoria nos sistemas Cpap existentes, com a equipe Mercedes de Formula 1 em menos de 100 horas desde a primeira reunião até o primeiro modelo de produção. O dispositivo foi aprovado pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde6 do Reino Unido.

"Esses dispositivos ajudarão a salvar vidas, garantindo que os ventiladores, um recurso limitado, sejam usados ​​apenas para os mais graves", disse o professor Mervyn Singer, consultor de cuidados intensivos do UCLH que trabalhou no projeto.

"Enquanto eles serão testados no UCLH primeiro, esperamos que eles façam uma diferença real para hospitais em todo o Reino Unido, reduzindo a demanda de funcionários e leitos de terapia intensiva5, além de ajudar os pacientes a se recuperarem sem a necessidade de ventilação3 mais invasiva".

As máquinas Cpap são usadas rotineiramente nos hospitais do Reino Unido para apoiar pacientes com dificuldades respiratórias nas enfermarias ou em casa, mas o equipamento é escasso. Os dispositivos usam pressão positiva para enviar uma mistura de ar e oxigênio para a boca7 e a mangueira a uma taxa constante, aumentando assim a quantidade de oxigênio que entra nos pulmões8.

A pressão positiva significa que, quando o paciente expira, as estruturas pulmonares que trocam oxigênio, os alvéolos9, permanecem abertas, o que ajuda na oxigenação e torna a respiração menos trabalhosa.

Tim Baker, um engenheiro da equipe da UCL, disse: “Dada a necessidade urgente, estamos agradecidos por termos conseguido reduzir um processo que poderia levar anos para alguns dias.

“Ao receber o resumo, trabalhamos todas as horas do dia, desmontando e analisando um dispositivo sem patente. Usando simulações em computador, aprimoramos ainda mais o dispositivo para criar uma versão de ponta adequada à produção em massa.”

Tim Cook, professor de anestesia10 e medicina intensiva do Hospital Royal United, fundação do NHS em Bath, disse: “Se o paciente pode permanecer em uma máquina Cpap, ele pode permanecer em uma enfermaria cuidada por enfermeiros especializados, e não por enfermeiros da UTI.

“Uma enfermaria provavelmente pode cuidar de 10 desses pacientes com duas enfermeiras e um médico. Dez pacientes em UTI podem precisar de cinco ou dez enfermeiros e três a quatro médicos. O custo e a mão11 de obra necessários na UTI são muito, muito maiores, e a UTI é muito mais complexa e perigosa.”

Duncan Young, professor de medicina intensiva da Universidade de Oxford, disse que a velocidade com que o dispositivo foi desenvolvido era "notável", mas acrescentou que o uso de máquinas Cpap em pacientes com infecções12 respiratórias contagiosas é controverso, pois pequenos vazamentos ao redor da máscara poderia pulverizar gotículas das vias aéreas dos pacientes para a equipe clínica.

Singer disse que o risco de transmitir o vírus13 através dessas gotículas deve ser "muito baixo" se a equipe de atendimento estiver usando equipamentos de proteção individual adequados.

Leia sobre "Mapeando do coronavírus (SARS-CoV-2)" e "Nova cepa14 do coronavírus".

 

Fonte: The Guardian, publicado em 30 de março de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Equipe de F1 ajuda a construir novo aparelho de auxílio respiratório para pacientes com Covid-19 no Reino Unido. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1364293/equipe-de-f1-ajuda-a-construir-novo-aparelho-de-auxilio-respiratorio-para-pacientes-com-covid-19-no-reino-unido.htm>. Acesso em: 4 ago. 2020.

Complementos

1 Aparelho respiratório: O aparelho respiratório transporta o ar do meio externo aos pulmões e vice-versa e promove a troca de gases entre o sangue e o ar.
2 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
3 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
4 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
5 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
8 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
9 Alvéolos: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
10 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
11 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
12 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
14 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
Gostou do artigo? Compartilhe!