Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamentos fitoterápicos não mostram eficácia para perda de peso: revisão sistemática e metanálise publicada pelo jornal Diabetes, Obesity and Metabolism

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de atualizar as evidências disponíveis sobre a eficácia e segurança de medicamentos complementares para auxiliar na perda de peso, foi realizada uma revisão sistemática e metanálise de medicamentos fitoterápicos usados para perda de peso.

Quatro bancos de dados eletrônicos (Medline, Embase, CINAHL e Web of Science) foram pesquisados desde o início até agosto de 2018. Um total de 54 estudos randomizados, controlados por placebo1, de adultos saudáveis com sobrepeso2 ou obesos, foram identificados. Metanálises foram realizadas para medicamentos fitoterápicos com ≥4 estudos disponíveis. Diferenças de peso ≥2,5 kg foram consideradas clinicamente significativas.

Como agente único, apenas Phaseolus vulgaris resultou em uma perda de peso estatisticamente significativa em comparação com o placebo1, embora isso não tenha sido considerado clinicamente significativo. Nenhum efeito foi observado para Camellia sinensis ou Garcinia cambogia. Estatisticamente, mas não clinicamente, foram observadas diferenças significativas para preparações combinadas contendo C. sinensis, P. vulgaris ou Ephedra sinica.

Dos medicamentos fitoterápicos testados em ≤3 ensaios clínicos3 randomizados, foi relatada perda de peso estatisticamente e clinicamente significativa em comparação ao placebo1 para Irvingia gabonensis, Cissus quadrangularis e Sphaeranthus indicus combinados com Garcinia mangostana, entre outros, mas esses achados devem ser interpretados com cautela por causa do pequeno número de estudos, geralmente de baixa qualidade metodológica e a falta de relatórios das intervenções em fitoterapia.

A maioria dos medicamentos fitoterápicos parecia segura para consumo durante a curta duração dos estudos (geralmente ≤12 semanas). Alguns justificam uma investigação mais aprofundada para determinar o tamanho do efeito, dosagem e segurança a longo prazo.

Concluiu-se que, atualmente, não há evidências suficientes para recomendar qualquer um dos medicamentos fitoterápicos incluídos na presente revisão para perda de peso.

Saiba mais sobre "Fitoterápicos", "Cálculo4 do IMC5", "Perigo das dietas para emagrecer" e "Perigo dos remédios para emagrecer".

 

Fonte: Diabetes6, Obesity and Metabolism, publicação em 27 de janeiro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Medicamentos fitoterápicos não mostram eficácia para perda de peso: revisão sistemática e metanálise publicada pelo jornal Diabetes, Obesity and Metabolism. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1362503/medicamentos-fitoterapicos-nao-mostram-eficacia-para-perda-de-peso-revisao-sistematica-e-metanalise-publicada-pelo-jornal-diabetes-obesity-and-metabolism.htm>. Acesso em: 5 jun. 2020.

Complementos

1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
2 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
Gostou do artigo? Compartilhe!