Gostou do artigo? Compartilhe!

Casos de sarampo são registrados em 11 países das Américas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Apesar de ter sido a primeira região do mundo a ser declarada como "livre de sarampo1", uma doença viral que pode causar graves problemas de saúde2, as Américas notificaram 385 casos confirmados de sarampo1 em onze países em 2018. Os dados são de uma recente atualização epidemiológica da Organização Pan-Americana da Saúde2/Organização Mundial da Saúde2 (OPAS/OMS).

Saiba mais sobre "Sarampo1".

Os casos notificados estão em: Antígua e Barbuda (1 caso), Argentina (1), Brasil (46), Canadá (4), Colômbia (5), Equador (1), Estados Unidos (41), Guatemala (1), México (4), Peru (2) e Venezuela (279). A maioria são casos importados ou em pessoas sem histórico de vacinação.

Na Venezuela, 67% dos casos confirmados foram registrados no estado de Bolívar, sendo a propagação do vírus3 explicada, entre outros fatores, pelo movimento migratório intenso da população devido à atividade econômica.

No Brasil, há um surto em andamento em Roraima (42 casos confirmados, dos quais 34 cidadãos venezuelanos e oito brasileiros) e no Amazonas (quatros casos confirmados, todos cidadãos brasileiros). O Ministério da Saúde2 brasileiro, em coordenação com os governos estaduais e municipais, está realizando campanhas de vacinação nos dois estados (tanto para residentes quanto imigrantes venezuelanos de 6 meses a 49 anos de idade).

A vacinação da população suscetível é a principal medida para prevenir a introdução e disseminação do vírus3 do sarampo1, além da implementação de um sistema de vigilância de alta qualidade para detectar de forma oportuna quaisquer casos suspeitos.

A Organização Pan-Americana da Saúde2/Organização Mundial da Saúde2 (OPAS/OMS) recomenda vacinar a população, mantendo uma cobertura homogênea de 95% com a primeira e a segunda doses da vacina4 contra sarampo1, caxumba5 e rubéola6 em todos os municípios. A Semana de Vacinação nas Américas começa em 22 de abril.

Outras recomendações importantes são:

  • Vacinar populações em risco (sem comprovação de vacinação ou imunidade7 contra sarampo1 e rubéola6), como profissionais de saúde2, pessoas que trabalham com turismo e transporte (hotelaria, aeroportos, motoristas de táxi, etc.) e viajantes internacionais.
  • Manter uma reserva de vacinas contra sarampo1 e rubéola6 e de seringas para controle de casos importados em cada país da Região.
  • Fortalecer a vigilância epidemiológica para detecção oportuna de todos os casos suspeitos de sarampo1.
  • Estabelecer mecanismos padronizados para fornecer uma resposta rápida frente aos casos importados de sarampo1.
  • Identificar fluxos migratórios do exterior (chegada de estrangeiros) e fluxos internos (movimentos de grupos populacionais) em cada país, a fim de facilitar o acesso aos serviços de vacinação, de acordo com o calendário nacional de imunização8.
Veja mais sobre "Sarampo1" e "Vacina4 tríplice viral".

Leia a reportagem completa em: Região das Américas registra casos de sarampo1 em 11 países

 

Fonte: Organização Pan-Americana de Saúde2, em 9 de abril de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Casos de sarampo são registrados em 11 países das Américas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1316953/casos-de-sarampo-sao-registrados-em-11-paises-das-americas.htm>. Acesso em: 21 ago. 2018.

Complementos

1 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
4 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
5 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
6 Rubéola: Doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da rubéola. Resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, aumento dos gânglios do pescoço, manchas avermelhadas na pele, 70% das mulheres apresentam artralgia e artrite. Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Durante a gravidez, a infecção pelo vírus da rubéola pode resultar em aborto, parto prematuro e mal-formações congênitas.
7 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
8 Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
Gostou do artigo? Compartilhe!