Gostou do artigo? Compartilhe!

Enjoos na gravidez e hiperêmese gravídica: protocolo de cuidados do Royal College of Obstetricians & Gynaecologists

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estas orientações do Royal College of Obstetricians & Gynaecologists constituem a primeira edição deste guia e resumem as principais evidências para condutas diante de mulheres com hiperêmese gravídica (HG) ou que apresentam enjoos, náuseas1 e vômitos2 no início da gestação.

Por esta diretriz, as náuseas1 e vômitos2 da gravidez3 (NVG) são definidos como “sintomas de náuseas1 e/ou vômitos2 durante o início da gravidez3, nas situações em que não existam outras causas que expliquem a condição” e “hiperêmese gravídica (HG) definida como a forma grave de NVG”.

Leia mais sobre a hiperêmese gravídica no artigo "Como é a hiperêmese gravídica?

Há uma variação na gestação de mulheres que têm NVG ou HG com uma ocasional falta de compreensão da sua gravidade e das opções de tratamento e apoio. O objetivo deste guia é fornecer melhores informações para a prática clínica diária em relação ao diagnóstico4 e tratamento subsequente das NVG e da HG para toda a comunidade, em atendimentos ambulatoriais e em regime de internação, tendo como base as principais evidências disponíveis sobre o assunto. Ele orienta profissionais de várias áreas envolvidos nos cuidados de mulheres que passam por esta condição, incluindo aconselhamento e apoio às mulheres antes, durante e após a gravidez3.

O Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (RCOG) recomenda o uso de gengibre (biscoito de gengibre) e de acupressão (uso de uma pulseira especial no punho que aplica pressão) para aliviar as gestantes com sintomas5 leves de NVG. Essas terapias podem oferecer uma alternativa ao uso de medicação. Mas alerta que para as grávidas com sintomas5 mais graves, o uso de medicações, tratamentos hospitalares e apoio psicológico podem ser necessários. Não há evidências suficientes de que a hipnose seja eficaz para o tratamento das NVG ou da HG.

As náuseas1 e os vômitos2 podem afetar até 80% das gestantes, algumas também apresentam dor de cabeça6, sensibilidade aumentada para cheiros e excesso de salivação. Para aquelas com a forma mais grave, os vômitos2 podem chegar a até 30 episódios em um dia e levar à desidratação7, sendo que algumas grávidas ficam impossibilitadas de se alimentar e precisam ir ao hospital para uma rehidratação com fluidos adequados e administração de medicações e, eventualmente, podem precisar de uma internação. Para muitas, os sintomas5 desaparecem até o quarto mês de gestação, podendo não ser restritos ao período da manhã, como muitos acreditam.

Gestantes com náuseas1 e vômitos2 da gravidez3 ou com hiperêmese gravídica necessitam de cuidados especiais que precisam ser melhor compreendidos, por isso a necessidade de divulgar este protocolo.

 

Fonte: Royal College of Obstetricians & Gynaecologists, publicado em 22/06/2016

Consulte o protocolo completo: The Management of Nausea8 and Vomiting of Pregnancy and Hyperemesis Gravidarum

 

NEWS.MED.BR, 2016. Enjoos na gravidez e hiperêmese gravídica: protocolo de cuidados do Royal College of Obstetricians & Gynaecologists. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1267048/enjoos-na-gravidez-e-hiperemese-gravidica-protocolo-de-cuidados-do-royal-college-of-obstetricians-amp-gynaecologists.htm>. Acesso em: 17 out. 2019.

Complementos

1 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Cabeça:
7 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
8 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!