Gostou do artigo? Compartilhe!

Rimonabanto: êxito simultâneo no combate à obesidade e na diminuição de riscos cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo agente terapêutico, conhecido como Rimonabanto, tem obtido êxito no combate simultâneo à obesidade1 e na diminuição de riscos cardiovasculares, segundo artigo publicado na revista The Lancet. A previsão de vendas no mercado internacional é para 2006 e, no Brasil, para 2007.

O Rimonabanto age no sistema endocanabinóide - um sistema neuromodulador que participa de importantes processos fisiológicos, incluindo a regulação da ingesta de alimentos e a homeostase de energia. Ele bloqueia seletivamente os receptores CB1, presentes tanto no sistema nervoso2 como nas células musculares3, gordurosas e no fígado4.

Possui efeito sobre o metabolismo5 de lípides e glicose6, resistência insulínica e redução de gordura intra-abdominal7. Este tipo de gordura8 é sabidamente um fator de risco9 significativo no desenvolvimento das doenças cardiovasculares10.

Mais de 1500 pacientes participaram de um estudo duplo-cego11 em que receberam placebo12, 5 mg de Rimonabanto ou 20 mg de Rimonabanto, associado a uma dieta hipocalórica13 que reduzia a alimentação a 600 calorias14 ao dia. Os pacientes foram acompanhados durante um ano. 40,9% dos pacientes tinham hipertensão15, 60,8% dislipidemia e 41,4% preenchiam os critérios de diagnóstico16 da síndrome metabólica17.

As mudanças no peso corporal nos grupos que receberam 5 ou 20 mg de Rimonabanto foram significativamente maiores que naqueles que receberam placebo12. Aqueles que receberam 20 mg de Rimonabanto apresentaram perda de peso média de 4,7kg (p<0,001) e redução na circunferência abdominal de 4,2 centímetros. A perda de peso dos grupos que receberam Rimonabanto comparada com o grupo que recebeu placebo12 foi de 5% ou mais. A proporção de perda de peso de 10% ou mais foi maior também no grupo que recebeu 20 mg do que no grupo placebo12, mas não teve diferença entre os grupos de 5 mg ou placebo12. Os resultados não mostraram diferenças entre os sexos.

As mudanças metabólicas e no risco cardiovascular foram: nos grupos de 5 mg e 20 mg de Rimonabanto houve aumento do HDL colesterol18 (bom colesterol19) de 16,2% e 22,3% respectivamente, comparado com 13,4% do grupo placebo12. Os triglicérides20 foram reduzidos 6,8% nos que receberam 20 mg, comparados com o aumento dos triglicérides20 de 5,7% no grupo de 5 mg e 8,3% no grupo de placebo12. Uma redução significante foi observada nos níveis de colesterol19 não HDL21 e na glicemia22 sangüínea no grupo que recebeu 20 mg. A proporção de pacientes que preenchiam os critérios de diagnóstico16 da síndrome metabólica17 diminuiu de maneira significativa nos que receberam 20 mg. Após um ano de acompanhamento não houve mudanças significativas nos scores de depressão ou ansiedade.

 

Fonte: The Lancet

 

Leia também:

Confira material de apoio ao paciente: Sou obeso e quero mudar esta realidade

NEWS.MED.BR, 2005. Rimonabanto: êxito simultâneo no combate à obesidade e na diminuição de riscos cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/927/rimonabanto-exito-simultaneo-no-combate-a-obesidade-e-na-diminuicao-de-riscos-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 20 set. 2021.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
3 Células Musculares: Células contráteis maduras, geralmente conhecidas como miócitos, que formam um dos três tipos de músculo. Os três tipos de músculo são esquelético (FIBRAS MUSCULARES), cardíaco (MIÓCITOS CARDÍACOS) e liso (MIÓCITOS DE MÚSCULO LISO). Provêm de células musculares embrionárias (precursoras) denominadas MIOBLASTOS.
4 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
5 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Gordura Intra-Abdominal: Tecido gorduroso dentro da CAVIDADE ABDOMINAL, incluindo as gorduras visceral e retroperitoneal. É a gordura metabolicamente mais ativa do corpo, facilmente acessível para LIPÓLISE. O aumento da gordura visceral está associado com as complicações metabólicas da OBESIDADE.
8 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
9 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
10 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
11 Estudo duplo-cego: Denominamos um estudo clínico “duplo cego” quando tanto voluntários quanto pesquisadores desconhecem a qual grupo de tratamento do estudo os voluntários foram designados. Denominamos um estudo clínico de “simples cego” quando apenas os voluntários desconhecem o grupo ao qual pertencem no estudo.
12 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
13 Hipocalórica: Que é pouco calórica.
14 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
15 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
18 HDL colesterol: Do inglês high-density-lipoprotein cholesterol, ou colesterol de alta densidade. Também chamado de bom colesterol.
19 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
20 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
21 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
22 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
Gostou do artigo? Compartilhe!