Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA aprova nova medicação para tratar a esquizofrenia e o transtorno bipolar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Food and Drug Administration (FDA), dos EUA, aprovou o Vraylar (cariprazine), em cápsulas, para tratar a esquizofrenia1 e o transtorno bipolar em adultos.

"A esquizofrenia1 e o transtorno bipolar podem ser incapacitantes e podem interferir significativamente com as atividades do dia-a-dia", disse Mitchell Mathis, diretor da Division of Psychiatry Products do FDA’s Center for Drug Evaluation and Research. "É importante ter uma variedade de opções de tratamento disponíveis para pacientes2 com doenças mentais para que os planos de tratamento possam ser adaptados para atender às necessidades individuais dos pacientes."

A esquizofrenia1 é uma doença mental crônica, grave e incapacitante. Tipicamente, os sintomas3 são vistos pela primeira vez em adultos com menos de 30 anos de idade e incluem delírios persecutórios; alucinações4, principalmente auditivas; alterações no comportamento social e diminuição da resposta emocional. Os esquizofrênicos acreditam que outras pessoas estão lendo suas mentes ou controlando seus pensamentos.

O transtorno bipolar, também conhecido como psicose5 maníaco-depressiva, é outro distúrbio mental que causa mudanças incomuns no humor, energia, níveis de atividade e da capacidade de realizar tarefas do dia-a-dia. Os sintomas3 do transtorno bipolar incluem períodos alternados de depressão e euforia, humor irritável, inquietação, pensamento acelerado, fala rápida, comportamento impulsivo e uma diminuição da necessidade de sono.

A eficácia de Vraylar no tratamento da esquizofrenia1 foi demonstrada em 1.754 participantes em três ensaios clínicos6 de seis semanas. Em cada um dos ensaios, Vraylar reduziu os sintomas3 da esquizofrenia1 em comparação com o placebo7.

A eficácia do Vraylar no tratamento do transtorno bipolar foi mostrada em três ensaios clínicos6 de três semanas com 1.037 participantes. Vraylar reduziu os sintomas3 do transtorno bipolar em cada um dos ensaios.

Vraylar e todos os outros medicamentos aprovados pela FDA utilizados para tratar a esquizofrenia1 e o transtorno bipolar têm uma advertência, alertando os profissionais de saúde8 sobre um aumento do risco de morte associado ao uso desses medicamentos em idosos com psicose5 relacionada à demência9. Nem Vraylar, nem qualquer outra medicação nessa classe estão aprovadas para tratar esses pacientes.

Os efeitos colaterais10 mais comuns, relatados pelos participantes dos ensaios clínicos6 que receberam Vraylar para a esquizofrenia1, foram sintomas3 extrapiramidais, como tremor, fala arrastada e movimentos musculares involuntários. Os efeitos colaterais10 mais comuns, relatados pelos participantes do ensaio que receberam Vraylar para o transtorno bipolar, foram sintomas3 extrapiramidais, necessidade de se movimentar (acatisia11), indigestão (dispepsia12), vômitos13, sonolência e inquietação.

Vraylar é fabricado pela Forest Laboratories e distribuído pela Actavis Pharma Inc.

NEWS.MED.BR, 2015. FDA aprova nova medicação para tratar a esquizofrenia e o transtorno bipolar. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/804394/fda-aprova-nova-medicacao-para-tratar-a-esquizofrenia-e-o-transtorno-bipolar.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
2 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
5 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
10 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
11 Acatisia: Síndrome caracterizada por sentimentos de inquietação interna que se manifesta por incapacidade de se manter quieta. É frequentemente causada por medicamentos neurolépticos.
12 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
13 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!