Gostou do artigo? Compartilhe!

Vacina contra malária desenvolvida por equipe de Oxford é a mais eficaz de todos os tempos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma vacina1 contra a malária que demonstrou ser 77 por cento eficaz em testes – o nível mais alto já alcançado – oferece a esperança de controlar uma doença que mata cerca de 400.000 pessoas a cada ano, muitas delas crianças.

Adrian Hill, da Universidade de Oxford, e seus colegas esperam que ela possa ser aprovada para uso nos próximos dois anos, com base na velocidade e nas lições aprendidas através do rápido desenvolvimento das vacinas contra covid-19 – os pesquisadores também trabalham no projeto da vacina1 de Oxford / AstraZeneca contra o coronavírus.

“Com o compromisso de nosso parceiro comercial, o Serum Institute of India, de fabricar pelo menos 200 milhões de doses por ano nos próximos anos, a vacina1 tem o potencial de ter um grande impacto na saúde2 pública se o licenciamento for alcançado”, disse ele à agência de notícias da Associação de Imprensa do Reino Unido.

Leia sobre "Conhecendo a malária" e "Vacinas - como funcionam e quais são os prós e contras".

Hill espera que a vacina1 seja aprovada rapidamente após os resultados finais do teste, que ele espera que a equipe relate no próximo ano.

“A malária matou pelo menos quatro vezes mais pessoas na África no ano passado do que a covid”, disse ele. “Ninguém questionou por um momento se a covid deveria ter uma revisão e autorização de uso emergencial na África – claro que foi feita, muito rapidamente. Então, por que uma doença que primeiramente mata crianças em vez de pessoas mais velhas, e certamente matou muito mais, não deveria ser priorizada para autorização de uso emergencial na África?”

O primeiro relatório científico para uma vacina1 contra a malária foi publicado em 1910, o primeiro teste de uma vacina1 contra a malária foi realizado na década de 1940 e 140 vacinas contra a malária já passaram por testes clínicos. Hill disse que não houve falta de esforço, mas que apenas tem sido incrivelmente difícil. “Tenho trabalhado em vacinas contra a malária desde 1994 – não são 111 anos, mas às vezes a sensação é um pouco essa”, disse ele.

A Organização Mundial da Saúde2 (OMS) estabeleceu uma meta de 75 por cento de eficácia até 2030 para uma vacina1 contra a malária, e a nova vacina1 é a primeira a atingir esse nível. “Isso é ótimo, fantástico. Vimos esses resultados pela primeira vez depois de seis meses no ano passado e ficamos entusiasmados”, disse Hill.

Charlemagne Ouedraogo, ministro da saúde2 em Burkina Faso, disse à Associação de Imprensa: “A malária é uma das principais causas de mortalidade infantil3 na África. Temos apoiado ensaios de uma série de novas vacinas candidatas em Burkina Faso e esses novos dados mostram que o licenciamento de uma nova vacina1 contra a malária muito útil poderia acontecer nos próximos anos.”

O estudo randomizado4, controlado e duplo-cego foi conduzido na Unidade de Pesquisa Clínica de Nanoro e no Instituto de Pesquisa de Ciências da Saúde2 de Burkina Faso.

Havia 450 participantes, com idades entre 5 e 17 meses, que foram divididos em três grupos, com os primeiros dois grupos recebendo uma dose baixa ou uma dose alta da vacina1 candidata. O terceiro grupo recebeu vacinação antirrábica como grupo controle. As doses foram administradas do início de maio de 2019 ao início de agosto de 2019, em grande parte antes do pico da temporada de malária.

O estudo relata uma eficácia da vacina1 de 77% no grupo de dose mais alta e 71% no grupo de dose mais baixa, ao longo de 12 meses de acompanhamento. Os pesquisadores não observaram nenhum evento adverso sério relacionado à vacina1.

Veja também sobre "Calendário de Vacinação", "Infecções5 oportunistas" e "Por que vacinar".

 

Fonte: New Scientist, notícia publicada em 23 de abril de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Vacina contra malária desenvolvida por equipe de Oxford é a mais eficaz de todos os tempos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1393755/vacina-contra-malaria-desenvolvida-por-equipe-de-oxford-e-a-mais-eficaz-de-todos-os-tempos.htm>. Acesso em: 16 jun. 2021.

Complementos

1 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Mortalidade Infantil: A taxa de mortalidade infantil é o quociente entre os óbitos de menores de um ano ocorridos em uma determinada unidade geográfica e período de tempo, e os nascidos vivos da mesma unidade nesse período, segundo a fórmula: Taxa de Mortalidade Infantil = (Óbitos de Menores de 1 ano / Nascidos Vivos) x 1.000
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!