Gostou do artigo? Compartilhe!

Ganho de peso na meia-idade ou na idade avançada está associado ao maior risco de diabetes tipo 2 para idosos, publicado pelo JAMA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A adiposidade é um fator de risco1 bem conhecido para o diabetes mellitus2 tipo 2 em jovens e adultos de meia idade, mas a relação entre a composição corporal e o diabetes3 tipo 2 não é bem descrita entre idosos.

Para examinar a relação entre a adiposidade, as mudanças na composição corporal e o risco de diabetes3 tipo 2 incidente4 em adultos com 65 anos ou mais, foi realizado um estudo prospectivo5 de coorte6 (1989-2007) com 4.193 homens e mulheres do Cardiovascular Health Study. As medidas de adiposidade foram obtidas a partir de medidas antropométricas e de impedância bioelétrica no início do estudo e a antropometria foi repetida três anos mais tarde.

Os casos novos de diabetes3 foram determinados com base no uso de medicamento antidiabético ou um nível de glicemia de jejum7 de 126 mg/dL8 ou superior.

Durante um período de acompanhamento médio de 12,4 anos (variando de 9 a 17,8 anos), 339 novos casos de diabetes3 foram apurados (7,1/1.000 pessoas-ano). A razão de risco ajustada (intervalo de confiança [IC] de 95%) de diabetes3 tipo 2 para os participantes no quintil9 mais alto de medidas no início do estudo em comparação com aqueles no quintil9 mais baixo foi de 4,3 (IC 95% de 2,9-6,5) para o índice de massa corporal10 (IMC11); 3,0 para o IMC11 aos 50 anos de idade (IC 95% 2,0-4,3); 4,2 para peso corporal (IC 95% 2,8-6,4); 4,0 para massa gorda12 (IC 95% 2,6-6,0); 4,2 para circunferência da cintura (IC 95% 2,8-6,2); 2,4 (IC 95% 1,6-3,5) para a relação cintura-quadril e 3,8 para a relação cintura-altura (IC 95% 2,6-5,5). No entanto, quando estratificado por idade, os participantes de 75 anos de idade ou mais tinham razão de risco aproximadamente pela metade desses com 65 a 74 anos de idade. Comparado aos participantes de peso estável (± 2 kg), aqueles que ganharam mais peso a partir de 50 anos de idade em relação ao início do estudo (≥9 kg) e desde o início até a terceira visita de acompanhamento (≥6 kg) tinham razão de risco para diabetes3 tipo 2 de 2,8 (IC 95% 1,9-4,3) e 2,0 (IC 95% 1,1-3,7), respectivamente. Os participantes com ganho maior do que 10 centímetros na circunferência da cintura do início do estudo até a terceira visita de acompanhamento tiveram uma razão de risco para diabetes3 tipo 2 de 1,7 (IC 95% 1,1-2,8) em comparação com aqueles que ganharam ou perderam dois centímetros ou menos.

Concluiu-se que entre os adultos mais velhos, a adiposidade geral ou central e o ganho de peso durante a meia-idade e após a idade de 65 anos estão associados ao risco de diabetes mellitus2 tipo 2.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 303, número 24, de 23 de junho de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Ganho de peso na meia-idade ou na idade avançada está associado ao maior risco de diabetes tipo 2 para idosos, publicado pelo JAMA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/571992/ganho-de-peso-na-meia-idade-ou-na-idade-avancada-esta-associado-ao-maior-risco-de-diabetes-tipo-2-para-idosos-publicado-pelo-jama.htm>. Acesso em: 17 nov. 2019.

Complementos

1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
7 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
8 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
9 Quintil: 1. Em estatística, diz-se de ou qualquer separatriz que divide a área de uma distribuição de frequência em cinco domínios de áreas iguais. O termo quintil também é utilizado, por vezes, para designar uma das quintas partes da amostra ordenada. 2. Em astronomia, é o aspecto de dois planetas distantes 72° entre si (distância angular correspondente a um quinto do Zodíaco). 3. Em matemática, é o mesmo que quíntico. A palavra quintil deriva do latim quintus, que significa quinto.
10 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
11 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 Massa gorda: É a porção de massa do organismo constituída de gordura armazenada (encontrada no tecido subcutâneo) e gordura essencial (encontrada nas vísceras, responsável pelo funcionamento fisiológico normal). A massa gorda é o resultado em quilos do percentual de gordura existente no organismo. Por exemplo, um indivíduo de 100 quilos e com percentual de gordura de 38%, pode ter o valor da massa gorda calculado em 38 quilos.
Gostou do artigo? Compartilhe!