Gostou do artigo? Compartilhe!

Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Após 20 anos de pesquisas, cientistas da Universidade de Cambridge descobriram um mecanismo que participa dos estágios iniciais do processo que controla a pressão arterial1. Os achados, publicados na revista Nature, têm implicações significativas para o tratamento da pré-eclâmpsia2 e da hipertensão arterial3 em geral.

A pressão arterial1 é controlada por hormônios chamados angiotensinas, os quais causam constrição4 dos vasos sanguíneos5. Estes hormônios são liberados pelo angiotensinogênio (proteína que faz parte do sistema renina angiotensina aldosterona, substrato da enzima6 renina). Até o momento, não estava entendido como isso ocorria.

O Dr. Aiwu Zhou, fellow da British Heart Foundation (BHF) na Universidade de Cambridge, foi quem fez a descoberta e disse que, apesar do foco inicial do estudo ter sido a pré-eclâmpsia2, a pesquisa abre novas possibilidades para descobertas futuras sobre as causas da hipertensão arterial3 em geral.

Os pesquisadores usaram um feixe de raio X extremamente intenso produzido pelo Diamond Light Source, um acelerador de partículas britânico. Desta forma, puderam explicar a estrutura do angiotensinogênio. Os resultados revelaram que a proteína se oxida e muda de forma para permitir acesso direto da enzima6 renina ao angiotensinogênio. A renina altera a forma final da proteína para liberar a angiotensina, a qual aumenta a pressão arterial1.

Estes resultados laboratoriais foram levados a uma clínica, na Universidade de Nottingham, onde a equipe mostrou que o montante oxidado, portanto mais ativo do angiotensinogênio, estava aumentado em mulheres com pré-eclâmpsia2.

O professor Robin Carrell, da Universidade de Cambridge, que liderou o projeto, explicou que durante a gravidez7 mudanças oxidativas podem ocorrer na placenta. Estas mudanças podem estimular a “descarga” de angiotensina e podem estar relacionadas ao aumento da pressão arterial1. A liberação da angiotensina leva ao aumento da pressão sanguínea, podendo elevar-se quando a circulação8 na placenta reajusta as exigências de oxigênio para o feto9 em crescimento, com o fornecimento de oxigênio à placenta da mãe.

Os medicamentos usados para tratar a hipertensão arterial3, como os inibidores da enzima6 conversora angiotensina (IECA), focam nos estágios finais do mecanismo de controle da pressão arterial1. Os resultados deste estudo ajudam a entender os mecanismo iniciais deste processo e podem levar à descoberta de novos medicamentos para o controle da pressão alta.  

Fontes:

University of Cambridge

Nature - publicação online de 6 de outubro de 2010

NEWS.MED.BR, 2010. Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/90747/descoberto-novo-mecanismo-que-controla-a-pressao-arterial-segundo-estudo-publicado-na-revista-nature.htm>. Acesso em: 13 dez. 2019.

Complementos

1 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
2 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
3 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
4 Constrição: 1. Ação ou efeito de constringir, mesmo que constrangimento (ato ou efeito de reduzir). 2. Pressão circular que faz diminuir o diâmetro de um objeto; estreitamento. 3. Em medicina, é o estreitamento patológico de qualquer canal ou esfíncter; estenose.
5 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
6 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
7 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
8 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
9 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

10/01/2011 - Complemento feito por guilherme
Re: Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature
em primeiro lugar, a despeito da brilhante descoberta, a primeira escolha para o manejo da hipertensão arterial continua sendo o diurético tiazídico (clortalidona). em segundo lugar, mesmo que a angiotensina1 ainda possa ser convertida por outras vias, o uso do ARA2 deve ser reservado para os pacientes que não toleram os IECA´s. e por último, se o estudo objetivava o tratamento da pré-eclâmpsia, a discussão a respeito do uso de IECA é totalmente desnecessária, pois é do conhecimento de todos que os mesmos são contraindicados na gravidez!

05/11/2010 - Complemento feito por GEORGES
Re: Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature
...SEGUNDO ESTE TRABALHO A QUESTAO DA HIPERTENSAO SERIA UM AUMENTO NOS PROCESSOS OXIDATIVOS NO ORGANISMO, ENTAO PORQUE NAO USAR ANTI-OXIDANTES PARA TAMBEM TRATAR E/OU PREVENIR ESTAS HIPOERTENSOES? PORQUE TANTOS MEDICOS CRITICAM O USO DOS ANTI-OXIDANTES?
5-11-2010.

31/10/2010 - Complemento feito por Renizio
Re: Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature
Atualmente, já existe uma classe de medicamentos chamados inibidores da renina que atuam promovendo um bloqueio do sítio catalítico da renina o qual impede a clivagem do angiotensinogênio e a produção de angiotensina I. O alicireno é o medicamento que representa essa nova classe de anti-hipertensivos e foi aprovado para comercialização em janeiro de 2008.

19/10/2010 - Complemento feito por Cláudio
Re: Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature
Segundo o Estudo acima, que comenta: ..."como os inibidores da enzima conversora angiotensina (IECA), focam nos estágios finais do mecanismo de controle da pressão arterial.", fala com pouquíssima abrangência sobre o tema. Contudo, gostaria de reiterar que, os fármacos que focam os estágios finais do "processo" hipertensivo, são os Bloqueadores dos Receptores (AT1) da Angiotensina II (BRA´s) e não os IECA. Pois mesmo inibindo a enzima conversora, seria possível sim formar Angiotensina II, exclusivamente pela Via-Não ECA (peptidases: tonina, quimiotripsina, quimase...), permitindo que tal "bloqueio" seja falho e a pressão arterial não estaria efetivamente controlada.

10/10/2010 - Complemento feito por marcos
Re: Descoberto novo mecanismo que controla a pressão arterial, segundo estudo publicado na revista Nature
Nas últimas duas décadas, os medicamentos antihipertensivos , estão sempre entre os mais utilizados, devido ao aumento nos casos de hipertensão e também a mudanças nos parâmetros diagnósticos, pois sabemos hoje, que uma pressão arterial acima de 120x 80 mmHg , pode causar problemas a longo prazo no sistema cardiovascular, podendo levar á acidentes vasculo encefálicos e doenças arteriais obstrutivas, como a ANGINA E O INFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO.
Isto tornou o diagnóstico precoce da HIPERTENSÃO, de vital importância para a saúde pública, afim de prevenir as complicações decorrentes de uma pressão mal controlada.
É certo que existem muitos medicamentos eficientes à disposição dos pacientes, mas novas frentes de pesquisa são necessárias , pois quanto maior o arsenal farmacológico a disposição , melhor se pode contolar A PRESSÃO ARTERIAL E EVITAR TODAS SUAS CONSEQUÊNCIAS, QUE COMO SE FALAVA A ALGUM TEMPO A PRESSÃO ARTERIAL NÃO CONTROLADA PODE SER UMA ASSASSINA SILENCIOSA!!!

  • Entrar
  • Assinar