Gostou do artigo? Compartilhe!

Neurology: sinais de alerta em grávidas com dor de cabeça

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo de base hospitalar, publicado pelo periódico Neurology, foi realizado com o objetivo de caracterizar aspectos demográficos e clínicos em grávidas que apresentam dor de cabeça1 aguda e de identificar características clínicas associadas à dor de cabeça1 secundária.

Foi realizado um estudo retrospectivo2, de cinco anos, em um único centro médico, com gestantes apresentando-se em hospital para consulta neurológica objetivando receber cuidados agudos para dor de cabeça1.

As 140 mulheres, com idade média de 29±6,4 anos, muitas vezes estavam no terceiro trimestre (56,4%) de gestação. Os diagnósticos foram divididos em transtornos primários (65,0%) e transtornos secundários (35,0%). A cefaleia3 primária mais comum foi a enxaqueca4 (91,2%) e as dores de cabeça1 secundárias mais comuns foram síndromes hipertensivas (51,0%). Os grupos foram semelhantes em demografia, idade gestacional e características da dor de cabeça1. Na análise univariada, as cefaleias5 secundárias foram associadas a uma falta de histórico de dor de cabeça1 (36,7% vs 13,2%, p=0,0012), convulsões (12,2% vs 0,0%, p=0,0015), pressão arterial6 elevada (55,1% vs 8,8%, p<0,0001), febre7 (8,2% vs 0,0%, p=0,014) e um exame neurológico anormal (34,7% vs 16,5%, p=0,014). Na regressão logística multivariada, gestantes com a pressão arterial6 elevada e ausência de histórico de dor de cabeça1 tiveram um aumento da associação com dor de cabeça1 secundária, enquanto comorbidades8 psiquiátricas e fonofobia tiveram uma associação reduzida com dor de cabeça1 secundária.

Entre as grávidas estudadas que receberam consulta neurológica de internação, mais de um terço tinha dor de cabeça1 secundária. A vigilância de diagnóstico9 deve ser aumentada na ausência de uma história prévia de dores de cabeça1 e se convulsões, hipertensão10 ou febre7 estiverem presentes. As características da dor de cabeça1 aguda podem não distinguir adequadamente distúrbios primários vs secundários e o monitoramento para a pré-eclâmpsia11 é justificado.

Fonte: Neurology, publicação online, de 19 de agosto de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Neurology: sinais de alerta em grávidas com dor de cabeça. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/801734/neurology-sinais-de-alerta-em-gravidas-com-dor-de-cabeca.htm>. Acesso em: 16 dez. 2019.

Complementos

1 Cabeça:
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
4 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
5 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
8 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
11 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
Gostou do artigo? Compartilhe!