Gostou do artigo? Compartilhe!

Identificação de três biomarcadores na urina para detecção precoce do adenocarcinoma de pâncreas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma combinação de três proteínas1 encontradas em níveis elevados na urina2 pode detectar com precisão o câncer3 de pâncreas4 em estágio inicial. A descoberta pode conduzir a um exame não invasivo, de baixo custo, para rastrear pessoas em alto risco de desenvolver a doença.

Uma equipe do Barts Cancer3 Institute, Queen Mary University of London, mostrou que as proteínas1 LYVE-1, REG1A e TFF1, biomarcadores dosados na urina2, podem identificar a forma mais comum de câncer3 de pâncreas4 em estágio inicial e distinguir entre este tumor5 e a pancreatite6 crônica.

O estudo, publicado na revista Clinical Cancer3 Research, analisou 488 amostras de urina2 de pacientes divididos em três grupos:

Foram utilizadas mais de 117 amostras de pacientes com outras condições benignas e malignas do fígado7 e da vesícula biliar8 para posterior validação.

Por volta de 1.500 proteínas1 foram encontradas nas amostras de urina2, com aproximadamente metade sendo comum a ambos os voluntários de ambos os sexos. Destas, três proteínas1 - LYVE1, REG1A e TFF1 - foram selecionadas para exame mais detalhado.

Os doentes com câncer3 pancreático apresentaram níveis aumentados de cada uma das três proteínas1 quando comparados a amostras de urina2 de pacientes saudáveis, enquanto que os pacientes com pancreatite6 crônica tinham níveis significativamente mais baixos do que os doentes com câncer3. Quando combinadas, as três proteínas1 podem detectar pacientes com câncer3 de pâncreas4 nos estágios I-II com mais de 90% de precisão.

A descoberta é muito importante, pois até o momento não há disponível um exame para diagnóstico9 precoce do câncer3 de pâncreas4, sendo que a maioria dos pacientes com esta patologia10 só recebe diagnóstico9 quando o tumor5 já se espalhou no organismo.

Fonte: Clinical Cancer3 Research, de 1° de agosto de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Identificação de três biomarcadores na urina para detecção precoce do adenocarcinoma de pâncreas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/798769/identificacao-de-tres-biomarcadores-na-urina-para-deteccao-precoce-do-adenocarcinoma-de-pancreas.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.

Complementos

1 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
2 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
5 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
6 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
Gostou do artigo? Compartilhe!