Gostou do artigo? Compartilhe!

Por que as crianças de baixo peso ao nascer, que crescem rapidamente, são propensas a doenças cardíacas na vida adulta?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um simples suplemento pode ser seguro e eficaz na redução de doenças cardíacas em indivíduos nascidos com baixo peso, que crescem rapidamente e que estão mais sujeitos a doenças cardíacas na vida adulta, sugere uma pesquisa da Universidade de Cambridge. O estudo, realizado em ratos, também levanta a possibilidade de desenvolver um exame de sangue1 para indicar quanto dano há na artéria2 aorta3 destes indivíduos.

Investigadores do Institute of Metabolic Science alimentaram ratos com baixo peso ao nascimento com um complemento da molécula de coenzima Q (CoQ) e descobriram que, naqueles ratos que cresceram rapidamente após o nascimento, o suplemento evitou o envelhecimento prematuro de células4 da aorta3, o que pode levar a doenças cardíacas. Os cientistas sabem há alguns anos que os bebês5 com baixo peso ao nascer, que crescem rapidamente, são mais propensos a desenvolver doenças cardíacas do que aqueles com peso normal. Este novo estudo, publicado no The FASEB Journal, identificou um novo mecanismo subjacente a este fenômeno e sugere um possível tratamento.

Pesquisadores financiados pela British Heart Foundation e pelo Medical Research Council (MRC) alimentaram ratas grávidas com uma dieta controle ou uma dieta com baixa de proteína e alta de carboidratos. As mães alimentadas com a dieta de baixa proteína tinham filhotes com baixo peso ao nascer, mas que cresciam rapidamente quando amamentados por uma mãe alimentada com a dieta controle. Quando os pesquisadores examinaram a aorta3 destes ratos, eles descobriram que as suas células4 tinham envelhecido mais rapidamente do que os da descendência com peso normal ao nascer e que este envelhecimento celular foi associado a um déficit de CoQ na aorta3.

Quando os pesquisadores deram aos ratos de baixo peso ao nascer um suplemento de CoQ na sua dieta, após o desmame, eles descobriram que isso impediu o envelhecimento acelerado e os danos à aorta3. A CoQ é produzida naturalmente no corpo e é necessária para garantir que as mitocôndrias funcionem corretamente para proteger as células4 contra o estresse oxidativo causado por moléculas altamente reativas conhecidas como radicais livres, que podem causar danos às proteínas6, membranas e genes.

A equipe também descobriu que a CoQ está reduzida nas células brancas do sangue7 de ratos com baixo peso ao nascer e, portanto, que os níveis de CoQ nas células4 do sangue1 pode ser usado para ver o quanto de dano há na aorta3.

"O estudo responde a uma questão que tem intrigado os médicos já há algum tempo - por que as crianças de baixo peso ao nascer, que crescem rapidamente, são propensas a doenças cardíacas na vida adulta", explica a professora Susan Ozanne da MRC Metabolic Diseases Unit, que liderou o estudo. "Acreditamos que é porque eles são deficientes em coenzima Q. Como esta molécula também está deficiente em células4 do sangue1 do indivíduo, pode ser possível desenvolver um simples exame de sangue1 capaz de diagnosticar a quantidade de dano à sua aorta3 e, portanto, a probabilidade de desenvolver doenças cardíacas."

Apesar de este ser um estudo em roedores, ele pode um dia ter implicações importantes para a prevenção e o tratamento precoce de doenças cardíacas em humanos, sugerindo um possível tratamento para indivíduos em risco com um suplemento seguro e eficaz em termos de custos e que tem o potencial para prevenir doenças cardíacas antes de exibir quaisquer sintomas8 da doença. Os pesquisadores planejam estabelecer se esses resultados podem ser confirmados em seres humanos e, portanto, tornar o seu potencial prognóstico9 uma possibilidade realista.

Fonte: The FASEB Journal, de dezembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Por que as crianças de baixo peso ao nascer, que crescem rapidamente, são propensas a doenças cardíacas na vida adulta?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/708587/por-que-as-criancas-de-baixo-peso-ao-nascer-que-crescem-rapidamente-sao-propensas-a-doencas-cardiacas-na-vida-adulta.htm>. Acesso em: 23 mai. 2019.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
3 Aorta: Principal artéria do organismo. Surge diretamente do ventrículo esquerdo e através de suas ramificações conduz o sangue a todos os órgãos do corpo.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
7 Células Brancas do Sangue: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS).
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
Gostou do artigo? Compartilhe!