Gostou do artigo? Compartilhe!

Corticoides sistêmicos podem aumentar risco de sangramento pós-amigdalectomia em crianças, artigo do JAMA Otolaryngology - Head & Neck Surgery

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Apesar do sangramento pós-amigdalectomia ser raro, ele pode ser potencialmente fatal. A associação entre a administração de esteroides e o sangramento pós-operatório ainda é controversa. Os resultados de estudos anteriores foram limitados pelas pequenas amostras analisadas. O presente estudo, publicado pelo JAMA Otolaryngology - Head & Neck Surgery, fez a análise de 61.430 pacientes de um banco de dados japonês, o National Inpatient Database.

Foi realizado um estudo de coorte1 retrospectivo2, com 61.430 pacientes de 718 hospitais que foram submetidos à amigdalectomia entre 2007 e 2013. O objetivo foi examinar o impacto da administração de esteroides, por via intravenosa, no sangramento pós-amigdalectomia, levando à necessidade de reoperação em crianças e adultos.

A principal medida avaliada foi a reoperação para hemostasia3, sob anestesia4 geral, após administração intravenosa de esteroides no dia da amigdalectomia. As características dos pacientes (idade, sexo, comorbidades5) e o uso de esteroides foram examinados. Os pacientes foram classificados como crianças (idade ≤15 anos, n=31.934) e adultos (idade >15 anos, n=29.496) e subclassificados em dois grupos, um que recebeu tratamento com esteroides, por via intravenosa, no dia da cirurgia de amigdalectomia (grupo esteroide) e outro que não recebeu (grupo controle). A análise de regressão logística multivariada foi realizada para analisar a associação entre o uso de esteroides e o sangramento pós-operatório com ajustes para as características do paciente.

Os resultados mostraram que a taxa de reoperação foi significativamente maior no grupo esteroide do que no grupo controle para as crianças (1,2% vs 0,5%) (p<0,001), mas não para os adultos (1,7% vs 1,4%) (p=0,14). A reoperação foi mais realizada em cerca de sete dias após a amigdalectomia. Após o ajuste para as características do paciente, encontrou-se um aumento significativo na taxa de reoperação no grupo esteroide em crianças (p=0,001), mas não em adultos (p=0,31).

Concluiu-se que a administração de esteroides intravenosos no dia da cirurgia de amigdalectomia em crianças foi um fator de risco6 independente para a ocorrência de hemorragia7 grave necessitando de reoperação.

Fonte: JAMA Otolaryngology - Head & Neck Surgery, publicação online de 18 de setembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Corticoides sistêmicos podem aumentar risco de sangramento pós-amigdalectomia em crianças, artigo do JAMA Otolaryngology - Head & Neck Surgery. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/574737/corticoides-sistemicos-podem-aumentar-risco-de-sangramento-pos-amigdalectomia-em-criancas-artigo-do-jama-otolaryngology-head-amp-neck-surgery.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.

Complementos

1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Hemostasia: Ação ou efeito de estancar uma hemorragia; mesmo que hemóstase.
4 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
5 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
6 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
7 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!