Gostou do artigo? Compartilhe!

CMAJ: metformina pode baixar os níveis do hormônio estimulante da tireoide (TSH) em diabéticos com hipotireoidismo tratado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pequenos estudos transversais têm sugerido que a metformina1, uma primeira linha de hipoglicemiante2 oral, pode diminuir os níveis do hormônio3 estimulante da tireoide4 (TSH).

O objetivo do trabalho, publicado no Journal of the Canadian Medical Association (CMAJ), foi determinar se a utilização de monoterapia com metformina1, quando comparada à monoterapia com sulfonilureia, está associada a um risco aumentado de baixos níveis de TSH (<0,4 mUI/L) em pacientes com diabetes mellitus5 tipo 2.

Usando o Clinical Practice Research Datalink, foram identificados os pacientes que começaram a tomar metformina1 em monoterapia ou sulfonilureia entre 1° de janeiro de 1988 e 31 de dezembro de 2012. Os pesquisadores montaram duas subcoortes de pacientes com hipotireoidismo6 tratado ou eutireoidismo, acompanhadas até 31 de março de 2013. Foram usados modelos de riscos proporcionais de Cox para avaliar a associação de baixos níveis de TSH com metformina1 em monoterapia, em comparação com a monoterapia com sulfonilureia, em cada subcoorte.

Um total de 5.689 pacientes com hipotireoidismo6 tratado e 59.937 pacientes eutireoideos foram incluídos nas subcoortes. Entre os pacientes com hipotireoidismo6 tratado, foram observados 495 eventos de baixos níveis de TSH durante o acompanhamento (taxa de incidência7 de 119,7/1.000 pessoas-ano). No grupo eutireoideo, 322 eventos de baixos níveis de TSH foram observados (taxa de incidência7 de 4,5/1.000 pessoas-ano). Em comparação com a monoterapia com sulfonilureia, a metformina1 em monoterapia foi associada a um risco aumentado de baixos níveis de TSH de 55% em pacientes com hipotireoidismo6 tratado (taxa de incidência7 de 79,5/1.000 pessoas-ano versus 125,2/1.000 pessoas-ano) com o risco mais alto nos 90 a 180 dias após o início do uso da medicação. Nenhuma associação foi observada em pacientes eutireoideos.

Neste estudo longitudinal de base populacional, o uso de metformina1 foi associado a um aumento da incidência7 de baixos níveis de TSH em pacientes com hipotireoidismo6 tratado, mas não em pacientes eutireoideos. As consequências clínicas dessa associação necessitam de mais pesquisas para serem elucidadas.

Fonte: Journal of the Canadian Medical Association (CMAJ), de 22 de setembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. CMAJ: metformina pode baixar os níveis do hormônio estimulante da tireoide (TSH) em diabéticos com hipotireoidismo tratado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/571607/cmaj-metformina-pode-baixar-os-niveis-do-hormonio-estimulante-da-tireoide-tsh-em-diabeticos-com-hipotireoidismo-tratado.htm>. Acesso em: 17 nov. 2019.

Complementos

1 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
2 Hipoglicemiante: Medicamento que contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
3 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
4 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
5 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
6 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!