Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapia genética controlou a retinopatia diabética por pelo menos um ano

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma forma de terapia genética estabilizou ou melhorou a retinopatia diabética1 (RD) por até um ano, particularmente em pacientes com RD não proliferativa (NP), mostrou um pequeno estudo clínico, com resultados divulgados em comunicado da REGENXBIO, publicado na Cision PR Newswire.

No geral, cerca de 40% dos pacientes melhoraram o estado da doença e outros 30% apresentaram doença estável após uma única injeção2 de RGX-314 direcionado ao fator de crescimento do endotélio vascular3 (VEGF). No subgrupo de pacientes com RDNP, 29 dos 30 apresentaram doença estável ou melhora na Escala de Gravidade da Retinopatia Diabética1 (DRSS), incluindo todos os pacientes tratados com a dose mais elevada.

A terapia genética foi associada a um risco substancialmente reduzido de eventos que ameaçam a visão4 (EAVs), disse Mark R. Barakat, MD, do Retinal Consultants of Arizona em Phoenix, durante o encontro anual da Academia Americana de Oftalmologia (AAO).

“Uma injeção2 única no consultório mostrou uma melhora clinicamente significativa na gravidade da doença e uma redução nos EAVs em pacientes com RDNP”, disse Barakat. “No nível de dose mais alto e na RDNP basal, 100% dos pacientes apresentaram gravidade da doença estável ou melhorada. Apenas 4,2% dos pacientes desenvolveram EAVs versus 37% no grupo controle, o que representa uma redução de 89% nesses eventos”.

Durante uma discussão que se seguiu à apresentação, o moderador da sessão da AAO, Mark Humayun, MD, PhD, da Universidade do Sul da Califórnia em Los Angeles, disse que a perspectiva de um tratamento único no consultório “é provocante e pode ser um divisor de águas. Como você incorporaria isso em sua clínica?”

Enquanto os perfis de segurança e eficácia se mantiverem, “seria muito tentador tratar uma grande maioria dos pacientes com retinopatia diabética”, disse Barakat. “Todos nós sabemos que o tratamento anti-VEGF para a retinopatia diabética1 pode ter um efeito. É apenas uma questão de quantas vezes você está disposto a tratar. Um único tratamento no consultório faz sentido.”

Observando que a população com diabetes5 tende a ser mais jovem, a palestrante Gemmy Cheung, do Centro Nacional de Olhos6 de Cingapura, disse que o controle sistêmico7 do diabetes5 pode mudar com o tempo.

“Então, como podemos mitigar8 um tipo de tratamento único e meio que para sempre, e que não podemos desligar nesses pacientes?” ela perguntou.

A idade mais jovem da população torna os pacientes um grupo interessante a ser alvo da terapia, disse Barakat.

“Sabemos que esta é uma doença crônica e eles precisarão de tratamento crônico”, disse ele. “A ideia de aplicar injeções mensais ou mesmo a cada 3 meses simplesmente não é sustentável. Você trataria todos os pacientes com retinopatia diabética1 que entrassem pela porta? Provavelmente não, mas se alguém chegasse com retinopatia diabética1 não proliferativa moderadamente grave ou grave, acho que é simples e perfeitamente razoável.”

Saiba mais sobre "Retinopatia diabética1", "Diabetes Mellitus9" e "Genética - conceitos básicos".

O RGX-314 consiste em um vetor de vírus10 adeno-associado (AAV)8 que transporta um gene que codifica o fragmento11 de anticorpo12 (fab) anti-VEGF. Após a injeção2 supracoroidal, a terapia genética induz as células13 oculares a produzirem fab anti-VEGF para reduzir a formação de vasos sanguíneos14 com vazamento. O tratamento foi investigado em uma variedade de condições da retina15, incluindo edema macular16 diabético (EMD) e edema macular16 relacionado à idade.

No comunicado publicado, a REGENXBIO anunciou dados positivos adicionais do estudo ALTITUDE® de Fase II em andamento do ABBV-RGX-314 para o tratamento de retinopatia diabética1 (RD) sem edema macular16 diabético envolvido no centro, usando administração supracoroidal em consultório. O ABBV-RGX-314 está sendo investigado como uma potencial terapia genética única para o tratamento da degeneração macular17 relacionada à idade úmida, RD e outras condições crônicas da retina15.

“Estamos satisfeitos que o ABBV-RGX-314 no nível de dose 2 continue a ser bem tolerado e demonstre melhorias clinicamente significativas para pacientes18 com RD não proliferativa”, disse Steve Pakola, MD, Diretor Médico da REGENXBIO. “Uma injeção2 única de terapia genética ABBV-RGX-314 no consultório tem o potencial de estabilizar e melhorar a pontuação de gravidade da RD e reduzir o risco a longo prazo de eventos que ameaçam a visão”.

“A RD é uma das principais causas de perda de visão4 em adultos em idade ativa e é uma preocupação global de saúde19 pública, e estou encorajado pelos resultados positivos de um ano observados no ensaio ALTITUDE do ABBV-RGX-314”, disse o Dr. Barakat. “Há uma necessidade não atendida de opções de tratamento sustentáveis que impeçam a progressão da retinopatia diabética1 precoce para retinopatia diabética1 proliferativa e o desenvolvimento de complicações que ameaçam a visão4 a longo prazo. Aguardo com expectativa ver dados adicionais do ensaio ALTITUDE de um tratamento único em consultório do ABBV-RGX-314.”

ALTITUDE é um ensaio multicêntrico, aberto, randomizado20, controlado e de escalonamento de dose que avalia a eficácia, segurança e tolerabilidade da administração supracoroidal de ABBV-RGX-314 usando o SCS Microinjector® em pacientes com retinopatia diabética1 não proliferativa (RDNP) moderadamente grave ou grave, ou retinopatia diabética1 proliferativa (RDP) leve.

Os pacientes da Coorte21 1 receberam ABBV-RGX-314 em um nível de dose de 2,5 x 10¹¹ cópias genômicas por olho22 (CG/olho22) (nível de dose 1). Os pacientes nas Coortes 2 e 3 receberam ABBV-RGX-314 em um nível de dose aumentado de 5 x 10¹¹ CG/olho22 (nível de dose 2). Os pacientes nas Coortes 1-3 não receberam terapia profilática com corticosteroides antes ou após a administração de ABBV-RGX-314.

Em 25 de setembro de 2023, foi relatado que ABBV-RGX-314 é bem tolerado nos níveis de dose 1 e 2. Foram relatados sete eventos adversos graves, nenhum dos quais foi considerado relacionado ao medicamento. Para pacientes18 nos níveis de dose 1 e 2 (n = 50), os eventos adversos comuns emergentes do tratamento ocular no olho22 do estudo ao longo de um ano incluíram hemorragia23 conjuntival e hiperemia24 conjuntival. Três pacientes apresentaram inflamação25 intraocular (IIO) leve, que foi resolvida com corticosteroides tópicos. Seis pacientes tiveram episclerite leve a moderada e melhoraram com corticosteroides tópicos.

Não foram relatados casos de coriorretinite, vasculite26, oclusão ou hipotonia27. A melhor acuidade visual28 corrigida permaneceu estável durante um ano.

Em um ano, o nível de dose 2 em pacientes com RDNP preveniu a progressão da doença, conforme medido pela Escala de Gravidade da Retinopatia Diabética1 (DRSS) do Estudo de Tratamento Precoce da Retinopatia Diabética1. É importante ressaltar que o nível de dose 2 reduziu o risco de desenvolver eventos que ameaçam a visão4 em 89% nestes pacientes.

Os pacientes com RDNP tratados com ABBV-RGX-314 nos níveis de dose 1 e 2 demonstraram melhorias clinicamente significativas na gravidade da doença e redução de eventos que ameaçam a visão4. No nível de dose 2, os pacientes com RDNP basal:

  • 100% demonstraram gravidade da doença estável a melhorada
    • 70,8% alcançaram ≥1 etapa de melhoria vs. 25,0% no controle
    • 0% piorou ≥2 etapas vs. 37,5% no controle
  • 4,2% desenvolveram eventos que ameaçam a visão4 vs. 37,5% no controle
Leia sobre "Manifestações oculares de doenças sistêmicas" e "Deficiência visual".

 

Fontes:
Cision PR Newswire, comunicado publicado em 03 de novembro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 06 de novembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Terapia genética controlou a retinopatia diabética por pelo menos um ano. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1461675/terapia-genetica-controlou-a-retinopatia-diabetica-por-pelo-menos-um-ano.htm>. Acesso em: 28 fev. 2024.

Complementos

1 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
2 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
3 Endotélio Vascular: Camada única de células que alinha-se na superfície luminal em todo o sistema vascular. Regulam o transporte de macromoléculas e componentes do sangue do interstício ao lúmem. Sua função tem sido mas amplamente estudada nos capilares sangüíneos.
4 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Olhos:
7 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
8 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
11 Fragmento: 1. Pedaço de coisa que se quebrou, cortou, rasgou etc. É parte de um todo; fração. 2. No sentido figurado, é o resto de uma obra literária ou artística cuja maior parte se perdeu ou foi destruída. Ou um trecho extraído de uma obra.
12 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
13 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
14 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
15 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
16 Edema macular: Inchaço na mácula.
17 Degeneração macular: A degeneração macular destrói gradualmente a visão central, afetando a mácula, parte do olho que permite enxergar detalhes finos necessários para realizar tarefas diárias tais como ler e dirigir. Existem duas formas - úmida e seca. Na forma úmida, há crescimento anormal de vasos sanguíneos no fundo do olho, podendo extravasar fluidos que prejudicam a visão central. Na forma seca, que é a mais comum e menos grave, há acúmulo de resíduos do metabolismo celular da retina, aliado a graus variáveis de atrofia do tecido retiniano, causando uma perda visual central, de progressão lenta, podendo dificultar a realização de algumas atividades como ler e escrever ou a identificação de traços de fisionomia.
18 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
21 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
22 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
23 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
24 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
25 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
26 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
27 Hipotonia: 1. Em biologia, é a condição da solução que apresenta menor concentração de solutos do que outra. 2. Em fisiologia, é a redução ou perda do tono muscular ou a redução da tensão em qualquer parte do corpo (por exemplo, no globo ocular, nas artérias, etc.)
28 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
Gostou do artigo? Compartilhe!