Gostou do artigo? Compartilhe!

Três pacientes com alopécia areata recuperaram seus cabelos com o medicamento ruxolitinib, publicado pela Nature Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A alopécia1 areata (AA) é uma doença autoimune2 que gera danos ao folículo3 capilar4 pelas células5 T. As vias imunes necessárias para a ativação de células5 T autorreativas na AA não estão definidas, limitando o desenvolvimento de terapias.

Estudos de associação em todo o genoma (GWAS) demonstraram o envolvimento de ligantes do receptor NKG2D (produto do gene KLRK1) na patogênese6 da alopécia1 areata. Neste estudo, publicado pela revista Nature Medicine, os cientistas mostraram que as células5 citotóxicas CD8 + NKG2D + T são necessárias e suficientes para a indução de alopécia1 areata (AA) em cobaias. O perfil global da transcrição da AA na pele7 de ratos e humanos revelou a expressão gênica indicativa de infiltração de células5 T citotóxicas, uma resposta do interferon-γ (IFN-γ) e a regulação positiva de várias cadeias γ (yc) de citocinas8 conhecidas por promover a ativação e a sobrevivência9 de IFN-γ produtoras de células5 T efetoras CD8 + NKG2D + T.

Terapeuticamente, o bloqueio do IFN-γ (mediado por anticorpo10), da interleucina-2 (IL-2) ou do receptor β (IL-15Rβ) da interleucina-15 preveniram o desenvolvimento da doença, reduzindo o acúmulo de células5 T CD8 + NKG2D + T na pele7 e a resposta de IFN na derme11 em um modelo do rato com AA. Inibidores farmacológicos de Janus quinase (JAK), que é uma família de proteínas12 tirosina13 quinases, administrados sistemicamente, que são efetores a jusante da família dos receptores de IFN-γ e de citocinas8 yc, eliminaram a assinatura de IFN e impediram o desenvolvimento da AA, enquanto que a administração tópica promoveu o crescimento dos cabelos e reverteu a doença estabelecida. Notavelmente, três pacientes tratados com ruxolitinib oral, um inibidor de JAK1 e JAK2, alcançaram crescimento quase completo dos cabelos dentro de cinco meses de tratamento, o que sugere a utilização clínica potencial de inibidores da JAK em pessoas com AA.

As conclusões são de pesquisadores do Columbia University Medical Center e foram publicadas na revista Nature Medicine.

O ruxolitinib é um medicamento normalmente utilizado para o tratamento de doenças da medula óssea14.

Fonte: Nature Medicine, publicação online, de 17 de agosto de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Três pacientes com alopécia areata recuperaram seus cabelos com o medicamento ruxolitinib, publicado pela Nature Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/562672/tres-pacientes-com-alopecia-areata-recuperaram-seus-cabelos-com-o-medicamento-ruxolitinib-publicado-pela-nature-medicine.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.

Complementos

1 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
2 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
3 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
4 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Patogênese: Modo de origem ou de evolução de qualquer processo mórbido; nosogenia, patogênese, patogenesia.
7 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
8 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
9 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
10 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
11 Derme: Camada interna das duas principais camadas da pele. A derme é formada por tecido conjuntivo, vasos sanguíneos, glândulas sebáceas e sudoríparas, nervos, folículos pilosos e outras estruturas. É constituída por uma fina camada superior que é a derme papilar e uma camada mais grossa, mais baixa, que é a derme reticular.
12 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
13 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
14 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
Gostou do artigo? Compartilhe!