Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: efeito da atividade física estruturada para a prevenção da incapacidade de mobilidade em idosos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em idosos, a redução da mobilidade é comum e constitui um fator de risco1 independente para morbidade2, hospitalização, incapacidade e mortalidade3. Evidências limitadas sugerem que a atividade física pode ajudar a prevenir a incapacidade funcional; no entanto, não há estudos clínicos definitivos sobre este assunto.

O objetivo do ensaio clínico randomizado4 LIFE Study, publicado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA), foi testar a hipótese de que um programa de atividade física estruturada de longo prazo é mais eficaz do que um programa de educação em saúde5 (também referido como um programa de envelhecimento bem sucedido) na redução do risco de incapacidade de mobilidade.

O The Lifestyle Interventions and Independence for Elders (LIFE) foi um estudo multicêntrico, randomizado4, que envolveu participantes entre fevereiro de 2010 e dezembro de 2011, para fazerem parte de uma pesquisa que durou em média 2,6 anos. O acompanhamento terminou em dezembro de 2013. Os participantes foram recrutados em comunidades urbanas, suburbanas e rurais em oito centros dos Estados Unidos. Foi randomizada uma amostra de voluntários com 1.635 homens e mulheres sedentários, idades variando entre 70 e 89 anos, que tinham limitações físicas, mas que eram capazes de caminhar 400 metros. A incapacidade foi definida como uma pontuação de nove ou menos no Short Physical Performance Battery.

Os participantes foram randomizados para um programa estruturado de atividade física de intensidade moderada (n=818), realizado em um centro (duas vezes/semana) e em casa (3-4 vezes/semana), que incluiu exercícios aeróbicos, de resistência e atividades de treinamento de flexibilidade ou para um programa de educação em saúde5 (n=817), que consistia de workshops sobre temas relevantes para adultos mais velhos e exercícios de alongamento dos membros superiores.

O desfecho primário foi a deficiência de mobilidade objetivamente definida pela perda da capacidade de andar 400 metros.

Os casos novos de incapacidade funcional ocorreram em 30,1% (246 participantes) do grupo das atividades físicas e em 35,5% (290 participantes) do grupo da educação em saúde5 (P=0,03). A incapacidade persistente de mobilidade foi experimentada por 120 participantes (14,7%) no grupo das atividades físicas e por 162 participantes (19,8%) no grupo da educação em saúde5 (P=0,006). Eventos adversos graves foram relatados por 404 participantes (49,4%) no grupo das atividades físicas e por 373 participantes (45,7%) no grupo da educação em saúde5.

Concluiu-se que um programa estruturado de atividade física de intensidade moderada em comparação a um programa de educação em saúde5 reduziu a incapacidade de mobilidade em 2,6 anos entre idosos em risco de deficiência. Estes resultados sugerem os benefícios de um programa desse tipo para idosos vulneráveis.

Fonte: JAMA, publicação online de 27 de maio de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. JAMA: efeito da atividade física estruturada para a prevenção da incapacidade de mobilidade em idosos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/544657/jama-efeito-da-atividade-fisica-estruturada-para-a-prevencao-da-incapacidade-de-mobilidade-em-idosos.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.

Complementos

1 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
2 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!