Gostou do artigo? Compartilhe!

Matar as células senescentes pode tratar doenças relacionadas à idade: resultados promissores observados no edema macular diabético

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

À espreita por todo o corpo, do fígado1 ao cérebro2, estão entidades semelhantes a zumbis, conhecidas como células3 senescentes4. Elas já não se dividem nem funcionam como antes, mas resistem à morte e emitem uma mistura nociva de sinais5 biológicos que podem retardar a cognição6, aumentar a fragilidade e enfraquecer o sistema imunológico7. O pior de tudo é que o número delas aumenta com a idade.

Recentemente, pesquisadores estão usando novas moléculas, células3 imunológicas projetadas e terapia genética para matar essas células3 senescentes4 e tratar doenças relacionadas à idade.

Por mais de uma década, os pesquisadores têm tentado ver se conseguem destruir seletivamente essas células3 com uma variedade de medicamentos. Em um estudo pivotal publicado em 2015, uma equipe da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, EUA, e do Scripps Research Institute em Júpiter, Florida, EUA, descobriu que uma combinação de dois compostos, chamados dasatinibe e quercetina, matava células3 senescentes4 em camundongos idosos. O tratamento tornou os camundongos menos frágeis, rejuvenesceu seus corações e aumentou sua resistência na corrida. A descoberta abriu as portas para uma nova área da medicina chamada senolítica.

Agora, novos resultados de estudos em animais e ensaios clínicos8 em humanos deram impulso ao campo. Em camundongos e macacos, pesquisadores estão utilizando ferramentas genéticas para reprogramar e matar células3 senescentes4. Outros estão projetando células3 imunológicas senolíticas. E cerca de 20 ensaios clínicos8 estão em andamento. Pesquisadores estão testando medicamentos novos e reaproveitados que possam ter propriedades senolíticas, na esperança de combater doenças relacionadas à idade, incluindo a doença de Alzheimer9, doença pulmonar e doença renal10 crônica.

“Estou convencido de que os senolíticos terão um impacto na prática clínica”, afirma Anirvan Ghosh, diretor executivo da Unity Biotechnology, uma empresa no sul de São Francisco, Califórnia, que está desenvolvendo senolíticos. “Acho que a questão é realmente como é o agente e qual é o primeiro medicamento aprovado.”

Leia sobre "O processo de envelhecimento", "Sistema imunológico7" e "Edição genética".

As células3 senescentes4 foram descritas pela primeira vez em 1961 pelos biólogos norte-americanos Leonard Hayflick e Paul Moorhead, que descobriram que as células3 humanas em uma placa11 em laboratório não se dividem mais do que cerca de 50 vezes antes de morrerem ou entrarem no estado crepuscular da senescência celular. No laboratório, pode levar semanas para que as células3 em divisão se tornem senescentes4. Mas os pesquisadores ainda não descobriram quanto tempo demora este processo no corpo, quanto tempo duram as células3 senescentes4 e se todos os tipos de células3 podem tornar-se senescentes4.

Além de atingir os limites da divisão celular, a senescência celular pode surgir devido a outros fatores, como lesões12 físicas, desnutrição13 ou danos no DNA causados pela luz UV. Os pesquisadores inicialmente pensaram que o processo de senescência evoluiu para evitar que células3 danificadas se replicassem incontrolavelmente e causassem câncer14. Até certo ponto, este poderia ser o caso, mas não fazia sentido que as células3 permanecessem no corpo em vez de simplesmente morrerem, como através do programa controlado de morte celular conhecido como apoptose15.

Pesquisadores acabaram descobrindo que as células3 senescentes4 estavam evitando a apoptose15 para que pudessem realizar um serviço, emitindo uma potente mistura de sinais5 inflamatórios – incluindo as citocinas16 interleucina-6 e interferon-γ – que estimulam o sistema imunológico7 a eliminar células3 danificadas. Isso ajuda a abrir espaço para a regeneração e reparação dos tecidos danificados.

O processo funciona bem até que o sistema imunológico7 enfraqueça com a idade, levando ao acúmulo de células3 senescentes4 que provocam inflamação17 excessiva. Pesquisadores descobriram que o acúmulo de células3 senescentes4 e a inflamação17 relacionada à idade estão correlacionados com muitas doenças, incluindo osteoporose18, diabetes19, doenças cardíacas, doença renal10 e doença de Alzheimer9. Para muitos cientistas da área, esta constatação provocou uma mudança na compreensão do que as células3 estão fazendo para descobrir como matá-las.

Uma estratégia chave na senolítica envolve o desenvolvimento de medicamentos que impeçam as células3 senescentes4 de resistir à apoptose15. Normalmente, as células3 sobrevivem produzindo proteínas20 anti-morte. Bloquear essas proteínas20 com medicamentos pode forçar as células3 a sucumbirem à morte.

A Unity Biotechnology está na vanguarda desta abordagem, afirmam os pesquisadores. Em um estudo recente, publicado na revista Nature Medicine, Ghosh e colegas descobriram que as células3 senescentes4 eram mais abundantes nas retinas de camundongos diabéticos do que nas de camundongos saudáveis. Era possível, previu a equipe, que as células3 senescentes4 nos vasos sanguíneos21 do olho22 desempenhassem um papel na perda de visão23 relacionada ao diabetes19.

Esta condição, conhecida como edema macular24 diabético, é causada por níveis elevados de açúcar25 no sangue26 e faz com que esses delicados vasos sanguíneos21 vazem, principalmente em indivíduos mais velhos. Essa doença ocular é uma das principais causas de cegueira em todo o mundo, estimando-se que afete 27 milhões de adultos. Mas cerca de metade dos pacientes obtém poucos benefícios do tratamento padrão, que utiliza um medicamento contra o câncer14 originalmente desenvolvido para retardar o crescimento dos vasos sanguíneos21. “Há uma necessidade não atendida”, diz Ghosh.

Os pesquisadores desenvolveram um medicamento, chamado foselutoclax, que bloqueia a ação da BCL-xL, uma proteína chave anti-morte que é abundante nas células3 senescentes4. Quando injetaram o medicamento nos olhos27 de camundongos diabéticos, ele matou as células3 senescentes4 nos vasos sanguíneos21 que irrigam a retina28, mas não as células3 saudáveis. “Vemos uma eliminação muito seletiva”, diz Ghosh.

O medicamento senolítico reduziu o vazamento dos vasos sanguíneos21 da retina28 em camundongos diabéticos em cerca de 50%. Além disso, os camundongos tratados tiveram melhor desempenho nos testes de visão23 em comparação com os controles.

Em seguida, a equipe recorreu aos humanos. Em um ensaio de fase II, os pesquisadores administraram uma única injeção29 de foselutoclax nos olhos27 de cerca de 30 pessoas. Onze meses depois, aqueles tratados com o senolítico conseguiram ler, em média, 5,6 letras a mais no exame de um oftalmologista30 em comparação com os participantes que receberam tratamento com placebo31.

Depois de apenas algumas semanas, diz Ghosh, uma participante ligou para ele para dizer que o tratamento estava facilitando muito a vida dela. Outro observou rápidas melhorias na visão23 das cores. A equipe espera publicar os resultados ainda este ano, mas enquanto isso, a Unity está realizando outro ensaio de fase II que comparará o senolítico com a terapia padrão.

Os resultados da Unity são promissores, dizem os pesquisadores. “Penso que nos próximos cinco anos poderemos ver este tratamento para o edema macular24 diabético ser oferecido na prática clínica”, diz Sundeep Khosla, que estuda o envelhecimento na Mayo Clinic.

Saiba mais sobre "Apoptose15: o que é", "O que é inflamação17" e "Complicações do diabetes32 mellitus".

Confira a seguir o resumo do artigo já publicado pela equipe, com os resultados do ensaio pré-clínico de fase 1. Em seguida confira o comunicado de imprensa relatando os resultados do ensaio de fase 2.

Terapêutica33 direcionada à senescência celular no edema macular24 diabético

A função comprometida da barreira endotelial vascular34 é uma característica saliente das complicações diabéticas, como o edema macular24 diabético (EMD) que ameaça a visão23. Os padrões atuais de tratamento para EMD controlam aspectos da doença, mas exigem administração intravítrea frequente e são pouco eficazes em grandes subgrupos de pacientes.

Neste estudo, forneceu-se evidências de que uma carga elevada de células3 senescentes4 na retina28 desencadeia características fundamentais da patologia35 do EMD e realizou-se um teste inicial de terapia senolítica em pacientes com EMD.

Em modelos de cultura celular, a hiperglicemia36 sustentada provocou senescência celular em subconjuntos de células3 endoteliais vasculares37 exibindo junções transendoteliais perturbadas associadas a uma função de barreira deficiente e levando à microinflamação.

A eliminação farmacológica de células3 senescentes4 em um modelo de EMD em camundongos reduz o vazamento vascular34 retiniano induzido por diabetes19 e preserva a função retiniana.

Em seguida, foi conduzido um estudo de segurança de dose única ascendente de fase 1 de UBX1325 (foselutoclax), um inibidor de BCL-xL senolítico de pequenas moléculas, em pacientes com EMD avançado para os quais a terapia com fator de crescimento endotelial antivascular não era mais considerada benéfica. O objetivo principal de avaliação da segurança e tolerabilidade do UBX1325 foi alcançado.

Coletivamente, os dados sugerem que a terapêutica33 direcionada às células3 senescentes4 na retina28 diabética com um inibidor de BCL-xL pode fornecer uma intervenção modificadora da doença de longa duração para o EMD. Esta hipótese precisará ser verificada em ensaios clínicos8 maiores.

Unity Biotechnology anuncia resultados positivos de 48 semanas da fase 2 do estudo BEHOLD de UBX1325 em pacientes com edema macular24 diabéticos

  • Uma única injeção29 de UBX1325 levou a uma melhora estatisticamente e clinicamente significativa na Melhor Acuidade Visual38 Corrigida (MAVC) de +6,2 letras no gráfico ETDRS desde o início às 48 semanas.
  • Aproximadamente 53% dos pacientes tratados com UBX1325 não necessitaram de injeções adicionais durante 48 semanas.
  • A estrutura da retina28, medida pela espessura do subcampo central (ESC), foi mantida em pacientes tratados com UBX1325 durante todo o estudo.
  • O UBX1325 apresentou um perfil de segurança e tolerabilidade favorável, sem evidência de inflamação17 intraocular.

O estudo BEHOLD inscreveu pacientes que, apesar de estarem em tratamento anti-VEGF por pelo menos 6 meses, apresentavam déficits persistentes de acuidade visual38 e líquido retiniano residual.

No início do estudo, os pacientes apresentavam uma acuidade visual38 média de 61,4 letras ETDRS e uma ESC de aproximadamente 439,6 mícrons. Nos 6 meses anteriores à inscrição no estudo, os pacientes receberam uma média de 4 injeções de anti-VEGF, com a última injeção29 de anti-VEGF ocorrendo 3-6 semanas antes da randomização. Cinquenta pacientes completaram a extensão do estudo de 48 semanas.

O UBX1325 demonstrou um perfil de segurança e tolerabilidade favorável, sem casos de inflamação17 intraocular, oclusão da artéria retiniana39, endoftalmite ou vasculite40.

Os pacientes tratados com UBX1325 tiveram uma alteração média na MAVC de +6,2 letras ETDRS desde o início até 48 semanas (p = 0,0037), representando uma diferença de +5,6 letras ETDRS em comparação com pacientes tratados com placebo31 (p = 0,1198).

Com base em uma análise da alteração da MAVC desde o início até a última observação antes do resgate anti-VEGF ou da participação no final do estudo, o UBX1325 mostrou uma vantagem de +7,6 letras ETDRS sobre o placebo31 (p = 0,0007)

Aproximadamente 53% dos pacientes tratados com UBX1325 passaram 48 semanas sem necessidade de qualquer tratamento de resgate anti-VEGF, em comparação com apenas 22% dos pacientes no braço de placebo31.

Os pacientes tratados com UBX1325 tiveram uma alteração média na ESC de -16,6 mícrons em relação ao valor basal às 40 semanas, representando uma melhoria em comparação com a alteração de -56,3 mícrons no grupo placebo31 (p = 0,0479). Às 48 semanas, o UBX1325 teve uma alteração média de -13,7 mícrons, representando uma melhoria de -37,9 mícrons em comparação com o placebo31 (p = NS [não significativo], em parte devido ao baixo número de pacientes no grupo placebo31 que permaneceram livres de resgate às 48 semanas).

“Os pacientes com EMD são difíceis de tratar, muitas vezes necessitando de injeções frequentes para diminuir o edema41 retiniano e melhorar ou mesmo manter a visão23. Neste estudo, o UBX1325 alcançou melhora visual com uma única injeção29 e manteve essa melhora em mais de 50% dos pacientes durante um ano”, disse Jeffrey S. Heier, MD, Diretor de Pesquisa de Retina28 da Ophthalmic Consultants of Boston. “O UBX1325, com um novo mecanismo de ação, pode ser uma importante opção terapêutica33 para pacientes42 com uma doença tão complexa e multifatorial.”

Veja também sobre "O que é degeneração macular43" e "Retinopatia diabética44".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 06 de fevereiro de 2024.
Unity Biotechnology, comunicado publicado em 24 de abril de 2023.
Nature, notícia publicada em 15 de maio de 2024.

 

NEWS.MED.BR, 2024. Matar as células senescentes pode tratar doenças relacionadas à idade: resultados promissores observados no edema macular diabético. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/1469747/matar-as-celulas-senescentes-pode-tratar-doencas-relacionadas-a-idade-resultados-promissores-observados-no-edema-macular-diabetico.htm>. Acesso em: 13 jul. 2024.

Complementos

1 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Senescentes: Que está em processo de envelhecimento.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
7 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
10 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
11 Placa: 1. Lesão achatada, semelhante à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
12 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
14 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
15 Apoptose: Morte celular não seguida de autólise, também conhecida como “morte celular programada“.
16 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
17 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
18 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
19 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
20 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
21 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
22 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
23 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
24 Edema macular: Inchaço na mácula.
25 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
26 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
27 Olhos:
28 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
29 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
30 Oftalmologista: Médico especializado em diagnosticar e tratar as doenças que acometem os olhos. Podem prescrever óculos de grau e lentes de contato.
31 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
32 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
33 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
34 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
35 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
36 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
37 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
38 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
39 Artéria Retiniana: Artéria central da retina juntamente com suas ramificações. Origina-se da artéria oftálmica, penetra no nervo óptico correndo através do seu centro, penetra no olho através do disco óptico e ramifica-se afim de irrigar a retina.
40 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
41 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
42 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
43 Degeneração macular: A degeneração macular destrói gradualmente a visão central, afetando a mácula, parte do olho que permite enxergar detalhes finos necessários para realizar tarefas diárias tais como ler e dirigir. Existem duas formas - úmida e seca. Na forma úmida, há crescimento anormal de vasos sanguíneos no fundo do olho, podendo extravasar fluidos que prejudicam a visão central. Na forma seca, que é a mais comum e menos grave, há acúmulo de resíduos do metabolismo celular da retina, aliado a graus variáveis de atrofia do tecido retiniano, causando uma perda visual central, de progressão lenta, podendo dificultar a realização de algumas atividades como ler e escrever ou a identificação de traços de fisionomia.
44 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
Gostou do artigo? Compartilhe!