Gostou do artigo? Compartilhe!

AVC em mulheres: American Heart Association publica nova diretriz sobre fatores de risco exclusivos das mulheres e sobre prevenção cardiovascular para o sexo feminino

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Esta diretriz se concentra nos fatores de risco para acidente vascular cerebral1 (AVC) exclusivos para as mulheres, tais como fatores reprodutivos, e naqueles que são mais comuns em mulheres, incluindo a enxaqueca2 com aura, a obesidade3, a síndrome metabólica4 e a fibrilação atrial.

Os membros do grupo que escreveram a diretriz foram nomeados com base em seus trabalhos anteriores em tópicos relevantes nesta área e foram aprovados pela American Heart Association (AHA) Stroke Council’s Scientific Statement Oversight Committee e pelo AHA’s Manuscript Oversight Committee. O painel revisou artigos relevantes da literatura médica até 15 de maio de 2013. O documento passou por extensa revisão interna na AHA, no Stroke Council Leadership e Scientific Statements Oversight Committee antes da apreciação e aprovação pela AHA Science Advisory e pelo Coordinating Committee.

Evidências atuais foram fornecidas, assim como foram preenchidas lacunas de pesquisa e recomendações sobre o risco de acidente vascular cerebral1 relacionado à pré-eclâmpsia5, uso de anticoncepcionais orais, menopausa6 e reposição hormonal, bem como para os fatores de risco mais comuns em mulheres, tais como a obesidade3/síndrome metabólica4, a fibrilação atrial e a enxaqueca2 com aura.

Alguns pontos de destaque são:

  • Pré-eclâmpsia5: a hipertensão arterial7 é um fator de risco8 modificável para o acidente vascular cerebral1. A pré-eclâmpsia5 é a hipertensão arterial7 específica da gravidez9. Segundo as recomendações desta diretriz, mulheres com histórico de hipertensão arterial7 devem ser consideradas por seus médicos para o uso de baixas doses de aspirina e suplementação10 de cálcio para evitar a pré-eclâmpsia5. A hipertensão arterial7 aumenta o risco de AVC durante a gravidez9 e após o parto este maior risco acompanha a mulher ao longo de vários anos de vida.
  • Uso de contraceptivos orais: os fatores de risco cardiovasculares podem ser desencadeados pelo uso de pílulas anticoncepcionais orais. Para evitar tais riscos, antes de iniciar o uso deste tipo de medicação, as mulheres devem ser avaliadas e orientadas por seus médicos sobre fatores de risco tais como tabagismo, pressão alta e história familiar de acidentes vasculares11 cerebrais.
  • Enxaqueca2 com aura: mulheres que sofrem com crises intensas de dor de cabeça12 que vem precedida de um sintoma13 visual (aura) têm um risco aumentado para AVCs e devem ser acompanhadas por seus médicos, além de abandonarem o cigarro, caso tenham este hábito.
  • Depressão: a depressão é mais comum em mulheres do que em homens. Ela é também um fator de risco8 para doenças cardiovasculares14. É importante avaliar as medidas preventivas que podem ser realizadas neste grupo de pacientes.

Concluiu-se que para refletir com mais precisão sobre o risco de derrame15 em mulheres durante toda a vida, bem como sobre as lacunas existentes nos escores de risco atuais, um escore de risco de acidente vascular cerebral1 específico para o sexo feminino é justificado.

Fonte: Stroke (American Heart Association/American Stroke Association), publicação online de 6 de fevereiro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. AVC em mulheres: American Heart Association publica nova diretriz sobre fatores de risco exclusivos das mulheres e sobre prevenção cardiovascular para o sexo feminino. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/521954/avc-em-mulheres-american-heart-association-publica-nova-diretriz-sobre-fatores-de-risco-exclusivos-das-mulheres-e-sobre-prevencao-cardiovascular-para-o-sexo-feminino.htm>. Acesso em: 3 abr. 2020.

Complementos

1 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
2 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
5 Pré-eclâmpsia: É caracterizada por hipertensão, edema (retenção de líquidos) e proteinúria (presença de proteína na urina). Manifesta-se na segunda metade da gravidez (após a 20a semana de gestação) e pode evoluir para convulsão e coma, mas essas condições melhoram com a saída do feto e da placenta. No meio médico, o termo usado é Moléstia Hipertensiva Específica da Gravidez. É a principal causa de morte materna no Brasil atualmente.
6 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
11 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
12 Cabeça:
13 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
15 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
Gostou do artigo? Compartilhe!