Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet publicou revisão sobre os efeitos da vitamina D sobre a densidade mineral óssea

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os resultados de recente meta-análise de suplementação1 de vitamina2 D, sem coadministração de cálcio, não demonstraram prevenção de fraturas, possivelmente por causa da alimentação insuficiente ou doses inadequadas, ou porque a intervenção não foi direcionada para populações com deficiências. Apesar destes dados, quase metade dos adultos mais velhos (acima de 50 anos) continuam a usar estes suplementos. A densidade mineral óssea pode ser usada para detectar efeitos biologicamente significativos em coortes muito menores.

Em artigo, publicado pelo periódico The Lancet, foi investigado se a suplementação1 de vitamina2 D afeta a densidade mineral óssea. Foram avaliados artigos das bases de dados Web of Science, Embase e Cochrane Database, desde o início até 08 de julho de 2012, para os ensaios que avaliavam os efeitos da vitamina2 D (D3 ou D2, mas não de metabólitos3 desta vitamina2) sobre a densidade mineral óssea. Foram incluídos todos os ensaios clínicos4 randomizados que comparavam intervenções que diferiam apenas no teor de vitamina2 D e que incluíam adultos (média de idade > 20 anos), sem outras doenças ósseas metabólicas. O resultado primário foi a variação percentual da densidade mineral óssea em relação à linha de base.

De 3.930 citações foram identificados 23 estudos (duração média de 23,5 meses; compostos por 4.082 participantes, 92% mulheres, com idade média de 59 anos) que preencheram os critérios de inclusão. Dezenove estudos tinham populações principalmente brancas. A média de concentração de 25-hidroxivitamina D no soro5 na linha de base era inferior a 50 nmol/L em oito estudos (n=1.791). Em dez estudos (n=2.294), os indivíduos receberam doses de vitamina2 D inferior a 800UI por dia. A densidade mineral óssea foi medida em um dos cinco diferentes locais: coluna lombar, colo do fêmur6, quadril total, trocânter7, corporal total ou antebraço8. Após análises estatísticas, havia seis achados de benefício significativo, dois de prejuízo significativo e o resto era não-significativo. Apenas um estudo mostrou benefício em mais de um local. Os resultados desta meta-análise mostraram um pequeno benefício no colo do fêmur6 (diferença de média ponderada 0,8%, IC 95%, 0,2-1,4) com heterogeneidade entre os ensaios. Nenhum efeito em qualquer outro local foi relatado, incluindo o quadril total. Foi observado um viés em direção a resultados positivos no colo do fêmur6 e quadril total.

Concluiu-se que a utilização generalizada de vitamina2 D para a prevenção da osteoporose9 em adultos residentes na comunidade estudada, sem fatores de risco específicos para a deficiência de vitamina2 D, parece ser inadequada.

Fonte: The Lancet, publicação online de 11 de outubro de 2013

NEWS.MED.BR, 2013. The Lancet publicou revisão sobre os efeitos da vitamina D sobre a densidade mineral óssea. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/502430/the-lancet-publicou-revisao-sobre-os-efeitos-da-vitamina-d-sobre-a-densidade-mineral-ossea.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.

Complementos

1 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
2 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
3 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
4 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
5 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
6 Colo do Fêmur: Porção comprimida do osso da coxa entre cabeça do fêmur e trocanter.
7 Trocânter: No homem, é cada uma das duas proeminências ósseas desenvolvidas a partir dos centros ósseos independentes, próximo à extremidade superior do fêmur. Em insetos e arácnidos, é um pequeno segmento localizado entre a coxa e o fêmur.
8 Antebraço:
9 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

11/10/2013 - Complemento feito por Anderson
Re: The Lancet publicou revisão sobre os efeitos da vitamina D sobre a densidade mineral óssea
Estudo muito importante! Principalmente para o atual momento de auto-medicação!

  • Entrar
  • Assinar