Gostou do artigo? Compartilhe!

Hiponatremia em bebês com bronquiolite internados em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica pode estar associada à piora clínica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo, publicado pelo periódico The Journal of Pediatrics, coordenado por Ricky Luu, do Children's Hospital Colorado, foi realizado para caracterizar a relação entre a hiponatremia1 (sódio sérico <135 mEq/L) e os resultados clínicos em crianças de um mês a dois anos de idade internadas em unidade de terapia intensiva2 pediátrica (UTIP) com bronquiolite.

O estudo de coorte3 retrospectivo4 foi realizado em um único centro envolvendo bebês5 que foram admitidos nesta UTIP entre janeiro de 2009 e abril de 2011. As concentrações de sódio sérico, coletadas nas primeiras 2 horas após a admissão na UTIP, foram anotadas e as associações com os desfechos clínicos foram calculadas. Os participantes eram excluídos se apresentassem diagnóstico6 prévio de doenças crônicas que afetam a concentração inicial de sódio sérico.

Participaram do estudo crianças com bronquiolite (n=102; idade= 10,7 ± 6,7 meses). Vinte e três pacientes (22%) foram diagnosticados com hiponatremia1 dentro de 2 horas após a admissão na UTIP. A mortalidade7 (13% vs 0%, P=0,011), tempo de ventilação8 mecânica (8,41 ± 2 dias vs 4,11 ± 2 dias, P=0,001), tempo de permanência na UTIP (10,63 ± 2,5 dias vs 5,82 ± 2,09 dias; P=0,007) e suporte ventilatório não invasivo (65% vs 24%, P=0,007) foram significativamente diferentes entre os indivíduos com hiponatremia1 vs aqueles sem diminuição de sódio. Não houve diferença no número de pacientes com crises, uso de broncodilatadores9, uso de esteroides, exigência de intubação, uso de oxigênio na alta ou reinternações.

Concluiu-se que os pacientes pediátricos diagnosticados com bronquiolite que apresentam uma concentração de sódio sérico inferior a 135 mEq/L, dentro de 2 horas após a admissão na UTIP, apresentam-se clinicamente pior do que aqueles bebês5 com níveis normais de sódio admitidos em UTIP em condições semelhantes. Um estudo prospectivo10 para avaliar os efeitos da hiponatremia1 parece justificado.

É importante ressaltar que o estudo não levou em consideração a administração de fluidos durante as primeiras 24 horas de internação, o que poderia ter uma influência considerável na variedade de desfechos estudados. E que também não foi levado em conta que a administração pré-UTIP de fluidos hipotônicos pode afetar a incidência11 de hiponatremia1.

Fonte: The Journal of Pediatrics, publicação online, de 5 de agosto de 2013

 

NEWS.MED.BR, 2013. Hiponatremia em bebês com bronquiolite internados em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica pode estar associada à piora clínica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/371675/hiponatremia-em-bebes-com-bronquiolite-internados-em-unidade-de-terapia-intensiva-pediatrica-pode-estar-associada-a-piora-clinica.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.

Complementos

1 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
2 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
5 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
7 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
8 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
9 Broncodilatadores: São substâncias farmacologicamente ativas que promovem a dilatação dos brônquios.
10 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
11 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!