Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de descongestionantes no primeiro trimestre da gestação pode estar ligado a defeitos congênitos no bebê, publicado pelo American Journal of Epidemiology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Artigo publicado pelo American Journal of Epidemiology mostra que o uso de descongestionantes nasais orais e possivelmente intranasais pode estar associado a defeitos congênitos1 específicos ao nascimento, tais como defeitos do coxim2 endocárdico, malformações3 no ouvido e estenose4 pilórica.

Estudos anteriores sugeriram que a exposição a descongestionantes orais no primeiro trimestre da gestação aumenta o risco de vários defeitos congênitos1 específicos. Usando dados do Slone Epidemiology Center Birth Defects Study, de janeiro de 1993 a janeiro de 2010, foi testada esta hipótese em 12.734 recém-nascidos com malformações3 (casos) e 7.606 crianças no grupo controle, sem malformações3, nos Estados Unidos e no Canadá.

Após análises estatísticas, os resultados não replicaram várias hipóteses, mas mostraram três associações que apoiaram achados anteriores: associações entre fenilefrina e defeitos do coxim2 endocárdico, fenilpropanolamina e malformações3 no ouvido e fenilpropanolamina e estenose4 pilórica. Evidências acumuladas apoiam associações entre o uso de descongestionantes orais e, possivelmente, intranasais no primeiro trimestre e o risco de alguns defeitos congênitos1 específicos frequentes.

No presente estudo, o uso de fenilefrina no primeiro trimestre da gravidez5 pode aumentar em oito vezes o risco de defeitos do coxim2 endocárdico, um tipo de malformação6 cardíaca congênita7. Já o uso de fenilpropanolamina também está associado a um risco oito vezes maior de malformações3 no ouvido e no estômago8. Todas essas associações já haviam sido sugeridas por estudos anteriores.

Uma vez que os riscos absolutos para estes defeitos congênitos1 raros ainda são muito pequenos, mulheres grávidas não devem ficar muito preocupadas depois de ter usado esses medicamentos, alertam os pesquisadores.

Fonte: American Journal of Epidemiology, publicação online de 3 de julho de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. Uso de descongestionantes no primeiro trimestre da gestação pode estar ligado a defeitos congênitos no bebê, publicado pelo American Journal of Epidemiology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/367559/uso-de-descongestionantes-no-primeiro-trimestre-da-gestacao-pode-estar-ligado-a-defeitos-congenitos-no-bebe-publicado-pelo-american-journal-of-epidemiology.htm>. Acesso em: 10 jul. 2020.

Complementos

1 Defeitos congênitos: Problemas ou condições que estão presentes ao nascimento.
2 Coxim: 1. Tipo de almofada usada como assento. Leito ou sofá sem costas e sem braços, composto de colchão fino; divã. 2. Parte da sela sobre a qual o cavaleiro se assenta. 3. Em tecnologia, é um compartimento cilíndrico que movimenta as extremidades do eixo de um aparato técnico. Suporte de ferro que se coloca sobre travessas para assentar os carris.
3 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
4 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
7 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
8 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
Gostou do artigo? Compartilhe!