Atalho: 6NLFKU8
Gostou do artigo? Compartilhe!

Cerejas podem ajudar a evitar a recorrência das crises de gota, publicado pelo Arthritis and Rheumatism

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para estudar a relação entre a ingestão de cereja e o risco de crises de gota1 recorrentes entre os pacientes com gota1 foi realizado um estudo para examinar as associações de um conjunto de fatores de risco com supostas relações com ataques de gota1 recorrentes. Indivíduos com gota1 foram prospectivamente recrutados e acompanhados por um ano. Os participantes foram questionados sobre a frequência das crises de gota1: a data de início da crise, os sinais2 e sintomas3, os medicamentos usados e os potenciais fatores de risco (incluindo a ingestão diária de cerejas e extratos de cereja) durante os dois dias do período que antecedeu a crise.

O estudo incluiu 633 indivíduos com gota1. A ingestão de cereja por um período de dois dias foi associada a um risco 35% inferior de ataques de gota1 em comparação com nenhuma ingestão da fruta. O consumo de extrato de cereja mostrou uma associação inversa semelhante. Quando a ingestão de cereja foi combinada ao uso de alopurinol, o risco de ataques de gota1 foi 75% menor do que os períodos sem qualquer exposição a essas substâncias.

Estes achados sugerem que a ingestão de cereja está associada a um menor risco de crises de gota1.

Fonte: Arthritis and Rheumatism

NEWS.MED.BR, 2012. Cerejas podem ajudar a evitar a recorrência das crises de gota, publicado pelo Arthritis and Rheumatism. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/320700/cerejas-podem-ajudar-a-evitar-a-recorrencia-das-crises-de-gota-publicado-pelo-arthritis-and-rheumatism.htm>. Acesso em: 8 dez. 2019.

Complementos

1 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!