Atalho: 6IYKRUE
Gostou do artigo? Compartilhe!

Archives of General Psychiatry: antipsicóticos durante a gravidez podem aumentar o risco de diabetes gestacional

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O conhecimento sobre os efeitos da exposição aos novos antipsicóticos durante a gravidez1 é limitado. Foi realizado um estudo com o objetivo de investigar os efeitos do uso materno de antipsicóticos durante a gravidez1 em relação ao diabetes gestacional2 e ao crescimento fetal.

O estudo de coorte3 baseado na comparação de mulheres expostas e não expostas aos antipsicóticos durante a gravidez1 foi publicado pela revista Archives of General Psychiatry e usou dados de Registros Nacionais de Saúde4 da Suécia.

Todas as mulheres que deram à luz, a partir de 1 de julho de 2005 até 31 de dezembro de 2009, foram agrupadas por prescrições preenchidas em três grupos distintos:

  1. Olanzapina e/ou clozapina, considerados os antipsicóticos mais obesogênicos e diabetogênicos (n=169).
  2. Outros antipsicóticos (n=338).
  3. Não uso de antipsicóticos (n=357.696).

Os resultados avaliaram o odds ratio (OR) com intervalo de confiança de 95% para diabetes gestacional2, ser pequeno para a idade gestacional (PIG) ou grande para a idade gestacional (GIG), peso ao nascer, comprimento ao nascer e perímetro cefálico ao nascimento.

A exposição a outros antipsicóticos foi associada ao risco aumentado de diabetes gestacional2. O aumento do risco com a olanzapina e/ou clozapina foi de magnitude semelhante, mas não tinha significância estatística. Crianças expostas a um ou outro grupo de antipsicóticos aumentaram os riscos de serem PIG em peso ao nascimento, enquanto que a exposição só a outros antipsicóticos rendeu um aumento do risco de ser PIG para o comprimento ao nascer e para o perímetro cefálico. Nenhum dos riscos para as medições PIG permaneceu significativo após o ajuste para fatores maternos. Não houve aumento do risco de ser GIG e o peso ao nascer ou comprimento ao nascer após a exposição à olanzapina e/ou clozapina, mas houve risco aumentado para o perímetro cefálico.

Concluiu-se que as mulheres que usaram antipsicóticos durante a gravidez1 tinham aumentados os riscos para desenvolver diabetes gestacional2. Os maiores riscos de dar à luz um bebê PIG parecia ser um efeito de fatores de confusão, tais como o tabagismo. Exceto por macrocefalia, a olanzapina e/ou a exposição à clozapina não foi associada ao crescimento fetal anabólico.

Fonte: Archives of General Psychiatry, volume 69, de julho de 2012

NEWS.MED.BR, 2012. Archives of General Psychiatry: antipsicóticos durante a gravidez podem aumentar o risco de diabetes gestacional. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/307310/archives-of-general-psychiatry-antipsicoticos-durante-a-gravidez-podem-aumentar-o-risco-de-diabetes-gestacional.htm>. Acesso em: 11 dez. 2018.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!