Atalho: 68VLLCA
Gostou do artigo? Compartilhe!

Endometriose pode estar associada a um aumento de 50% nas chances de desenvolver doenças inflamatórias intestinais, publicado pelo Gut

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Mulheres com endometriose1 podem ter um aumento de até 50% nas chances de desenvolver doenças intestinais como a doença de Crohn2 ou a retocolite ulcerativa, comparadas àquelas sem endometriose1, de acordo com estudo de longo prazo publicado pelo periódico Gut. Este risco pode aumentar para 80% naquelas com endometriose1 verificada cirurgicamente.

A endometriose1 ocorre quando a musculatura uterina (endométrio3) cresce além dos limites do útero4. Os sintomas5 incluem dor abdominal, aumento do fluxo menstrual e infertilidade6. O mecanismo pelo qual essa condição está associada a doenças inflamatórias intestinais não está claro. Elas podem ter causas comuns ou o uso de pílulas contraceptivas, usadas no tratamento da endometriose1, pode aumentar o risco para tais patologias intestinais.

O estudo envolveu cerca de 38.000 mulheres dinamarquesas que foram hospitalizadas por endometriose1 de 1997 a 2007. Após treze anos de acompanhamento dessas pacientes, 320 desenvolveram doenças inflamatórias intestinais, incluindo 228 casos de colite7 ulcerativa e 92 casos de doença de Crohn2.

Em geral, as mulheres com endometriose1 tiveram 50% mais chances de desenvolver doença inflamatória intestinal em comparação às mulheres na população geral. O aumento do risco durou até 20 anos após o diagnóstico8 da endometriose1, segundo os pesquisadores liderados pelo Dr. Tine Jess, epidemiologista do Instituto Statens Serum, em Copenhague, na Dinamarca. Este risco foi ainda mais acentuado entre as mulheres cuja endometriose1 foi verificada cirurgicamente. Nestas, o risco de doenças inflamatórias intestinais saltou para 80 por cento, em comparação com mulheres sem endometriose1.

Doença inflamatória intestinal é o termo genérico para colite7 ulcerativa, doença de Crohn2 e condições relacionadas. A colite7 ulcerativa é uma inflamação9 da camada mais superficial do cólon10. Por sua vez, a doença de Crohn2 envolve todas as camadas do intestino e pode ocorrer no intestino delgado11 e no cólon10. Os sintomas5 de ambas incluem diarreia12 persistente, dor abdominal ou cólica, sangue13 nas fezes, febre14 e perda de peso.

Fonte: Gut, publicação online de 19 de dezembro de 2011

 

NEWS.MED.BR, 2011. Endometriose pode estar associada a um aumento de 50% nas chances de desenvolver doenças inflamatórias intestinais, publicado pelo Gut. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/252160/endometriose-pode-estar-associada-a-um-aumento-de-50-nas-chances-de-desenvolver-doencas-inflamatorias-intestinais-publicado-pelo-gut.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
2 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
3 Endométrio: Membrana mucosa que reveste a cavidade uterina (responsável hormonalmente) durante o CICLO MENSTRUAL e GRAVIDEZ. O endométrio sofre transformações cíclicas que caracterizam a MENSTRUAÇÃO. Após FERTILIZAÇÃO bem sucedida, serve para sustentar o desenvolvimento do embrião.
4 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
7 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
10 Cólon:
11 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
12 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
13 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
14 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

22/12/2011 - Complemento feito por Ricardo
Re: Endometriose pode estar associada a um aumento de 50% nas chances de desenvolver doenças inflamatórias intestinais, publicado pelo Gut
Interessante. Alguém cruzou estas informações com as informações de origem étnica? Pode a endometriose estar associada aos Judeus como é o caso do Crohn?

  • Entrar
  • Assinar