Gostou do artigo? Compartilhe!

Lançado novo protocolo do NICE para aconselhamento de mulheres durante a gravidez e a lactação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O NICE (National Institute for Health and Clinical Excellence) lançou, em março de 2008, o novo protocolo de recomendações a mulheres durante a gravidez1 e a lactação2. O protocolo, dentre outras atualizações, recomenda que mulheres grávidas não usem qualquer quantidade de álcool durante a gestação, façam uso de 10 microgramas de vitamina3 D diariamente, além de ácido fólico até a 12ª semana de gestação. O rastreamento para anemia falciforme4 e talassemia5 é outra novidade.

Em relação à ingestão de álcool, o protocolo do NICE recomenda que gestantes não o utilizem em nenhum momento da gestação. Caso isto não seja possível, ele não deve ser ingerido durante os três primeiros meses de gravidez1 e o consumo deve ser limitado a uma ou duas unidades, uma ou duas vezes por semana, apenas após o terceiro mês de gravidez1. Isto contraria a recomendação prévia do governo de que pequenas quantidades de álcool não trazem malefícios à gestação. O NICE considera que ainda não há evidências suficientes que justifiquem esta afirmação.

O Royal College of Obstetricians and Gynaecologists diz que não há evidências de que pequenas quantidades de álcool, uma ou duas vezes por semana, tragam danos ao feto6, mas também não pode afirmar que esta quantidade seja totalmente isenta de riscos ao feto6.

Na Inglaterra, o departamento de saúde7 (Department of Health in England) revisou suas recomendações e também propõe que mulheres não usem álcool durante a gravidez1 e durante o período em que estejam tentando engravidar.

O guia do NICE pretende para ajudar mulheres grávidas a ter uma gestação mais saudável. Ele diz que gestantes sabem que precisam de mais cuidados e que é necessário deixar que elas decidam o melhor a fazer pela sua saúde7 e de seu bebê. Para isso, precisam de informações corretas. As principais novidades são:

- Toda grávida deve receber informações baseadas em evidências sobre os cuidados com sua saúde7 para garantir um perfeito crescimento e desenvolvimento de seus futuros bebês8, além de apoio médico para a tomada de decisões a respeito do que fazer em relação a esses cuidados. Este apoio inclui saber quem irá acompanhá-la durante a gestação e em que local ela será atendida por este profissional.

- Toda grávida deve conhecer a importância do acompanhamento médico da gestante e de seu bebê durante a gravidez1 e a amamentação9.

- Toda grávida deve manter um estoque adequado de vitamina3 D no organismo durante a gravidez1 e a lactação2. Para isso, deve ingerir 10 microgramas de vitamina3 D diariamente, o que pode ser encontrado em alguns suplementos vitamínicos especificamente indicados para mulheres grávida. Isto evita o raquitismo10.

- O ácido fólico deve ser usado para evitar o desenvolvimento de malformações11 do tubo neural12, como a espinha bífida13. A OMS (Organização Mundial da Saúde7) recomenda o uso de 0,4 miligramas por dia, para a prevenção de ocorrência dos defeitos do tubo neural12. Isso vale para todas as mulheres em idade fértil. No entanto, para aquelas que já tiveram um filho com o problema, a dose indicada para evitar reincidências sobe para 4 miligramas diários. Além disso, o aconselhamento genético também é recomendado para que o médico possa avaliar as chances de um novo caso na família. O ideal é iniciar a suplementação14 três meses antes de engravidar e continuar ingerindo a vitamina3 por mais três meses.

- O rastreamento para doenças como a anemia falciforme4 e a talassemia5 deve ser realizado em todas as mulheres o mais precocemente possível (ideal fazer até a 10ª semana de gestação).

- O método de rastreamento de malformações11 fetais no 1º trimestre envolve a medição da translucência nucal e da avaliação da presença do osso nasal15 através da ultra-sonografia, associada ao exame de sangue16 com dosagem no sangue16 materno do β-hCG livre e da PAPP-A (proteína plasmática A), juntamente com a idade da paciente, para se obter o risco de ter um bebê com Síndrome de Down17 ou outras anomalias cromossômicas. Este método deve ser oferecido às grávidas entre 11 semanas e 0 dias e 13 semanas e 6 dias de gestação. Para aquelas que já estão mais adiantadas na gestação, pode ser feito o teste triplo ou quádruplo entre 15 semanas e 0 dias, e 20 semanas e 0 dias.

- Rastreamento para diabetes gestacional18 usando fatores de risco é recomendado para populações saudáveis. Os seguintes fatores de risco devem ser determinados durante a consulta:

- IMC19 (Índice de Massa Corporal20) maior que 30 kg/m²

- Feto6 macrossômico prévio pesando 4,5 quilos ou mais

- Diabetes gestacional18 em gestações anteriores

- História familiar de diabetes21


Qualquer mulher que tenha pelo menos um desses fatores de risco deve fazer o rastreamento para diabetes gestacional18 (seguindo as mesmas recomendações já em andamento).

 

Fonte: NICE - National Institute for Health and Clinical Excellence

Veja o protocolo completo em: Antenatal Care - Routine care for the healthy pregnant woman

NEWS.MED.BR, 2008. Lançado novo protocolo do NICE para aconselhamento de mulheres durante a gravidez e a lactação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/15330/lancado-novo-protocolo-do-nice-para-aconselhamento-de-mulheres-durante-a-gravidez-e-a-lactacao.htm>. Acesso em: 21 set. 2019.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Anemia falciforme: Doença hereditária que causa a má formação das hemácias, que assumem forma semelhante a foices (de onde vem o nome da doença), com maior ou menor severidade de acordo com o caso, o que causa deficiência do transporte de gases nos indivíduos que possuem a doença. É comum na África, na Europa Mediterrânea, no Oriente Médio e em certas regiões da Índia.
5 Talassemia: Anemia mediterrânea ou talassemia. Tipo de anemia hereditária, de transmissão recessiva, causada pela redução ou ausência da síntese da cadeia de hemoglobina, uma proteína situada no interior do glóbulos vermelhos e que tem a função de transportar o oxigênio. É classificada dentro das hemoglobinopatias. Afeta principalmente populações da Itália e da Grécia (e seus descendentes), banhadas pelo Mar Mediterrâneo.
6 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
9 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
10 Raquitismo: Doença decorrente da mineralização inadequada do osso em crescimento, ou seja, da placa epifisária. Está entre as doenças mais comuns da infância em países em desenvolvimento. A causa predominante é a deficiência de vitamina D, seja por exposição insuficiente à luz solar ou baixa ingestão através da dieta; mas a deficiência de cálcio na dieta também pode gerar um quadro de raquitismo. A osteomalácia é o termo usado para descrever uma condição semelhante que ocorre em adultos, geralmente devido à falta de vitamina D.
11 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
12 Tubo neural: Estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Durante a gestação humana, o tubo neural dá origem a três vesículas: romboencéfalo, mesencéfalo e prosencéfalo.
13 Espinha bífida: Também conhecida como mielomeningocele, a espinha bífida trata-se de um problema congênito. Ela é caracterizada pela má formação no tubo neural do feto, a qual ocorre nas três primeiras semanas de gravidez, quando a mulher ainda não sabe que está grávida. Esta malformação pode comprometer as funções de locomoção, controle urinário e intestinal, dentre outras.
14 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
15 Osso Nasal: Cada um dos ossos retangulares e alongados que juntos formam a ponte do nariz.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Síndrome de Down: Distúrbio genético causado pela presença de um cromossomo 21 a mais, por isso é também conhecida como “trissomia do 21”. Os portadores desta condição podem apresentar retardo mental, alterações físicas como prega palmar transversa (uma única prega na palma da mão, em vez de duas), pregas nas pálpebras, membros pequenos, tônus muscular pobre e língua protrusa.
18 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
19 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
20 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
21 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
Gostou do artigo? Compartilhe!