Gostou do artigo? Compartilhe!

Um mau funcionamento em células-tronco adultas pode ser a causa do cabelo ficar grisalho

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Muitos dos sinais1 de envelhecimento são invisíveis, lentos e sutis – mudanças na capacidade de divisão celular, no débito cardíaco2 e na função renal3 não aparecem exatamente no espelho. Mas os cabelos grisalhos são uma das pistas mais óbvias de que o corpo não está funcionando como antes.

O cabelo4 fica grisalho quando as células-tronco5 produtoras de melanina6 param de funcionar adequadamente. Um novo estudo em camundongos, mas com implicações para as pessoas e publicado na revista Nature, fornece uma imagem mais clara das falhas celulares que deixam os cabelos brancos.

“Este é realmente um grande passo para entender por que ficamos grisalhos”, disse Mayumi Ito, autora do estudo e professora de dermatologia na Grossman School of Medicine da Universidade de Nova York.

Ao contrário das células-tronco5 embrionárias, que se desenvolvem em todos os tipos de órgãos diferentes, as células-tronco5 adultas têm um caminho mais definido. As células-tronco5 de melanócitos7 em nossos folículos pilosos são responsáveis por produzir e manter o pigmento em nosso cabelo4.

Cada folículo piloso8 mantém as células-tronco5 de melanócitos7 imaturas armazenadas. Quando são necessárias, essas células9 viajam de uma parte do folículo10 para outra, onde as proteínas11 as estimulam a amadurecer em células9 produtoras de pigmento, dando ao cabelo4 sua tonalidade.

Os cientistas assumiram que o cabelo4 grisalho era o resultado daquele conjunto de células-tronco5 de melanócitos7 se esgotando. No entanto, estudos anteriores com ratos fizeram a Dra. Ito e sua co-autora, Qi12 Sun, se perguntarem se o cabelo4 poderia perder seu pigmento mesmo quando as células-tronco5 ainda estão presentes.

Leia sobre "Por que os cabelos ficam brancos" e "Cabelos brancos - como evitar que se espalhem".

Para aprender mais sobre o comportamento das células-tronco5 ao longo das diferentes fases do crescimento do cabelo4, os pesquisadores passaram dois anos rastreando e visualizando células9 individuais no pelo de camundongos. Para a surpresa deles, as células-tronco5 viajaram para frente e para trás dentro do folículo piloso8, fazendo a transição para seu estado maduro de produção de pigmento e, em seguida, saindo dele novamente.

“Ficamos surpresos”, disse a Dra. Sun, que disse que ver um grupo de células-tronco5 alternando entre estados maduros e jovens não combina com as explicações existentes.

Mas com o passar do tempo, as células9 de melanócitos7 não conseguiram manter o duplo ato. Um cabelo4 caindo e voltando a crescer afeta o folículo10 e, eventualmente, as células-tronco5 param de fazer sua jornada e, portanto, param de receber sinais1 de proteína para produzir pigmento. A partir de então, o novo crescimento do cabelo4 não recebeu sua dose de melanina6.

Os pesquisadores exploraram ainda mais esse efeito arrancando pelos de camundongos, simulando um ciclo de crescimento capilar13 mais rápido. Esse “envelhecimento forçado” levou a um acúmulo de células-tronco5 de melanócitos7 presas em seu local de armazenamento, deixando de produzir melanina6. O pelo dos camundongos passou de marrom escuro a grisalho.

Embora o estudo tenha sido conduzido com roedores, os pesquisadores dizem que suas descobertas devem ser relevantes para como o cabelo4 humano ganha e perde sua cor. Além do mais, eles esperam que suas descobertas possam ser um passo para prevenir ou reverter o processo de ficar grisalho.

Melissa Harris, bióloga da Universidade do Alabama em Birmingham, que não participou do estudo, disse que as descobertas ajudam a “confirmar” evidências anteriores que ela viu sugerindo que “nem todas as células-tronco5 de melanócitos7 são criadas iguais e, mesmo que ainda restem algumas, elas podem não ser úteis.”

Harris disse que considera as descobertas do estudo sobre o “envelhecimento forçado” do pelo de camundongo “talvez com um pouco de cautela”, já que um pelo arrancado pode não se comportar da mesma forma que um cabelo4 naturalmente envelhecido. Mas ela achou o estudo valioso, não apenas porque uma cura para cabelos grisalhos poderia ser um sucesso entre o público; as descobertas sobre o comportamento das células-tronco5 podem ajudar os pesquisadores a entender coisas como câncer14 e regeneração celular.

“Acho que às vezes as pessoas não dão valor ao cabelo”, disse ela, “mas, de certa forma, torna-se realmente muito fácil para nós ver as possíveis maneiras pelas quais o envelhecimento ou outras perturbações afetam nossos corpos”.

No artigo, os pesquisadores relatam como a desdiferenciação mantém as células-tronco5 de melanócitos7 em um nicho dinâmico.

Eles contextualizam que, por razões desconhecidas, o sistema de células-tronco5 de melanócitos7 (CTMc) falha mais cedo do que outras populações de células-tronco5 adultas, o que leva ao envelhecimento do cabelo4 na maioria dos humanos e camundongos.

O dogma atual afirma que as CTMcs são reservadas em um estado indiferenciado no nicho do folículo piloso8, fisicamente segregadas da progênie diferenciada que migra seguindo pistas de estímulos regenerativos.

Neste estudo, mostrou-se que a maioria das CTMcs alterna entre estados de amplificação de trânsito e de células-tronco5 tanto para autorrenovação quanto para geração de progênie madura, um mecanismo fundamentalmente distinto daqueles de outros sistemas de autorrenovação.

Imagens ao vivo e sequenciamento de RNA de célula15 única revelaram que as CTMcs são móveis, translocando-se entre as células-tronco5 do folículo piloso8 e os compartimentos de amplificação de trânsito, onde entram reversivelmente em estados de diferenciação distintos regidos por sinais1 microambientais locais (por exemplo, WNT).

O rastreamento de linhagem de longo prazo demonstrou que o sistema da CTMc é mantido por CTMcs revertidas, e não por células-tronco5 reservadas inerentemente isentas de alterações reversíveis.

Durante o envelhecimento, há acúmulo de CTMcs encalhadas que não contribuem para a regeneração da progênie de melanócitos7.

Esses resultados identificam um novo modelo em que a desdiferenciação é parte integrante da manutenção homeostática das células-tronco5 e sugerem que a modulação da mobilidade de células-tronco5 de melanócitos7 pode representar uma nova abordagem para a prevenção do envelhecimento do cabelo4.

Veja também sobre "O processo de envelhecimento" e "Células-tronco5".

 

Fontes:
Nature, publicação em 19 de abril de 2023.
The New York Times, notícia publicada em 19 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Um mau funcionamento em células-tronco adultas pode ser a causa do cabelo ficar grisalho. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1437875/um-mau-funcionamento-em-celulas-tronco-adultas-pode-ser-a-causa-do-cabelo-ficar-grisalho.htm>. Acesso em: 10 jun. 2023.

Complementos

1 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
2 Débito cardíaco: Quantidade de sangue bombeada pelo coração para a aorta a cada minuto.
3 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
4 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
5 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
6 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
7 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
8 Folículo Piloso: Invaginação (forma de tubo) da EPIDERME, a partir da qual se desenvolve o folículo piloso e se abrem as GLÂNDULAS SEBÁCEAS. O folículo é revestido por uma bainha (radicular interna e externa) de células de origem epidérmica e revestido por uma bainha fibrosa originada da derme. (Tradução livre do original
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
11 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
12 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
13 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
14 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
15 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
Gostou do artigo? Compartilhe!