Gostou do artigo? Compartilhe!

A falta de "poda" dos neurônios pode estar por trás de muitas condições relacionadas ao cérebro

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Usando várias grandes coortes de neuroimagem clínica e de base populacional, pesquisadores identificaram uma base neural compartilhada para vários transtornos mentais, a saber, o fator neuropsicopatológico. Esse fator geneticamente determinado pode representar um atraso no desenvolvimento dos circuitos neurais cerebrais na região pré-frontal, levando a uma função executiva1 deficiente. As descobertas foram publicadas na revista Nature Medicine.

Segundo os pesquisadores, muitas condições díspares, como depressão, fobias2 e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), podem ter a mesma causa subjacente: um atraso na “poda”, um processo no qual as conexões desnecessárias entre as células3 cerebrais desaparecem.

Varreduras cerebrais mostraram que adolescentes com mais sintomas4 de certas condições de saúde5 mental, autismo ou TDAH sofreram menos podas do que o normal nas conexões sinápticas entre os neurônios6.

A descoberta vem de um dos maiores estudos de escaneamento cerebral feito em adolescentes e foi confirmado em vários outros conjuntos de dados, incluindo de pessoas de outras idades. “Conseguimos mostrar que essas diferentes condições estão todas relacionadas a um único fator neurobiológico subjacente”, diz Barbara Sahakian, da Universidade de Cambridge.

Saiba mais sobre "Principais transtornos mentais" e "Saúde5 mental - o que é".

Os resultados dão peso a uma ideia controversa recente em neurociência de que muitas condições díspares compartilham uma causa comum – um conceito conhecido como fator p.

Até agora, isso se baseava principalmente no fato de que muitas pessoas têm mais de uma dessas condições ou podem ser diagnosticadas com diferentes condições em diferentes momentos de suas vidas, bem como em estudos de DNA que concluíram que o mesmo conjunto de variantes genéticas predispõe as pessoas a múltiplas condições.

Agora Sahakian e seus colegas estão propondo uma base neurobiológica para o fator p, que eles chamam de “fator neuropsicopatológico (NP)”.

Os pesquisadores fizeram sua primeira análise usando um conjunto existente de imagens de escaneamento cerebral para quase 2.000 adolescentes avaliados aos 14 anos, onde também havia informações sobre sintomas4 potencialmente relacionados que eles apresentavam.

Os participantes ou seus pais preencheram questionários para produzir pontuações para sintomas4 de condições de saúde5 mental, como depressão, ansiedade, distúrbios alimentares e fobias2. Eles também foram pontuados para TDAH e avaliados quanto a sintomas4 de traços de autismo.

As pessoas que tiveram as pontuações mais altas para essas condições, indicando sintomas4 mais fortes, eram mais propensas a ter maior densidade de tecido7 no córtex pré-frontal, uma região externa do cérebro8 na frente da cabeça9. Isso, dizem os pesquisadores, indica uma falta ou atraso na poda em seus cérebros.

A poda é um processo misterioso que começa na infância, embora aumente dramaticamente na adolescência. Acredita-se que isso aconteça porque as sinapses – conexões entre as células3 cerebrais – que não são muito usadas são perdidas. “À medida que você aprende e seu cérebro8 fica mais eficiente, você se livra das sinapses extras que não deseja”, diz Sahakian.

Não foi possível quantificar o atraso da poda ou a diferença na densidade tecidual neste estudo, nem se sabe se aqueles que tiveram maior densidade tecidual no córtex pré-frontal nesta fase alcançam o restante da população mais tarde, pelo menos até certo ponto, diz Sahakian.

A descoberta foi confirmada em quatro outros conjuntos de dados de escaneamento cerebral, incluindo uma segunda coleção de escaneamentos cerebrais e pontuações de sintomas4 para quase 2.000 adolescentes, e dois estudos que incluíram pessoas na faixa dos 20 anos. Isso indica que a falta de poda cerebral também se correlaciona com a função cerebral na idade adulta.

A falta de poda foi proposta anteriormente como causa de esquizofrenia10, TDAH e autismo, mas não de outras condições.

Robert Plomin, do King's College London, que esteve envolvido em estudos genéticos que apoiam a ideia de um fator p, diz que a nova explicação proposta é plausível como contribuinte, mas pode não ser toda a história. “Você está procurando algo que seja um mecanismo geral”, diz ele.

No artigo, os pesquisadores descrevem uma base neural compartilhada subjacente à comorbidade11 psiquiátrica.

Eles apontam que estudos recentes propuseram um fator de psicopatologia geral subjacente a comorbidades12 comuns entre os transtornos psiquiátricos. No entanto, seus mecanismos neurobiológicos e generalização permanecem indefinidos.

Neste estudo, usou-se uma grande coorte13 longitudinal de neuroimagem desde a adolescência até a idade adulta jovem (IMAGEN) para definir um fator neuropsicopatológico (NP) em sintomas4 de externalização e internalização usando conectomas multitarefa.

Demonstrou-se que esse fator NP pode representar um desenvolvimento unificado, geneticamente determinado e atrasado do córtex pré-frontal que leva ainda mais a uma função executiva1 deficiente.

Também mostrou-se que esse fator NP é reprodutível em vários períodos de desenvolvimento, desde a pré-adolescência até o início da idade adulta, e generalizável para o conectoma do estado de repouso e amostras clínicas (a amostra ADHD-200 e o projeto Stratify).

Em conclusão, identificou-se uma base neural reprodutível e geral subjacente aos sintomas4 de vários transtornos de saúde5 mental, unindo evidências multidimensionais de substratos comportamentais, de neuroimagem e genéticos.

Esses achados podem ajudar a desenvolver novas intervenções terapêuticas para comorbidades12 psiquiátricas.

Leia sobre "Neurociência - o que ela estuda", "TDAH: o que é" e "Transtornos do espectro autista".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 24 de abril de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 24 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. A falta de "poda" dos neurônios pode estar por trás de muitas condições relacionadas ao cérebro. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1437715/a-falta-de-quot-poda-quot-dos-neuronios-pode-estar-por-tras-de-muitas-condicoes-relacionadas-ao-cerebro.htm>. Acesso em: 17 abr. 2024.

Complementos

1 Função executiva: Também conhecida como controle cognitivo ou sistema supervisor atencional é um conceito neuropsicológico que se aplica ao processo cognitivo responsável pelo planejamento e execução de atividades, que podem incluir, por exemplo, a iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada e inibição de impulsos.
2 Fobias: Medo exagerado, falta de tolerância, aversão.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
7 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
8 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
9 Cabeça:
10 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
11 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
12 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
13 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!