Gostou do artigo? Compartilhe!

Abortos podem ser mais prováveis de ocorrer com embriões com desenvolvimento lento

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os embriões podem se desenvolver mais lentamente em certas gestações que terminam em aborto espontâneo, de acordo com um estudo publicado na revista Human Reproduction.

O estudo utilizou realidade virtual para visualizar os embriões, por meio de um ultrassom vaginal que criou imagens 3D detalhadas, mostrando que o crescimento de um embrião pode prever quais gestações têm maior probabilidade de terminar em aborto espontâneo.

A descoberta pode ser um passo para prever desde o início da gravidez1 se é provável que ela leve a um aborto espontâneo, embora a técnica ainda não esteja pronta para uso clínico, diz Melek Rousian do Erasmus University Medical Center em Rotterdam, na Holanda.

Mais da metade de todas as gestações terminam em aborto espontâneo, embora em muitos casos aconteça tão cedo que as pessoas nem percebem que estavam grávidas. Algumas pessoas têm abortos múltiplos sem saber o motivo, o que significa que a gravidez1 pode ser um momento de grande ansiedade.

Para saber mais sobre a ocorrência de abortos espontâneos, a equipe de Rousian desenvolveu uma forma de usar ultrassom vaginal para criar uma imagem 3D altamente detalhada de um embrião. A imagem é ampliada até ficar do tamanho de um adulto e depois inspecionada visualmente pelos pesquisadores enquanto eles usam óculos de realidade virtual.

Saiba mais sobre "Aborto: o que é" e "Gestação semana a semana".

A equipe criou essas imagens para 644 gestantes, 33 das quais tiveram abortos espontâneos.

Ao observar as imagens 3D, produzidas cerca de oito semanas após a concepção2, os pesquisadores observaram que, em média, os embriões que acabaram abortando estavam se desenvolvendo mais lentamente, em comparação com as gestações que continuaram ao termo.

A maturidade do embrião foi avaliada por meio do chamado sistema de estágios de Carnegie, que indica quais características físicas se desenvolveram, como brotos de membros e características faciais precoces, de acordo com uma escala de 23 estágios.

A equipe descobriu que a chance de uma mulher abortar aumentava em 1,5% por estágio de Carnegie atrasado.

Oito semanas após a concepção2, isso foi equivalente a um atraso de desenvolvimento de cerca de quatro dias nos embriões que abortaram, de acordo com os pesquisadores. “Quatro dias é um intervalo bastante grande em um período muito importante da vida, quando todos os órgãos estão se desenvolvendo, todos os membros estão se desenvolvendo”, diz o membro da equipe Carsten Pietersma.

Se as descobertas forem confirmadas em estudos maiores, isso pode permitir que os médicos aconselhem as pessoas se o embrião está se desenvolvendo normalmente ou não, diz Rousian.

Não se sabe exatamente por que os embriões que se desenvolvem mais lentamente podem ter maior probabilidade de abortar. Outro trabalho descobriu que os embriões ou fetos que abortam muitas vezes têm alterações ou diferentes números de cromossomos3, os pacotes de DNA contidos em quase todas as nossas células4.

Ruth Bender Atik, da Miscarriage Association, uma instituição de caridade do Reino Unido, diz que, embora a imagem 3D do embrião possa tranquilizar algumas pessoas, também pode causar incerteza e ansiedade.

Algumas pessoas que já tiveram um aborto espontâneo podem não querer a ultrassonografia5 vaginal, enquanto outras podem estar desesperadas para verificar o progresso da gravidez1, diz ela.

No artigo, os pesquisadores relatam como o desenvolvimento morfológico embrionário é retardado em gestações que terminam em aborto espontâneo.

O estudo buscou responder à questão: existe uma diferença no desenvolvimento morfológico embrionário entre gestações em andamento e gestações vivas que terminam em aborto espontâneo?

Já se sabe que gravidezes que terminam em aborto espontâneo tendem a ter embriões menores e batimentos cardíacos mais lentos.

Agora, os novos resultados indicaram que o desenvolvimento morfológico embrionário, avaliado pelos estágios de Carnegie, é retardado em gestações vivas que terminam em aborto espontâneo em comparação com gestações em andamento.

Entre 2010 e 2018, 644 mulheres com gravidez1 única, no período periconcepcional, foram incluídas em um estudo de coorte6 prospectivo7 com acompanhamento até 1 ano após o parto. O aborto espontâneo foi registrado como uma gravidez1 inviável antes de 22 semanas de idade gestacional, definida pela ausência de batimentos cardíacos por ultrassom para uma gravidez1 viva relatada anteriormente.

Gestantes com gravidez1 única viva foram incluídas e ultrassonografias transvaginais tridimensionais seriadas foram realizadas. O desenvolvimento morfológico embrionário foi avaliado pelos estágios de desenvolvimento de Carnegie e avaliado por meio de técnicas de realidade virtual. A morfologia embrionária foi comparada com parâmetros de crescimento usados clinicamente (ou seja, comprimento cabeça8-nádegas9 [CCN] e volume do embrião [VE]).

Modelos lineares mistos foram usados para avaliar a associação entre aborto espontâneo e os estágios de Carnegie. A regressão logística com equações de estimativa generalizada foi usada para calcular as chances de aborto espontâneo após um atraso nos estágios de Carnegie. Ajustes foram feitos para potenciais fatores de confusão ou co-variáveis e incluem idade, paridade e tabagismo.

Um total de 611 gestações em andamento e 33 gestações que terminaram em aborto espontâneo foram incluídas entre 7 + 0 e 10 + 3 semanas de idade gestacional, resultando em 1.127 estágios de Carnegie atribuídos para avaliação.

Em comparação com uma gravidez1 em andamento, uma gravidez1 que termina em aborto espontâneo está associada a um estágio de Carnegie anterior (βCarnegie = -0,824, IC 95% -1,190; -0,458, P <0,001).

Um embrião vivo de uma gravidez1 que termina em aborto atingirá o estágio final de Carnegie com um atraso de 4,0 dias em comparação com uma gravidez1 em andamento.

Uma gravidez1 que termina em aborto espontâneo está associada a um menor CCN (βCCN = -0,120, IC 95% -0,240; -0,001, P = 0,049) e menor VE (βVE = -0,060, IC 95% -0,112; -0,007, P = 0,027).

O atraso no estágio de Carnegie aumenta as chances de aborto espontâneo em 1,5% por estágio de Carnegie atrasado (OR Carnegie = 1,015, IC 95% 1,002; 1,028, P = 0,028).

Limitações e razões para cuidado em relação ao estudo incluem a inclusão de um número relativamente pequeno de gestações que terminaram em aborto espontâneo de uma população de estudo recrutada em um centro de referência terciário. Além disso, os resultados dos testes genéticos nos produtos dos abortos ou informações sobre o cariótipo dos pais não estavam disponíveis.

O estudo concluiu que o desenvolvimento morfológico embrionário, avaliado pelos estágios de Carnegie, é retardado em gestações vivas que terminam em aborto espontâneo. No futuro, a morfologia embrionária poderá ser usada para estimar a probabilidade de uma gravidez1 continuar até o nascimento de um bebê saudável. Isso é de importância crucial para todas as mulheres, mas em particular para aquelas em risco de perda recorrente da gravidez1.

Como parte dos cuidados de suporte, tanto as mulheres quanto seus parceiros podem se beneficiar de informações sobre o futuro resultado da gravidez1 e da identificação oportuna de um aborto espontâneo.

Leia sobre "A gravidez1 e suas etapas na mãe e no bebê" e "Crescimento infantil10".

 

Fontes;
Human Reproduction, publicação em 26 de março de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 27 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Abortos podem ser mais prováveis de ocorrer com embriões com desenvolvimento lento. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1436070/abortos-podem-ser-mais-provaveis-de-ocorrer-com-embrioes-com-desenvolvimento-lento.htm>. Acesso em: 17 abr. 2024.

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Concepção: O início da gravidez.
3 Cromossomos: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Cabeça:
9 Nádegas:
10 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

15/03/2024 - Complemento feito por Jaqueline
Tive um aborto recentemente e foi observado jus...
Tive um aborto recentemente e foi observado justamente o q o artigo sugere, o embrião apresentava desenvolvimento incompatível com a minha idade gestacional.

  • Entrar
  • Receber conteúdos