Gostou do artigo? Compartilhe!

A colocação precoce do DIU no pós-parto produz uma taxa de expulsão completa baixa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Inserir um dispositivo intrauterino (DIU) em 2 a 4 semanas após o parto correspondeu ao intervalo padrão quando se tratava de expulsões completas, descobriu um estudo randomizado1 publicado no JAMA.

No acompanhamento de 6 meses, 2% das pacientes no grupo de colocação precoce tiveram uma expulsão completa em comparação com nenhuma no grupo em que a colocação ocorreu no padrão de 6 a 8 semanas após o parto, atendendo aos critérios de não inferioridade, relataram Sarah Averbach, MD, da University of California San Diego, e co-autores.

Um risco absoluto mais alto foi observado com expulsões parciais no grupo de colocação precoce (9,4% vs 7,6%), que caiu fora dos limites de não inferioridade, embora “o significado clínico da expulsão parcial seja menos claro do que o da expulsão completa”, o grupo detalhou.

“Este estudo irá assegurar a muitos médicos que eles podem oferecer DIUs mais cedo no período pós-parto”, disse Averbach. “E se as pacientes já estiverem em uma consulta pós-parto e estiverem interessadas em iniciar a contracepção2 pós-parto – particularmente um DIU pós-parto – esses dados fornecem evidências tranquilizadoras de que o risco de expulsão é baixo”.

Leia sobre "Dispositivo intrauterino (DIU): como funciona" e "DIU Mirena".

O Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) recomenda que as pessoas que deram à luz consultem um profissional de saúde3 nas primeiras 3 semanas após o parto, com algumas pacientes optando por colocar um DIU nesta consulta, em vez de esperar até a consulta de 6 semanas.

“É um momento ideal para fornecer contracepção2 pós-parto porque as pacientes já estão lá”, disse Averbach. “Também sabemos que elas ainda não estão grávidas, porque no início do período pós-parto, sabemos que as pessoas ainda não voltaram a ovular. E quando as pessoas voltam às 6 semanas após o parto, muitas já começaram a ovular e iniciaram a relação sexual novamente, colocando-as em risco de gravidez4 de intervalo curto e gravidez4 indesejada.”

Embora seja possível inserir um DIU imediatamente após o parto, as taxas de expulsão são altas, variando de 10% a 27%, dependendo do estudo, de acordo com o ACOG.

Os resultados “podem impactar a prática, e acho isso encorajador”, disse Pamela Berens, MD, da McGovern Medical School da UTHealth Houston, observando que não houve um grande estudo randomizado1 sobre esse tópico5 antes. “Podemos oferecer com segurança a inserção do DIU mais cedo no período pós-parto, o que é uma boa informação a ter.”

Berens, que não participou da pesquisa, observou que muitas pacientes não comparecem à consulta pós-parto, que abrange muito mais do que apenas controle de natalidade.

“Discutimos depressão pós-parto, amamentação6, contracepção2 e abordamos outras coisas como perda de peso”, disse ela. “Tem havido um esforço para antecipar a consulta pós-parto. Este estudo apoiaria isso.”

No artigo, os pesquisadores relatam que o período pós-parto inicial, 2 a 4 semanas após o nascimento, pode ser um momento conveniente para a colocação do dispositivo intrauterino (DIU); a colocação poderia então coincidir com as consultas do início do pós-parto ou de puericultura.

O objetivo deste estudo foi determinar as taxas de expulsão de DIUs colocados no início do pós-parto em comparação com aqueles colocados no intervalo padrão da consulta de 6 semanas.

Neste estudo randomizado1 de não inferioridade, as pessoas que tiveram um parto vaginal ou cesariana foram aleatoriamente designadas para serem submetidas à colocação precoce (14-28 dias) ou no intervalo (42-56 dias) do DIU pós-parto. Os médicos cegos para o grupo de estudo participante usaram ultrassonografia7 transvaginal para confirmar a presença e posição do DIU no acompanhamento pós-parto de 6 meses. O estudo avaliou 642 puérperas8 de 4 centros médicos dos EUA, inscreveu uma amostra consecutiva de 404 participantes de março de 2018 a julho de 2021 e acompanhou cada participante por 6 meses após o parto.

A intervenção do estudo foi a colocação do DIU no início do pós-parto, 2 a 4 semanas após o parto, versus colocação de intervalo padrão 6 a 8 semanas após o parto.

O desfecho primário foi a expulsão completa do DIU 6 meses após o parto; a margem de não inferioridade pré-especificada foi de 6%. Os desfechos secundários foram expulsão parcial do DIU, remoção do DIU, infecção9 pélvica10, satisfação da paciente, perfuração uterina, gravidez4 e uso do DIU 6 meses após o parto. O mau posicionamento do DIU foi um resultado exploratório.

Entre 404 participantes inscritas, 203 participantes foram designadas aleatoriamente para a colocação precoce do DIU e 201 para a colocação do DIU no intervalo (idade média [DP], 29,9 [5,4] anos; 46 [11,4%] eram negras, 228 [56,4%] eram brancas e 175 [43,3%] eram hispânicas).

Aos 6 meses após o parto, 53 participantes (13%) nunca colocaram um DIU e 57 (14%) perderam o acompanhamento.

Entre as 294 participantes (73%) que receberam DIU e completaram 6 meses de acompanhamento, as taxas de expulsão completa foram 3 de 149 (2,0% [IC 95%, 0,4%-5,8%]) no grupo de colocação precoce e 0 de 145 (0% [IC 95%, 0,0%-2,5%]) no grupo de colocação no intervalo (diferença entre os grupos, 2,0 [IC 95%, -0,5 a 5,7] pontos percentuais).

A expulsão parcial ocorreu em 14 (9,4% [IC 95%, 5,2%-15,3%]) participantes no grupo de colocação precoce e 11 (7,6% [IC 95%, 3,9%-13,2%]) participantes no grupo de colocação no intervalo (diferença entre os grupos, 1,8 [IC 95%, -4,8 a 8,6] pontos percentuais).

O uso de DIU em 6 meses foi semelhante entre os grupos: 141 (69,5% [IC 95%, 62,6%-75,7%]) participantes no grupo precoce vs 139 (67,2% [IC 95%, 60,2%-73,6%]) no grupo intervalo.

O estudo concluiu que a colocação precoce do DIU em 2 a 4 semanas pós-parto em comparação com 6 a 8 semanas pós-parto foi não inferior para expulsão completa, mas não para expulsão parcial. Compreender o risco de expulsão nesses momentos pode ajudar pacientes e médicos a fazer escolhas informadas sobre o momento da colocação do DIU.

Veja também sobre "Métodos anticoncepcionais".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 21 de março de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 21 de março de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. A colocação precoce do DIU no pós-parto produz uma taxa de expulsão completa baixa. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1436055/a-colocacao-precoce-do-diu-no-pos-parto-produz-uma-taxa-de-expulsao-completa-baixa.htm>. Acesso em: 26 fev. 2024.

Complementos

1 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
6 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
7 Ultrassonografia: Ultrassonografia ou ecografia é um exame complementar que usa o eco produzido pelo som para observar em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas internas do organismo (órgãos internos). Os aparelhos de ultrassonografia utilizam uma frequência variada, indo de 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, os quais são interpretados através de computação gráfica.
8 Puérperas: Parturientes. Mulheres que estão prestes a dar à luz ou deram à luz há pouco tempo.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
Gostou do artigo? Compartilhe!