Gostou do artigo? Compartilhe!

Biomarcadores podem prever a perda de peso e sugerir dietas personalizadas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova análise dos dados de um estudo de perda de peso de um ano identificou comportamentos e biomarcadores que contribuem para a perda de peso a curto e longo prazo.

Seguir rigorosamente uma dieta – saudável com baixo teor de carboidratos ou saudável com baixo teor de gordura1 – era o que importava para a perda de peso a curto prazo durante os primeiros seis meses. Mas as pessoas que mantiveram a perda de peso a longo prazo por um ano comeram o mesmo número de calorias2 que aquelas que recuperaram o peso ou que não perderam peso durante os próximos seis meses.

Então, o que explica essa diferença?

De acordo com o estudo, as bactérias que vivem no intestino e as quantidades de certas proteínas3 que o corpo produz podem afetar a capacidade de sustentar a perda de peso. E algumas pessoas, ao que parece, perderam mais quilos com dietas com baixo teor de gordura1, enquanto outras se saíram melhor com dietas com baixo teor de carboidratos.

Os pesquisadores da Stanford Medicine identificaram vários biomarcadores que preveem o sucesso de um indivíduo em perder peso e mantê-lo a longo prazo. Esses biomarcadores incluem assinaturas do microbioma4 intestinal, proteínas3 produzidas pelo corpo humano5 e níveis de dióxido de carbono exalado. Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista Cell Reports Medicine.

“A perda de peso é enigmática e complicada, mas podemos prever desde o início com microbioma4 e biomarcadores metabólicos quem perderá mais peso e quem o manterá”, disse Michael Snyder, PhD, professor de genética e coautor sênior6 no estudo.

Leia sobre "O que é uma alimentação saudável", "Dietas para emagrecer" e "Microbioma4 intestinal humano".

Os dados vieram de 609 participantes que registraram tudo o que comeram durante um ano, seguindo uma dieta com baixo teor de gordura1 ou baixo teor de carboidratos, composta principalmente de alimentos minimamente processados de alta qualidade. Os pesquisadores acompanharam os exercícios dos participantes, o quão bem eles seguiram sua dieta e o número de calorias2 consumidas.

O estudo mostrou que apenas cortar calorias2 ou fazer exercícios não era suficiente para sustentar a perda de peso ao longo de um ano. Para tentar entender o porquê, a equipe voltou seu foco para os biomarcadores do metabolismo7.

“Encontramos ecologias específicas de microbiomas e quantidades de proteínas3 e enzimas no início do período de estudo – antes que as pessoas começassem a seguir a dieta – que indicavam se elas seriam bem-sucedidas em perder peso e mantê-lo”, disse Dalia Perelman, nutricionista8 pesquisadora e coautora principal do artigo.

Ao longo do estudo, os pesquisadores mediram a proporção de oxigênio inalado para dióxido de carbono exalado, conhecido como quociente respiratório, que serve como um marcador para saber se carboidratos ou gorduras são o principal combustível do corpo. Uma proporção mais baixa significa que o corpo queima mais gordura1, enquanto uma proporção mais alta significa que queima mais carboidratos. Portanto, aqueles que começaram a dieta com um quociente respiratório mais alto perderam mais peso com uma dieta pobre em carboidratos.

“Existem pessoas que podem comer muito poucas calorias2, mas ainda mantêm seu peso por causa de como seus corpos metabolizam os combustíveis. Não é por falta de vontade: é apenas como seus corpos funcionam”, disse Perelman.

Em outras palavras, se seu corpo preferir carboidratos e você estiver comendo predominantemente gordura1, será muito mais difícil metabolizar e queimar essas calorias2.

“Se você está seguindo uma dieta que funcionou para alguém que você conhece e não está funcionando para você, pode ser que essa dieta específica não seja adequada para você”, acrescentou Xiao Li, PhD, coautor principal do artigo.

As informações preditivas obtidas do microbioma4 intestinal, análise proteômica9 e assinaturas do quociente respiratório estão lançando as bases para dietas personalizadas. Snyder disse que acha que rastrear quantidades de certas cepas10 de micróbios intestinais será uma maneira de as pessoas determinarem quais dietas são melhores para perda de peso.

No artigo, os pesquisadores relatam fatores distintos associados à perda de peso a curto e longo prazo induzida por intervenção de dieta com baixo teor de gordura1 ou baixo teor de carboidratos.

Destaques

  • Variáveis distintas estão associadas ao sucesso da perda de peso a curto e longo prazo.
  • Os principais impulsionadores da perda de peso a curto prazo são a adesão e a qualidade da dieta.
  • A perda de peso a longo prazo está relacionada a marcadores pessoais multiômicos na linha de base.
  • Fatores de linha de base (por exemplo, quociente respiratório) podem sugerir abordagens de precisão para perda de peso.

Resumo

Para entender o que determina o sucesso da perda de peso a curto e longo prazo, foi conduzida uma análise secundária de dados dietéticos, metabólicos e moleculares coletados de 609 participantes antes, durante e após uma intervenção de perda de peso de 1 ano com uma dieta saudável com baixo teor de carboidratos ou uma dieta saudável com baixo teor de gordura1.

Por meio da análise sistemática de conjuntos de dados multidomínio, descobriu-se que a adesão e a qualidade da dieta, não apenas a restrição calórica, são importantes para a perda de peso a curto prazo em ambas as dietas.

Curiosamente, observou-se diferenças dietéticas mínimas entre aqueles que tiveram sucesso na perda de peso a longo prazo e aqueles que não conseguiram. Em vez disso, as assinaturas proteômicas e da microbiota11 intestinal diferem significativamente entre esses dois grupos na linha de base.

Além disso, o quociente respiratório basal pode sugerir uma dieta específica para melhores resultados de perda de peso.

No geral, a identificação desses fatores dietéticos, moleculares e metabólicos, comuns ou únicos às dietas saudáveis com baixo teor de carboidratos e com baixo teor de gordura1, fornece um roteiro para o desenvolvimento de estratégias individualizadas de perda de peso.

Veja também sobre "Carboidratos - como agem no organismo", "A importância das gorduras" e "O papel dos alimentos ricos em proteínas3".

 

Fontes:
Cell Reports Medicine, publicação em 13 de dezembro de 2022.
Stanford Medicine, notícia publicada em 04 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Biomarcadores podem prever a perda de peso e sugerir dietas personalizadas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432115/biomarcadores-podem-prever-a-perda-de-peso-e-sugerir-dietas-personalizadas.htm>. Acesso em: 7 fev. 2023.

Complementos

1 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
2 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
3 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
4 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
5 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
6 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
7 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
8 Nutricionista: Especialista em nutricionismo, ou seja, especialista no estudo das necessidades alimentares dos seres humanos e animais, e dos problemas relativos à nutrição.
9 Proteômica: Ciência que estuda o conjunto de proteínas e suas isoformas contidas em amostras biológicas, seja esta um organismo, um tecido, uma organela celular ou uma célula, sempre determinadas pelo genoma.
10 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
11 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
Gostou do artigo? Compartilhe!