Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta pobre em carboidratos reduz convulsões em pessoas com epilepsia resistente a medicamentos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo com 160 pessoas, publicado na revista Neurology, descobriu que combinar terapias padrão para epilepsia1 com uma dieta pobre em carboidratos reduziu as convulsões em mais de 50% em um quarto dos participantes com epilepsia1 resistente a medicamentos.

O uso de dietas com baixo teor de carboidratos para tratar a epilepsia1 começou há cerca de um século, mas caiu em desuso quando os medicamentos anticonvulsivantes foram desenvolvidos. No entanto, quase um terço dos cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo com epilepsia1 não respondem a esses medicamentos.

Manjari Tripathi, do All India Institute of Medical Sciences, em Nova Delhi, e seus colegas recrutaram 160 pessoas entre 10 e 55 anos de idade que tiveram mais de duas convulsões por mês, apesar de usarem pelo menos três medicamentos anticonvulsivantes em doses máximas.

Os pesquisadores aconselharam metade deles a seguir uma dieta de Atkins modificada, que consiste em comer apenas 20 gramas de carboidratos por dia, reduzindo drasticamente os 275 gramas recomendados para consumo diário de adultos de acordo com as diretrizes dietéticas dos EUA. Todos os participantes continuaram com os medicamentos padrão para epilepsia1. Os cuidadores rastrearam convulsões e refeições usando um registro diário, e os participantes preencheram um questionário de qualidade de vida antes e depois do estudo.

Após seis meses, mais de 26 por cento das pessoas na dieta baixa em carboidratos viram as convulsões mensais reduzidas em mais de 50 por cento em comparação com o mês anterior ao ensaio. O mesmo foi verdade para apenas 2,5 por cento do grupo de controle. O grupo com baixo teor de carboidratos também relatou melhorias significativamente maiores na qualidade de vida, em média, em comparação com o grupo controle.

Saiba mais sobre "Dieta de Atkins", "Dieta cetogênica" e "Dieta Low Carb".

Dietas com baixo teor de carboidratos reduzem as convulsões induzindo a cetose, que é quando o corpo queima gordura2 como combustível primário, diz Tripathi. Existem muitos mecanismos potenciais pelos quais isso melhora a epilepsia1, incluindo alterações no microbioma3 intestinal, na inflamação4 e na sinalização elétrica entre os neurônios5, diz ela.

Mackenzie Cervenka, da Universidade Johns Hopkins, em Maryland, EUA, diz que é encorajador ver que a dieta de Atkins modificada pode ser um tratamento eficaz. Estudos anteriores para tratar a epilepsia1 com dieta geralmente usam a dieta cetogênica, que requer o cálculo6 da proporção de carboidratos para gorduras em todos os alimentos. “Isso pode consumir muito mais tempo”, diz Cervenka, o que significa que menos pessoas cumprem a dieta. “A dieta de Atkins modificada é menos rigorosa no que diz respeito à preparação e acompanhamento”, diz ela.

No artigo, os pesquisadores relatam que a Dieta de Atkins modificada (DAM) surgiu como uma terapia adjuvante na epilepsia1 resistente a medicamentos (ERM). A maioria dos estudos são em crianças, e há evidências limitadas para ERM em adultos. O presente estudo teve como objetivo investigar se a DAM junto com a terapia medicamentosa padrão (TMP) era realmente mais eficaz do que a TMP sozinha na redução da frequência de convulsões e na melhora dos resultados psicológicos em 6 meses em adolescentes e adultos com ERM (não cirúrgica).

Um estudo prospectivo7 randomizado8 controlado foi conduzido em um centro de referência de atendimento terciário, na Índia. Pessoas com ERM de 10 a 55 anos atendidas em ambulatórios de epilepsia1 entre agosto de 2015 e abril de 2019, que tiveram mais de duas crises/mês, apesar de usar pelo menos três medicamentos anticonvulsivantes (MACs) apropriados em suas doses máximas toleradas, e que não fizeram qualquer forma de dietoterapia no último ano, foram inscritas.

Os pacientes foram avaliados quanto à elegibilidade e designados aleatoriamente para receber TMP mais DAM (braço de intervenção) ou TMP sozinha (braço de controle). O desfecho primário foi >50% de redução na frequência de crises e os desfechos secundários foram qualidade de vida (QDV), comportamento, eventos adversos e taxa de abstinência em seis meses. A análise de intenção de tratar foi realizada.

243 pacientes foram selecionados para elegibilidade; 160 pacientes (80 adultos e 80 adolescentes) foram randomizados para intervenção ou braço de controle. As características demográficas e clínicas em ambos os grupos eram comparáveis no início do estudo.

Aos seis meses >50% de redução das crises foi observada em 26,2% dos pacientes no grupo de intervenção versus 2,5% no grupo de controle (IC 95% 13,5-33,9; p <0,001).

A melhora na qualidade de vida foi de 52,1 ± 17,6 no grupo intervenção versus 42,5 ± 16,4 no grupo controle (diferença média, 9,6; IC 95% 4,3 a 14,9, p <0,001).

No entanto, escores comportamentais puderam ser realizados em 49 pacientes e a melhora foi observada no grupo de intervenção versus controle (65,6 ± 7,9 versus 71,4 ± 8,1, p = 0,015) ao final do estudo. Um paciente apresentou perda de peso; dois pacientes tiveram diarreia9.

O grupo da Dieta de Atkins modificada demonstrou melhora em todos os aspectos (redução na frequência de crises e problemas comportamentais) em comparação com o grupo controle no final do estudo.

A Dieta de Atkins modificada é uma modalidade eficaz no controle de convulsões, e mais pesquisas são necessárias para avaliar sua eficácia em termos de biomarcadores, juntamente com estudos metabolômicos descritivos.

Leia sobre "Epilepsias - o que são" e "Convulsões".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 04 de janeiro de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 04 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Dieta pobre em carboidratos reduz convulsões em pessoas com epilepsia resistente a medicamentos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1431805/dieta-pobre-em-carboidratos-reduz-convulsoes-em-pessoas-com-epilepsia-resistente-a-medicamentos.htm>. Acesso em: 6 fev. 2023.

Complementos

1 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
2 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
3 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
4 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
5 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
6 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
9 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!