Gostou do artigo? Compartilhe!

Diabetes materno durante a gravidez aumenta o risco de transtornos do neurodesenvolvimento na prole

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo publicado no jornal científico Developmental Medicine & Child Neurology apontou que mães com diabetes1 durante a gravidez2 – incluindo tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional3 – tiveram um risco maior de ter um filho com condições relacionadas ao neurodesenvolvimento, como TDAH e autismo.

O estudo buscou avaliar o risco de um amplo espectro de transtornos do neurodesenvolvimento (TNDs) em filhos de mães com diabetes mellitus4 tipo 1 (DM1), diabetes mellitus4 tipo 2 (DM2) e diabetes mellitus4 gestacional (DMG).

O estudo de coorte5 retrospectivo6 incluiu 877.233 filhos únicos nascidos entre 2004 e 2008 em Taiwan. As crianças foram acompanhadas até 2015 para diagnósticos de TNDs, incluindo transtorno do espectro autista (TEA), transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), atraso no desenvolvimento, deficiência intelectual, paralisia7 cerebral e epilepsia8/espasmos9 infantis usando dados de sinistros de planos de saúde10.

Foram realizados modelos de regressão de Cox para estimar os riscos relativos de TNDs associados ao diabetes1 materno. As covariáveis incluíram idade dos pais, ano de nascimento, sexo da criança, renda familiar, nível de urbanização, transtorno hipertensivo e estado de parto prematuro.

Saiba mais sobre "Desenvolvimento infantil", "Diabetes Mellitus4" e "Diabetes gestacional3".

No útero11, havia 338 (0,04%) crianças expostas ao DM1, 8.749 (1,00%) ao DM2 e 90.200 (10,28%) ao DMG. O efeito do DM1 em TNDs foi o maior, seguido por DM2 e então DMG.

O DM1 foi associado a um risco aumentado de atraso no desenvolvimento, deficiência intelectual e epilepsia8/espasmos9 infantis na prole. O DM2 foi associado a um risco aumentado de TEA, TDAH, atraso no desenvolvimento, deficiência intelectual, paralisia7 cerebral e epilepsia8/espasmos9 infantis. O DMG foi associado a um risco aumentado de TEA, TDAH e atraso no desenvolvimento.

O estudo concluiu que o diabetes1 materno durante a gravidez2, incluindo DM1, DM2 e DMG, está associado a um risco aumentado de alguns transtornos do neurodesenvolvimento na prole.

 

Fonte: Developmental Medicine & Child Neurology, publicação em 21 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Diabetes materno durante a gravidez aumenta o risco de transtornos do neurodesenvolvimento na prole. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1431545/diabetes-materno-durante-a-gravidez-aumenta-o-risco-de-transtornos-do-neurodesenvolvimento-na-prole.htm>. Acesso em: 6 fev. 2023.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Diabetes gestacional: Tipo de diabetes melito que se desenvolve durante a gravidez e habitualmente desaparece após o parto, mas aumenta o risco da mãe desenvolver diabetes no futuro. O diabetes gestacional é controlado com planejamento das refeições, atividade física e, em alguns casos, com o uso de insulina.
4 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
7 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
8 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
9 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
Gostou do artigo? Compartilhe!