Gostou do artigo? Compartilhe!

Medicamentos para epilepsia podem aumentar o risco de Parkinson, com associação mais forte observada para o valproato de sódio

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de medicamentos antiepilépticos (AEs) foi associado a um diagnóstico1 subsequente de doença de Parkinson2 (DP), sugeriu um estudo caso-controle no Reino Unido, publicado no JAMA Neurology.

Houve uma associação significativa entre prescrições de AE e doença de Parkinson2 incidente3, e a magnitude da associação aumentou com o aumento do número de prescrições e para aqueles que tomaram mais de um AE, relataram Alastair Noyce, PhD, da Queen Mary University of London, e colegas.

Leia sobre "10 sinais4 precoces da doença de Parkinson2" e "Epilepsias - o que são".

Dos quatro AEs mais comumente prescritos no Reino Unido, a carbamazepina não foi significativamente associada ao Parkinson, mas três AEs tiveram uma relação significativa:

  • Lamotrigina (OR 2,83, IC 95% 1,53-5,25, P = 0,009)
  • Levetiracetam (OR 3,02, IC 95% 1,51-6,05, P = 0,02)
  • Valproato de sódio (OR 3,82, IC 95% 2,41-6,05, P = 0,00000001)

Trabalhos anteriores – incluindo um estudo do próprio grupo de Noyce – mostraram uma ligação entre epilepsia5 e doença de Parkinson2, e é “plausível que antiepilépticos possam explicar parte ou toda a associação aparente entre epilepsia5 e doença de Parkinson”, escreveram os pesquisadores.

Nesse contexto, o objetivo do estudo foi investigar a associação entre AEs e DP incidente3.

Este estudo de caso-controle aninhado começou a coletar dados do UK Biobank (UKB) em 2006 e os dados foram extraídos em 30 de junho de 2021. Indivíduos com dados vinculados de prescrição em cuidados primários foram incluídos.

Os casos foram definidos como indivíduos com diagnóstico1 de DP codificado na base de dados Hospital Episode Statistics (HES). Os controles foram pareados 6:1 para idade, sexo, raça e etnia e status socioeconômico.

Registros de prescrição foram pesquisados para AEs prescritos antes do diagnóstico1 de DP. O UKB é um estudo de coorte6 longitudinal com mais de 500.000 participantes; 45% dos indivíduos no UKB vincularam dados de prescrição em cuidados primários. Os participantes residentes no Reino Unido com idade entre 40 e 69 anos foram recrutados para o UKB entre 2006 e 2010.

Todos os participantes com dados de prescrição em cuidados primários vinculados ao UKB (n = 222.106) foram elegíveis para inclusão no estudo. Indivíduos com apenas um diagnóstico1 de DP autorreferido ou dados ausentes para as variáveis de pareamento foram excluídos. No total, foram excluídos 1.477 indivíduos; 49 foram excluídos por terem apenas DP autorreferida e 1.428 foram excluídos por falta de dados.

A exposição a AEs (carbamazepina, lamotrigina, levetiracetam e valproato de sódio) foi definida usando dados de prescrição coletados rotineiramente derivados da atenção primária.

Odd ratios e ICs de 95% foram calculados usando modelos de regressão logística ajustados para indivíduos prescritos AEs antes da primeira data do diagnóstico1 de DP codificado por HES.

Neste estudo de caso-controle, havia 1.433 indivíduos com diagnóstico1 de DP codificado por HES (casos) e 8.598 controles na análise. Dos 1.433 indivíduos, 873 (60,9%) eram do sexo masculino, 1.397 (97,5%) tiveram sua raça e etnia registrada como branca e a mediana de idade foi de 71 anos (IQR, 65-75 anos).

Foi encontrada uma associação entre prescrições de AE e DP incidente3 (odds ratio, 1,80; IC 95%, 1,35-2,40). Houve uma tendência para um maior número de problemas de prescrição e múltiplos AEs sendo associados a um maior risco de DP.

Este estudo, o primeiro a examinar sistematicamente o risco de doença de Parkinson2 em indivíduos que receberam prescrição dos antiepilépticos mais comuns, encontrou evidências de uma associação entre os antiepilépticos e doença de Parkinson2 incidente3. Com a literatura recente demonstrando uma associação entre epilepsia5 e doença de Parkinson2, este estudo fornece mais informações.

Veja também: "Conhecendo melhor as doenças degenerativas7".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 27 de dezembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 27 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Medicamentos para epilepsia podem aumentar o risco de Parkinson, com associação mais forte observada para o valproato de sódio. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1431440/medicamentos-para-epilepsia-podem-aumentar-o-risco-de-parkinson-com-associacao-mais-forte-observada-para-o-valproato-de-sodio.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
2 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
3 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!