Gostou do artigo? Compartilhe!

Certas bactérias intestinais podem influenciar o consumo excessivo de doces

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um novo estudo, realizado por pesquisadores do California Institute of Technology (Caltech) e publicado na revista Current Biology, examina o papel da microbiota1 intestinal em influenciar o comportamento alimentar – particularmente como isso afeta o consumo de alimentos doces ou gordurosos palatáveis.

Para tornar as coisas mais interessantes, os pesquisadores procuraram ver se os antibióticos afetavam esse comportamento.

Primeiro eles examinaram o que aconteceu quando eliminaram a microbiota1 intestinal usando antibióticos. Depois testaram o que acontecia quando a microbiota1 intestinal era restaurada por meio de um transplante fecal.

Em seguida, eles identificaram quais espécies de bactérias foram responsáveis pelos resultados.

Os pesquisadores descobriram que ratos com microbiotas prejudicadas por antibióticos orais consumiam até 50% mais açúcar2 do que ratos com níveis típicos de bactérias intestinais.

O líder do estudo, Sarkis Mazmanian, professor de microbiologia na Divisão de Biologia e Engenharia Biológica da Caltech, explicou as principais descobertas.

Leia sobre "Microbioma3 intestinal humano", "Disbiose intestinal4", "Bactérias do bem" e "Compulsão alimentar".

“Sabe-se há uma década que a dieta molda a composição do microbioma3 intestinal, mas se as bactérias nos intestinos5 influenciam os comportamentos alimentares permanece amplamente inexplorado”, disse o Prof. Mazmanian.

“Neste trabalho, revelamos que o esgotamento do microbioma3 com antibióticos resultou em camundongos que consomem em excesso uma dieta açucarada ou palatável em comparação com animais não tratados, mas não comem em excesso sua comida regular de rato (comida de laboratório)”, disse ele.

“Identificamos que a razão subjacente para esse resultado não era nutricional (ou seja, necessidade calórica), mas sim uma motivação comportamental para comer mais de um alimento desejável quando as bactérias intestinais estão faltando, e realizamos uma análise inicial para validar as mudanças na atividade cerebral”.

Os pesquisadores viram que apenas um certo tipo de bactéria6 foi capaz de ajudar os ratos a controlar o consumo excessivo de alimentos açucarados.

“Nós levantamos a hipótese de que nem todas as bactérias teriam a capacidade de suprimir a alimentação. Usando uma sequência experimental de tratamento antibiótico diferencial/de espectro estreito, perfil de microbioma3 e transplantes de microbiota1, identificamos bactérias específicas que são capazes de reduzir a compulsão de camundongos pelo consumo excessivo de alimentos palatáveis”, disse o Prof. Mazmanian.

Os pesquisadores determinaram que havia 2 grupos de bactérias responsáveis por esse efeito em seus camundongos: Lactobacillus johnsonii e um grupo de bactérias conhecido como S24-7.

O professor Mazmanian observou que “como em qualquer estudo em animais, a extrapolação das descobertas para humanos deve ser feita com cautela”.

No artigo publicado, os pesquisadores exploram como a microbiota1 intestinal suprime a alimentação induzida por alimentos palatáveis.

Destaques

  • A depleção7 da microbiota1 intestinal de camundongos resulta reversivelmente no consumo excessivo de alimentos palatáveis.
  • Camundongos com depleção7 de microbiota1 exibem maior motivação para buscar uma recompensa de alto teor de sacarose.
  • A colonização com S24-7 e L. johnsonii reduz a compulsão alimentar induzida por vancomicina.

Resumo

Os comportamentos alimentares dependem de fatores intrínsecos e extrínsecos, incluindo genética, palatabilidade dos alimentos e meio ambiente. A microbiota1 intestinal é um dos principais contribuintes ambientais para a fisiologia8 do hospedeiro e afeta o comportamento alimentar.

Neste estudo, explorou-se a hipótese de que as bactérias intestinais influenciam as respostas comportamentais a alimentos palatáveis e foi revelado que a depleção7 por antibióticos (ABX) da microbiota1 intestinal em camundongos resulta em consumo excessivo de vários alimentos palatáveis com efeitos conservados na dinâmica alimentar.

A restauração da microbiota1 intestinal por meio de transplante fecal em camundongos com ABX é suficiente para resgatar os camundongos do consumo excessivo de rações com alto teor de sacarose.

Testes de condicionamento operante descobriram que camundongos com ABX exibem motivação intensificada para buscar recompensas com alto teor de sacarose. Consequentemente, a atividade neuronal nas regiões mesolímbicas do cérebro9, que foram associadas à motivação e ao comportamento de busca de recompensa, foi elevada em camundongos com ABX após o consumo de rações com alto teor de sacarose.

O tratamento antibiótico diferencial e os transplantes de microbiota1 funcional identificaram táxons10 bacterianos intestinais específicos da família S24-7 e do gênero Lactobacillus cujas abundâncias se associam à supressão do consumo de rações com alto teor de sacarose.

De fato, a colonização de camundongos com S24-7 e Lactobacillus johnsonii foi suficiente para reduzir o consumo excessivo de rações com alto teor de sacarose em um modelo de compulsão alimentar induzida por antibióticos.

Esses resultados demonstram que as influências extrínsecas da microbiota1 intestinal podem suprimir a resposta comportamental a alimentos palatáveis em camundongos.

Veja também sobre "Os cinco 'venenos' brancos", "Frutose11: o que é" e "O que é uma alimentação saudável".

 

Fontes:
Current Biology, publicação em 29 de novembro de 2022.
Medical News Today, notícia publicada em 06 de dezembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Certas bactérias intestinais podem influenciar o consumo excessivo de doces. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1430770/certas-bacterias-intestinais-podem-influenciar-o-consumo-excessivo-de-doces.htm>. Acesso em: 28 mar. 2023.

Complementos

1 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
4 Disbiose intestinal: Definida como o desequilíbrio da flora intestinal, entre os microrganismos benéficos e patogênicos, que resulta em uma situação desfavorável à saúde do indivíduo.
5 Intestinos: Seção do canal alimentar que vai do ESTÔMAGO até o CANAL ANAL. Inclui o INTESTINO GROSSO e o INTESTINO DELGADO.
6 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
7 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
8 Fisiologia: Estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
10 Táxons: Táxon (no plural “taxa”) é a unidade taxonômica associada à classificação científica de seres vivos. Reino, ordem, gênero e espécie são exemplos de taxa.
11 Frutose: Açúcar encontrado naturalmente em frutas e mel. A frutose encontrada em alimentos processados é derivada do milho. Contém quatro calorias por grama.
Gostou do artigo? Compartilhe!