Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo apoia tratamento da amiloidose cardíaca precoce mesmo em pacientes assintomáticos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para pacientes1 assintomáticos diagnosticados com cardiomiopatia amiloide por transtirretina (ATTR-CM) em estágio inicial, pode levar apenas alguns anos para progredir para insuficiência cardíaca2 clínica ou outras complicações cardiovasculares, de acordo com um estudo de coorte3 longitudinal, publicado no JACC: CardioOncology, que também descobriu que o tratamento precoce está associado a maior sobrevivência4.

O estudo retrospectivo5 seguiu a história natural e o prognóstico6 da ATTR-CM variante ou de tipo selvagem em estágio inicial diagnosticada em 118 pacientes consecutivos sem sintomas7 de insuficiência cardíaca2 no início do estudo.

Durante um acompanhamento médio de 3,7 anos, 38 pessoas desenvolveram sintomas7 de insuficiência cardíaca2, 32 morreram e duas precisaram de transplante cardíaco. Além disso, 20 receberam marcapassos, 13 desenvolveram fibrilação atrial e uma teve um AVC, de acordo com Esther Gonzalez-Lopez, MD, PhD, do Hospital Universitario Puerta de Hierro em Madri, e colegas.

A sobrevida8 foi de 96,5% em 1 ano e caiu para 82% em 5 anos.

Os investigadores descobriram que o tratamento com estabilizadores de TTR foi associado a uma sobrevida8 significativamente melhorada na análise multivariada. O tratamento também se correlacionou com progressão retardada para insuficiência cardíaca2 sem encontrar significância estatística.

“Embora nossas descobertas precisassem ser confirmadas em estudos randomizados, nossos resultados fornecem suporte para considerar o início precoce de agentes estabilizadores em pacientes assintomáticos com ATTR-CM”, disse o grupo de Gonzalez-Lopez.

Leia sobre "Insuficiência cardíaca2", "Doenças cardiovasculares9" e "Amiloidose10".

Uma cardiomiopatia progressiva, a ATTR-CM é uma causa cada vez mais reconhecida de insuficiência cardíaca2 devido aos avanços nas técnicas de imagem não invasivas. A boa notícia é que o tratamento está disponível, embora inacessível para muitos.

Em 2019, a FDA nos Estados Unidos e também a Anvisa no Brasil aprovaram o tafamidis (Vyndaqel ou Vyndamax) para ATTR-CM de tipo selvagem (ou hereditário). A indicação não foi restrita a pacientes com insuficiência cardíaca2 evidente, apesar de a aprovação ser baseada no estudo de fase III ATTR-ACT, que mostrou benefícios clínicos do estabilizador de TTR em pessoas que já haviam evoluído para insuficiência cardíaca2 sintomática11.

Assim que o tafamidis foi lançado no mercado, no entanto, tornou-se conhecido como o “medicamento cardíaco mais caro da história”, e era acessível apenas com assistência financeira para alguns pacientes.

Gonzalez-Lopez e colegas observaram que estudos clínicos estão em andamento para outros possíveis tratamentos para a ATTR-CM. Estes incluem outro estabilizador de TTR, acoramidis, e candidatos a silenciamento de genes patisiran, vutrisiran e eplontersen.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que a cardiomiopatia amiloide por transtirretina (ATTR-CM) é cada vez mais reconhecida como uma causa tratável de insuficiência cardíaca2 (IC). Avanços no diagnóstico12 e terapia aumentaram o número de pacientes diagnosticados em estágios iniciais, mas faltam dados prognósticos em pacientes sem sintomas7 de IC. Além disso, não se sabe se os pacientes assintomáticos se beneficiam do início precoce dos estabilizadores da transtirretina (TTR).

O objetivo do estudo, portanto, foi descrever a história natural e o prognóstico6 da ATTR-CM em pacientes sem sintomas7 de IC.

As características clínicas e os resultados de pacientes com ATTR-CM sem sintomas7 de IC foram coletados retrospectivamente em 6 centros internacionais de amiloidose10.

Um total de 118 pacientes (78,8% homens, idade mediana 66 anos [IQR: 53,8-75 anos], 68 [57,6%] com amiloidose10 por transtirretina variante, fração de ejeção ventricular esquerda média 60,5% ± 9,9%, espessura média da parede ventricular esquerda 15,4 ± 3,1 mm e 53 [45%] tratados com estabilizadores de TTR no início ou durante o acompanhamento) foram incluídos.

Durante um período médio de acompanhamento de 3,7 anos (IQR: 1-6 anos), 38 pacientes desenvolveram sintomas7 de IC (23 classe funcional II da New York Heart Association e 14 classe funcional III ou IV), 32 morreram e 2 necessitaram de transplante cardíaco. Além disso, 20 pacientes receberam marcapassos, 13 desenvolveram FA e 1 teve AVC.

A sobrevida8 geral foi de 96,5% (IC 95%: 91%-99%), 90,4% (IC 95%: 82%-95%) e 82% (IC 95%: 71%-89%) em 1, 3, e 5 anos, respectivamente.

O tratamento com estabilizadores de TTR foi associado a uma melhor sobrevida8 (HR: 0,31; IC 95%: 0,12-0,82; P = 0,019) e permaneceu significativo após o ajuste para sexo, idade, tipo de ATTR-CM e taxa de filtração glomerular estimada (HR: 0,18; IC 95%: 0,06-0,55; P = 0,002).

O estudo concluiu que, após um período médio de acompanhamento de 3,7 anos, 1 em cada 3 pacientes com cardiomiopatia amiloide por transtirretina assintomática desenvolveu sintomas7 de insuficiência cardíaca2 e quase o mesmo número morreu ou necessitou de transplante cardíaco. O tratamento com estabilizadores da transtirretina foi associado a um melhor prognóstico6.

Veja também sobre "Cardiopatias congênitas13".

 

Fontes:
JACC: CardioOncology, Vol. 4, Nº 4, em novembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 16 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo apoia tratamento da amiloidose cardíaca precoce mesmo em pacientes assintomáticos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1430175/estudo-apoia-tratamento-da-amiloidose-cardiaca-precoce-mesmo-em-pacientes-assintomaticos.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
2 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
9 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
10 Amiloidose: Amiloidose constitui um grupo de doenças nas quais certas proteínas, que normalmente seriam solúveis, se depositam extracelularmente nos tecidos na forma de fibrilas insolúveis.
11 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
12 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
13 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
Gostou do artigo? Compartilhe!