Gostou do artigo? Compartilhe!

Mesmo o hipertireoidismo subclínico pode enfraquecer os ossos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O hipertireoidismo1 subclínico pode ser um fator de risco2 independente para fraturas, segundo um estudo de coorte3 baseado na comunidade. Adultos com níveis suprimidos de tireotropina, mas tiroxina livre normal, tiveram maior risco de fratura4.

Na análise de quase 11.000 indivíduos de meia-idade, ter hipertireoidismo1 subclínico foi associado a um risco 34% maior de fratura4 subsequente em comparação com aqueles com eutireoidismo durante um acompanhamento médio de 21 anos, de acordo com Stephen P. Juraschek, MD, PhD, do Beth Israel Deaconess Medical Center em Boston, Estados Unidos, e colegas.

Comparado com aqueles com níveis normais de tireotropina e tiroxina livre, no entanto, o risco de fratura4 não foi associado ao hipotireoidismo5 subclínico, o grupo relatou no artigo publicado no JAMA Network Open.

Os modelos foram ajustados para vários fatores, incluindo idade, sexo, raça, diabetes6, menopausa7, índice de massa corporal8 e níveis de vitamina9 D.

Durante o acompanhamento de duas décadas, houve um total de 3.556 novas fraturas registradas (167,1 fraturas por 10.000 pessoas-ano). A taxa de fraturas incidentes10 por 10.000 pessoas-ano foi:

  • 192,7 para aqueles com hipertireoidismo1 subclínico
  • 180,8 para aqueles com hipotireoidismo5 subclínico
  • 165,8 para aqueles com eutireoidismo

Os locais de fratura4 mais comuns foram quadril (14,1%) e coluna vertebral11 (13,8%). Hospitalizações relacionadas a fraturas também foram muito mais comuns entre aqueles com níveis de tireotropina abaixo de 0,56 mIU/L.

Saiba mais sobre "Avaliação da tireoide12", "Hipertireoidismo1 e suas características" e "O que é TSH".

“Aqueles com níveis de tireotropina levemente suprimidos (0,1 mIU/L a <0,56 mIU/L) podem se beneficiar ao serem identificados como um grupo de alto risco por meio de uma triagem mais agressiva”, sugeriram os pesquisadores.

“A descoberta também apoia a recomendação existente, que é tratar todos os pacientes com 65 anos ou mais com hipertireoidismo1 subclínico quando o nível de tireotropina é persistentemente inferior a 0,1 mIU/L para a prevenção de doença mineral óssea”, escreveram os pesquisadores. Eles acrescentaram que “os resultados apontam uma necessidade potencial de monitoramento mais próximo daqueles com um nível de tireotropina entre 0,1 e 0,56 mIU/L para prevenir a reabsorção óssea”.

No artigo, os pesquisadores relatam que o hipertireoidismo1 clínico acelera a reabsorção óssea sem formação óssea compensatória, reduzindo a densidade óssea e aumentando o risco de fratura4. A associação entre hipertireoidismo1 subclínico e risco de fratura4 é menos clara.

O objetivo, portanto, foi investigar a associação de disfunção tireoidiana subclínica endógena e risco de fratura4, independente de fatores de confusão clínicos.

Este estudo de coorte3 incluiu 10.946 participantes do Estudo de Risco de Aterosclerose13 em Comunidades, um estudo de coorte3 prospectivo14 em andamento de indivíduos residentes na comunidade conduzido de 1987-1989 até 31 de dezembro de 2019, nos Estados Unidos. Os participantes não estavam tomando medicamentos para a tireoide12 e não tinham histórico de fraturas.

Os níveis de tireotropina e tiroxina livre foram medidos na consulta 2 (1990-1992). O hipertireoidismo1 subclínico foi definido como um nível de tireotropina inferior a 0,56 mIU/L; o hipotireoidismo5 subclínico como um nível de tireotropina superior a 5,1 mUI/L; e o eutireoidismo como um nível de tireotropina de 0,56 a 5,1 mUI/L, com níveis normais de tiroxina livre de 0,85 a 1,4 ng/dL.

A fratura4 incidente15 foi verificada usando códigos de alta hospitalar até 2019 e vinculação a reivindicações do Medicare para pacientes16 internados e ambulatoriais até 2018.

Dos 10.946 participantes (54,3% mulheres; idade média [DP], 57 [5,7] anos), 93,0% apresentavam eutireoidismo, 2,6% hipertireoidismo1 subclínico e 4,4% hipotireoidismo5 subclínico. Durante um acompanhamento médio de 21 anos (IQR, 13,0-27,3 anos), ocorreram 3.556 fraturas incidentes10 (167,1 por 10.000 pessoas-ano).

As taxas de risco ajustadas de fratura4 foram 1,34 (IC 95%, 1,09-1,65) para aqueles com hipertireoidismo1 subclínico e 0,90 (IC 95%, 0,77-1,05) para aqueles com hipotireoidismo5 subclínico em comparação com indivíduos com eutireoidismo.

Entre aqueles com níveis normais de tiroxina livre, os níveis de tireotropina na faixa abaixo do normal foram significativamente associados a maior risco de hospitalização relacionada à fratura4; o risco de fratura4 foi maior entre os indivíduos com concentrações de tireotropina abaixo de 0,56 mIU/L.

Este estudo de coorte3 baseado na comunidade sugere que o hipertireoidismo1 subclínico foi um fator de risco2 independente associado à fratura4. O aumento do risco de fratura4 entre indivíduos com nível de tireotropina inferior a 0,56 mIU/L destaca um papel potencial para triagem e monitoramento mais agressivos de pacientes com hipertireoidismo1 subclínico para prevenir doença mineral óssea.

Leia sobre "Fratura4 óssea", "Osteólise" e "Hipotireoidismo5 subclínico".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 08 de novembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de novembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Mesmo o hipertireoidismo subclínico pode enfraquecer os ossos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1429385/mesmo-o-hipertireoidismo-subclinico-pode-enfraquecer-os-ossos.htm>. Acesso em: 1 dez. 2022.

Complementos

1 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
2 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Fratura: Solução de continuidade de um osso. Em geral é produzida por um traumatismo, mesmo que possa ser produzida na ausência do mesmo (fratura patológica). Produz como sintomas dor, mobilidade anormal e ruídos (crepitação) na região afetada.
5 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
8 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
10 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Coluna vertebral:
12 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
13 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
14 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
15 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
16 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
Gostou do artigo? Compartilhe!