Gostou do artigo? Compartilhe!

Uma sigmoidoscopia proporciona até 21% de redução a longo prazo na incidência de câncer colorretal e morte

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O rastreamento por sigmoidoscopia reduz a incidência1 a longo prazo de câncer2 colorretal (CCR) e mortalidade3, de acordo com dados agrupados de quatro estudos randomizados.

Na análise de quase 275.000 participantes, a incidência1 cumulativa de CCR em 15 anos foi 21% menor entre os convidados para rastreamento em comparação com um grupo que recebeu cuidados habituais, em 1,84 versus 2,35 casos por 100 pessoas, relataram Frederik Juul, MD, do Hospital Universitário de Oslo, na Noruega, e colegas.

A mortalidade3 específica do câncer2 colorretal também foi menor para o grupo de rastreamento, em 0,51 versus 0,65 mortes por 100 pessoas, correspondendo a uma redução de 20% em 15 anos.

Os benefícios do rastreamento foram consistentes para todas as idades iniciais (55-64 anos nos estudos), foram mais aparentes em homens e foram principalmente confinados a cânceres do cólon4 distal5, escreveram os autores no artigo publicado na revista Annals of Internal Medicine.

“O benefício a longo prazo de um único procedimento foi provavelmente o que mais nos surpreendeu”, disse Juul. “Não apenas a incidência1 cumulativa e a mortalidade3 foram menores em indivíduos rastreados 15 anos após o procedimento, mas a incidência1 anual foi consistentemente menor em indivíduos rastreados (em comparação com os cuidados habituais), mesmo no final do período de acompanhamento”.

A mortalidade3 por todas as causas também foi significativamente menor, segundo os pesquisadores, em 14,3 mortes por 100 pessoas no grupo de rastreamento versus 14,6 mortes por 100 pessoas com cuidados habituais.

Saiba mais sobre "Câncer2 Colorretal" e "Retossigmoidoscopia6 - como é o procedimento".

O estudo “ajuda ainda mais nossa narrativa de que o rastreamento é uma ferramenta importante e que ajuda a identificar o câncer2 colorretal precocemente, o que é o ideal”, disse Allen Kamrava, MD, do Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles, EUA.

“No entanto, o estudo se concentra na sigmoidoscopia, e faz isso sem levar em conta os novos métodos de rastreamento, incluindo o teste imunoquímico fecal (TIF) de DNA, que está sendo usado cada vez mais”, disse Kamrava, que não esteve envolvido no estudo. “No geral, confirma o que todos sabemos – que o rastreamento funciona – mas acredito que corre o risco de priorizar sigmoidoscopias sobre colonoscopias e TIF”.

David Greenwald, MD, do Mount Sinai Hospital em Nova York, que não esteve envolvido no estudo, apontou que a sigmoidoscopia examina apenas um segmento do cólon4 e pode perder lesões7 no resto do cólon4, “e é por isso que a maioria das diretrizes favorecem a colonoscopia8.”

No artigo, os pesquisadores contextualizam que a eficácia do rastreamento do câncer2 colorretal (CCR) por sexo e idade em estudos randomizados é incerta.

O objetivo do presente estudo, portanto, foi avaliar o efeito de 15 anos do rastreamento por sigmoidoscopia na incidência1 e mortalidade3 do CCR.

Foi realizada uma análise conjunta de 4 estudos randomizados em larga escala de rastreamento por sigmoidoscopia na Noruega, nos Estados Unidos, no Reino Unido e na Itália. Os participantes incluíam mulheres e homens com idade entre 55 e 64 anos no momento da inscrição que fizeram um rastreamento por sigmoidoscopia.

Os desfechos primários foram a razão de taxa de incidência1 (IRR) e a razão de taxa de mortalidade3 (MRR) cumulativas e as diferenças de taxa após 15 anos de acompanhamento comparando rastreamento versus cuidados usuais em análises de intenção de tratar. Análises estratificadas foram feitas por sexo, local do câncer2 e idade no rastreamento.

As análises incluíram 274.952 pessoas (50,7% mulheres), 137.493 no grupo de rastreamento e 137.459 no grupo de cuidados habituais. O comparecimento ao rastreamento foi de 58% a 84%.

Após 15 anos, a diferença da taxa de incidência1 de CCR foi de 0,51 casos (IC 95%, 0,40 a 0,63 casos) por 100 pessoas e a IRR foi de 0,79 (IC, 0,75 a 0,83).

A diferença da taxa de mortalidade3 por CCR foi de 0,13 mortes (IC, 0,07 a 0,19 mortes) por 100 pessoas, e a MRR foi de 0,80 (IC, 0,72 a 0,88).

As mulheres tiveram menos benefícios do rastreamento do que os homens para incidência1 de CCR (IRR para mulheres, 0,84 [IC, 0,77 a 0,91]; IRR para homens, 0,75 [IC, 0,70 a 0,81]; P = 0,032 para diferença) e para mortalidade3 (MRR para mulheres, 0,91 [IC, 0,77 a 1,17]; MRR para homens, 0,73 [IC, 0,64 a 0,83]; P = 0,025 para diferença).

Não houve diferença estatisticamente significativa no efeito do rastreamento entre pessoas de 55 a 59 anos e aquelas de 60 a 64 anos.

A limitação do estudo foi o fato de os dados do ensaio do Reino Unido serem menos granulares devido às regulamentações de privacidade.

Esta análise conjunta de todos os grandes ensaios randomizados de rastreamento por sigmoidoscopia demonstra um efeito significativo e sustentado da sigmoidoscopia na incidência1 e mortalidade3 do câncer2 colorretal por 15 anos.

Leia sobre "Colonoscopia8: como é o exame" e "Câncer2 - informações importantes".

 

Fontes:
Annals of Internal Medicine, publicação em 11 de outubro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 10 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Uma sigmoidoscopia proporciona até 21% de redução a longo prazo na incidência de câncer colorretal e morte. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427915/uma-sigmoidoscopia-proporciona-ate-21-de-reducao-a-longo-prazo-na-incidencia-de-cancer-colorretal-e-morte.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Cólon:
5 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
6 Retossigmoidoscopia: Exploração visual do reto e da porção terminal do intestino grosso através de um instrumento de fibra óptica (retossigmoidoscópio). Permite também a obtenção de biópsias da mucosa intestinal.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Colonoscopia: Estudo endoscópico do intestino grosso, no qual o colonoscópio é introduzido pelo ânus. A colonoscopia permite o estudo de todo o intestino grosso e porção distal do intestino delgado. É um exame realizado na investigação de sangramentos retais, pesquisa de diarreias, alterações do hábito intestinal, dores abdominais e na detecção e remoção de neoplasias.
Gostou do artigo? Compartilhe!