Gostou do artigo? Compartilhe!

Células cancerígenas se escondem dentro de outras células cancerígenas para escapar do sistema imunológico

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores descobriram que células1 de alguns tipos de câncer2 escaparam da destruição pelo sistema imunológico3 escondendo-se dentro de outras células1 cancerígenas.

A descoberta, eles sugeriram em um artigo publicado na revista eLife, pode explicar por que alguns cânceres podem ser resistentes a tratamentos que deveriam tê-los destruído.

A pesquisa começou quando Yaron Carmi, professor assistente da Universidade de Tel Aviv, e Amit Gutwillig, então estudante de doutorado do laboratório de Carmi, estudavam quais células1 T do sistema imunológico3 poderiam ser as mais potentes para matar cânceres. Eles começaram com experimentos de laboratório que examinaram melanoma4 resistente ao tratamento e câncer2 de mama5 em camundongos, estudando por que um ataque de células1 T que foram projetadas para destruir esses tumores não os destruiu.

Eles estavam analisando inibidores de checkpoint imunológico, um tipo específico de terapia contra o câncer2. A terapia envolve a remoção de proteínas6 que normalmente bloqueiam as células1 T de atacar tumores e é usada para tratar uma variedade de cânceres, incluindo melanoma4, câncer2 de cólon7 e câncer2 de pulmão8. Mas às vezes, depois que um tumor9 parece ter sido derrotado pelas células1 T, ele se recupera.

Dr. Carmi, que adora olhar para as células1 sob microscópios, começou a observar os tumores enquanto as células1 T os atacavam. “Eu queria ver o momento real em que os tumores são destruídos”, disse ele.

Toda vez, porém, ele via algumas células gigantes10 que permaneciam depois que as células1 T haviam feito seu trabalho. “Eu não tinha certeza do que era, então pensei em dar uma olhada mais de perto”, disse ele.

Leia sobre "Câncer2 - informações importantes" e "Conheça o sistema imunológico3".

As células gigantes10 acabaram sendo células1 cancerígenas que abrigavam outras células1 cancerígenas, protegendo-as da destruição. Uma vez que as células1 cancerosas escaparam para seus esconderijos, as células1 T não conseguiram chegar até elas, mesmo que o sistema imunológico3 matasse as células1 cancerígenas que serviam como abrigos celulares.

As células1 cancerosas, disse o Dr. Carmi, podem permanecer escondidas “por semanas ou meses”. Quando ele removeu as células1 T das placas11 de Petri, as células1 cancerosas saíram de seus abrigos.

Ele olhou para células1 humanas de câncer2 de mama5, câncer2 de cólon7 e melanomas e viu o mesmo fenômeno. Mas os cânceres de sangue12 e glioblastomas, os cânceres cerebrais mortais, não formaram as estruturas célula13-em-célula13.

Talvez, raciocinou o Dr. Carmi, seja possível evitar que as células1 cancerosas se refugiem. Ele decidiu examinar os genes envolvidos nesse mecanismo de defesa. O bloqueio desses genes, ele descobriu, também bloqueou a capacidade das células1 T de atacar os tumores.

“Percebi que este é o limite do que o sistema imunológico3 pode fazer”, disse o Dr. Carmi. “Nosso sistema imunológico3 não pode vencer.”

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem como essa formação transitória célula13-em-célula13 é subjacente à recidiva14 do tumor9 e à resistência à imunoterapia.

Eles contextualizam que, apesar do notável sucesso das imunoterapias contra o câncer2, a maioria dos pacientes experimentará apenas uma resposta parcial seguida de recidiva14 de tumores resistentes.

Embora a resistência ao tratamento tenha sido frequentemente atribuída à seleção clonal e imunoedição, as comparações de tumores primários e recidivados emparelhados em melanoma4 e câncer2 de mama5 indicam que eles compartilham a maioria dos clones.

Neste estudo, demonstrou-se em modelos de camundongos e amostras clínicas humanas que as células1 tumorais evitam a imunoterapia gerando estruturas célula13-em-célula13 transitórias únicas, que são resistentes à morte por células1 T e quimioterapias.

Enquanto as células1 externas nesta formação célula13-em-célula13 são frequentemente mortas por células1 T reativas, as células1 internas permanecem intactas e se disseminam em células1 tumorais únicas quando as células1 T não estão mais presentes.

Essa formação é mediada predominantemente por células1 T ativadas por IFNγ, que posteriormente induzem a fosforilação dos fatores de transcrição transdutor de sinal15 e ativador de transcrição 3 (STAT3) e resposta de crescimento precoce-1 (EGR-1) em células1 tumorais.

De fato, a inibição desses fatores antes da imunoterapia melhora significativamente sua eficácia terapêutica16.

No geral, este trabalho destaca uma limitação atualmente intransponível da imunoterapia e revela um mecanismo de resistência anteriormente desconhecido que permite que as células1 tumorais sobrevivam à morte imunomediada sem alterar sua imunogenicidade.

Veja também sobre "Imunoterapia" e "Quimioterapia17".

 

Fontes:
eLife, publicação em 20 de setembro de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 29 de setembro de 2022.

 

Créditos da imagem: Yaron Carmi e Amit Gutwilling, The Carmi Lab / Tel Aviv University

 

NEWS.MED.BR, 2022. Células cancerígenas se escondem dentro de outras células cancerígenas para escapar do sistema imunológico. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427085/celulas-cancerigenas-se-escondem-dentro-de-outras-celulas-cancerigenas-para-escapar-do-sistema-imunologico.htm>. Acesso em: 3 fev. 2023.

Complementos

1 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
4 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
5 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
7 Cólon:
8 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
9 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
10 Células Gigantes: Massas multinucleares produzidas pela fusão de muitas células; freqüentemente associadas com infecções virais. Na AIDS, há indução destas células quando o envelope glicoproteico do vírus HIV liga-se ao antígeno CD4 de células T4 vizinhas não infectadas. O sincício resultante leva à morte celular explicando então o efeito citopático do vírus.
11 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
12 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
13 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
14 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
15 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
16 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
17 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
Gostou do artigo? Compartilhe!