Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo sugere possível ligação entre adoçantes artificiais e doenças cardíacas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Embora os adoçantes artificiais possam parecer uma boa alternativa ao açúcar1 para reduzir a ingestão calórica, um estudo publicado no The British Medical Journal sugere que pode haver uma conexão entre esses adoçantes e um risco aumentado de doença cardiovascular (DCV), incluindo acidente vascular cerebral2.

A pesquisa, conduzida pelo Instituto Nacional Francês de Saúde3 e Pesquisa Médica, não é o primeiro estudo a sugerir uma conexão entre adoçantes artificiais e aumento do risco de doenças cardíacas, no entanto, é o maior até o momento. O estudo incluiu dados de mais de 100.000 participantes.

O estudo começou em 2009 com o lançamento da NutriNet-Santé e-cohort. As pessoas interessadas em participar do “maior estudo de nutrição4 do mundo” podiam se inscrever online.

Mais de 170.000 se inscreveram para o estudo, e os pesquisadores reduziram seu escopo para 103.388. Os participantes escolhidos incluíram pessoas com 18 anos ou mais, além de pessoas que preencheram questionários relacionados a “alimentação, saúde3, dados antropométricos, estilo de vida e dados sociodemográficos e atividade física”.

Ao longo dos anos seguintes, os pesquisadores coletaram periodicamente informações dos participantes, como todos os alimentos e bebidas consumidos durante um período de 24 horas. Para garantir que os participantes estivessem sendo precisos com seus registros de alimentos, os pesquisadores exigiram que eles enviassem fotos.

Além disso, os participantes também relataram seu consumo de adoçante artificial. Os pesquisadores queriam saber a quantidade e a marca do adoçante.

Leia sobre "Adoçantes: prós e contras" e "Sete passos para um coração5 saudável".

Aproximadamente 37% dos participantes relataram usar adoçantes artificiais, sendo os participantes divididos em não consumidores, consumidores inferiores (consumo de adoçante artificial abaixo da mediana) e consumidores maiores (consumo de adoçante artificial acima da mediana). Os participantes consumiram em média 42,46 mg/dia. Eles consumiram os seguintes tipos de adoçantes artificiais:

  • aspartame6
  • acessulfame de potássio
  • sucralose
  • ciclamatos
  • sacarina7
  • taumatina
  • neohesperidina dihidrochalcona
  • glicosídeos de esteviol
  • sal de aspartame6-acessulfame de potássio

Os pesquisadores também coletaram outras informações de saúde3 dos participantes ao longo da duração do estudo, incluindo informações de “quaisquer novos eventos de saúde3, tratamentos médicos e exames”. Além disso, os participantes forneceram documentação de quaisquer relatórios de DCV.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que eram maiores consumidores de adoçantes artificiais tinham um risco aumentado de doença cardiovascular em comparação com os não consumidores.

Os participantes relataram 1.502 eventos cardiovasculares durante o acompanhamento, incluindo 730 eventos de doença coronariana8 e 777 eventos de doença cerebrovascular9.

Os maiores consumidores de adoçantes artificiais experimentaram 346 eventos por 100.000 pessoas-ano e os não consumidores experimentaram 314 eventos por 100.000 pessoas-ano.

“Nossos resultados indicam que esses aditivos alimentares, consumidos diariamente por milhões de pessoas e presentes em milhares de alimentos e bebidas, não devem ser considerados uma alternativa saudável e segura ao açúcar1, em consonância com a posição atual de vários órgãos de saúde”, escreve o autor.

Os autores observaram que não acreditam que o uso ocasional de adoçantes artificiais seja tão problemático quanto o uso diário. “O consumo ocasional de adoçantes artificiais provavelmente não terá um forte impacto no risco de DCV e, portanto, mesmo que algum consumo tenha sido perdido, provavelmente teria um baixo impacto nos resultados do estudo”.

Além disso, os autores observaram que três adoçantes artificiais em particular estavam associados a maiores riscos.

Segundo os autores, “a ingestão de aspartame6 foi associada ao aumento do risco de eventos cerebrovasculares, e o acessulfame de potássio e a sucralose foram associados ao aumento do risco de doença coronariana”.

Veja também sobre "Doenças cardiovasculares10" e "Doenças cerebrovasculares".

No artigo, os pesquisadores relatam que o objetivo era estudar as associações entre adoçantes artificiais de todas as fontes alimentares (bebidas, mas também adoçantes de mesa, laticínios, etc.), em geral e por molécula (aspartame6, acessulfame de potássio e sucralose) e risco de doenças cardiovasculares10 (geral, doença coronariana8 e doença cerebrovascular9).

O estudo de coorte11 prospectivo12 baseado na população (2009-2021) foi realizado na França. A pesquisa de prevenção primária incluiu 103.388 participantes da coorte13 NutriNet-Santé baseada na web (idade média 42,2±14,4 anos, 79,8% do sexo feminino, 904.206 pessoas-ano). A ingestão alimentar e o consumo de adoçantes artificiais foram avaliados por registros alimentares repetidos de 24 horas, incluindo marcas de produtos industriais.

Os principais desfechos foram associações entre adoçantes (codificados como uma variável contínua, log10 transformado) e risco de doença cardiovascular, avaliado por modelos de risco de Cox ajustados multivariáveis.

A ingestão total de adoçante artificial foi associada ao aumento do risco de doenças cardiovasculares10 (1.502 eventos, razão de risco 1,09, intervalo de confiança de 95% 1,01 a 1,18, P = 0,03); a taxa de incidência14 absoluta em consumidores maiores (acima da mediana específica do sexo) e não consumidores foi de 346 e 314 por 100.000 pessoas-ano, respectivamente.

Os adoçantes artificiais foram mais particularmente associados ao risco de doença cerebrovascular9 (777 eventos, 1,18, 1,06 a 1,31, P = 0,002; taxas de incidência14 de 195 e 150 por 100.000 pessoas-ano em consumidores maiores e não consumidores, respectivamente).

A ingestão de aspartame6 foi associada ao aumento do risco de eventos cerebrovasculares (1,17, 1,03 a 1,33, P = 0,02; taxas de incidência14 de 186 e 151 por 100.000 pessoas-ano em consumidores maiores e não consumidores, respectivamente), e acessulfame de potássio e sucralose foram associados com aumento risco de doença coronariana8 (730 eventos; acessulfame de potássio: 1,40, 1,06 a 1,84, P = 0,02; taxas de incidência14 167 e 164; sucralose: 1,31, 1,00 a 1,71, P = 0,05; taxas de incidência14 271 e 161).

Os achados deste estudo de coorte11 prospectivo12 em larga escala sugerem uma potencial associação direta entre maior consumo de adoçantes artificiais (especialmente aspartame6, acessulfame de potássio e sucralose) e aumento do risco de doença cardiovascular.

Os adoçantes artificiais estão presentes em milhares de marcas de alimentos e bebidas em todo o mundo, porém continuam sendo um tema controverso e atualmente estão sendo reavaliados pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar, a Organização Mundial da Saúde3 e outras agências de saúde3.

Saiba mais sobre "Os perigos dos sucos em caixinhas".

 

Fontes:
The British Medical Journal, publicação em 07 de setembro de 2022.
Medical News Today, notícia publicada em 14 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo sugere possível ligação entre adoçantes artificiais e doenças cardíacas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1425515/estudo-sugere-possivel-ligacao-entre-adocantes-artificiais-e-doencas-cardiacas.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
7 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
8 Doença coronariana: Doença do coração causada por estreitamento das artérias que fornecem sangue ao coração. Se o fluxo é cortado, o resultado é um ataque cardíaco.
9 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
10 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
11 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
12 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
13 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
14 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!