Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudos detalham tipos de exercícios que reduzem o risco de demência

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os especialistas acreditavam há muito tempo que o exercício poderia ajudar a proteger contra o desenvolvimento de demência1. No entanto, embora tenham observado um padrão geral de risco reduzido, os estudos sobre o assunto foram pequenos – e muitas vezes conflitantes – com pouco consenso sobre o tipo, frequência ou intensidade do exercício que poderia ser melhor.

“Não há uma receita clara que possamos fornecer para a atividade física”, disse o Dr. Joel Salinas, professor assistente de neurologia da Grossman School of Medicine da Universidade de Nova York, especializado no tratamento de pessoas com demência1.

Mas agora, vários grandes estudos confirmaram que exercícios vigorosos, caminhadas e até mesmo tarefas domésticas podem beneficiar muito o cérebro2.

Três grandes estudos de longo prazo divulgados nos últimos meses tentaram caracterizar os tipos, intensidades e durações de atividade física que conferem a maior proteção geral contra a demência1. Esses estudos, que acompanharam milhares e até centenas de milhares de pessoas por anos, confirmam que a atividade física regular, em muitas formas, desempenha um papel substancial na diminuição do risco de desenvolver demência1.

O exercício vigoroso parece ser o melhor, mas mesmo o exercício não tradicional, como fazer tarefas domésticas, pode oferecer um benefício significativo. E, surpreendentemente, é igualmente eficaz na redução do risco em pessoas com histórico familiar de demência1.

Leia sobre "Atividade física - um hábito adquirido com prazer", "Exercícios aeróbicos" e "Caminhada: o que saber sobre ela".

No primeiro estudo, publicado na revista Neurology, os pesquisadores analisaram as informações de saúde3 de 501.376 participantes que não sofriam de demência1 em um banco de dados britânico chamado UK Biobank para estabelecer ligações entre atividade física e o risco de desenvolver a doença.

Uma das principais vantagens desse banco de dados era que ele tinha “dados muito enriquecidos sobre a genética” dos participantes, disse o Dr. Huan Song, pesquisador do West China Hospital, Universidade de Sichuan, que foi um dos autores do estudo. Isso incluiu um perfil de risco dos participantes com base em se eles tinham variantes genéticas conhecidas por estarem associadas à demência1 ou se tinham familiares imediatos com a doença.

No início do estudo, os participantes preencheram questionários detalhados sobre sua participação em atividades físicas, como praticar esportes, subir escadas ou caminhar, e se caminhavam ou pedalavam regularmente para o trabalho. Eles também foram questionados sobre vários fatores de estilo de vida, incluindo a frequência com que completavam as tarefas domésticas.

Uma das principais limitações de estudos anteriores foi que “a definição de atividade física é bastante fraca”, disse o Dr. Song. “Alguns usam o valor total e alguns se concentram apenas em um modo de atividade.” Os questionários britânicos ofereceram especificidade sobre exatamente quais atividades os participantes estavam participando regularmente.

Os participantes foram acompanhados por 11 anos, durante os quais 5.185 desenvolveram demência1. O estudo descobriu que, em participantes que praticavam atividades regulares e vigorosas, como praticar esportes ou malhar, o risco de desenvolver demência1 foi reduzido em 35%. Surpreendentemente, as pessoas que relataram realizar regularmente as tarefas domésticas também experimentaram um benefício significativo; eles tinham um risco 21% menor.

“Algumas pessoas suam bastante quando estão fazendo tarefas domésticas”, disse Sandra Weintraub, neurologista4 da Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, que não estava associada a este estudo. “Pode ser que, se você fizer três horas de tarefas domésticas, seja tão bom quanto se fizesse 30 minutos de exercícios aeróbicos.”

Para o Dr. Salinas, que recomenda que as pessoas tentem fazer 150 minutos de exercícios de intensidade moderada a alta por semana, os resultados reforçam a ideia de que exercícios regulares moderados a vigorosos podem promover a saúde3 do cérebro2. Cultivar esse hábito de exercício “provavelmente terá um efeito sinérgico muito profundo”, disse ele. “Você ganha muito mais benefícios pelo seu esforço em termos de ajudar a promover sua própria saúde3 por meio da atividade física.”

Talvez o mais encorajador, a associação entre atividade física e um risco reduzido de demência1 se estendeu aos participantes que tinham histórico familiar de demência1.

“É muito importante saber que, se você tem um histórico familiar de demência1, pode usar a atividade física para reduzir o risco”, disse Song.

O segundo artigo, também publicado na revista Neurology, compilou 38 estudos para ver quais atividades de lazer estavam associadas a um risco reduzido de demência1. Ao todo, os estudos acompanharam mais de dois milhões de participantes sem demência1 durante pelo menos três anos, durante os quais 74.700 desenvolveram demência1.

Depois de controlar para idade, educação e gênero, os pesquisadores descobriram que os participantes que se exercitavam regularmente – definido como atividades como caminhar, correr, nadar, dançar, praticar esportes ou malhar na academia – tinham um risco 17% menor de desenvolver demência1 em comparação com aqueles que não o fizeram.

Esta metanálise mostra que a prevenção da demência1 não se limita a uma atividade, ou mesmo a um tipo de atividade. Dada a diversidade de atividades físicas em que os participantes se envolveram, “recomendamos às pessoas fazer o exercício que você gosta”, disse Le Shi, pesquisador da Universidade de Pequim e um dos autores do estudo.

Quando se trata de colher os benefícios da atividade física, nunca é cedo demais para começar. Em um terceiro estudo, publicado no Journal of Science and Medicine in Sport, os pesquisadores acompanharam mais de 1.200 crianças entre 7 e 15 anos por mais de 30 anos. Aqueles com níveis mais altos de condicionamento físico quando crianças apresentaram níveis mais altos de funcionamento cognitivo5 na meia-idade, sugerindo que estabelecer um hábito de atividade física ao longo da vida pode ser benéfico para a saúde3 do cérebro2.

Juntos, esses estudos sugerem que as maneiras como movemos nossos corpos diariamente podem se somar ao longo do tempo. Eles também solidificam a noção de que a atividade física regular e ao longo da vida, em todas as suas formas, contribui muito para reduzir o risco de demência1, mesmo para pessoas classificadas como de alto risco.

“Seu cérebro2 é parte do seu corpo, e vai se beneficiar de qualquer coisa que você faça que seja bom para sua saúde3 geral”, disse Weintraub.

Saiba mais sobre "Demência1", "Demência1 vascular6" e "Mal de Alzheimer7".

Estudo 1 – Atividade física e mental, suscetibilidade a doenças e risco de demência1

A associação entre padrões de atividade física/mental e demência1 e como ela é afetada pela suscetibilidade à doença permanece desconhecida. O objetivo neste estudo foi examinar a associação entre os padrões de atividade física e mental e demência1, e se ela pode ser modificada pela suscetibilidade à demência1.

Em um estudo de coorte8 prospectivo9 baseado no UK Biobank, 501.376 participantes sem demência1 foram recrutados em 2006-2010 e acompanhados de um ano após a data de recrutamento até o final de 2019 para verificação de demência1.

Dados sobre atividade física (ou seja, atividade física no lazer, atividades relacionadas ao trabalho doméstico e transporte) e mental (ou seja, inteligência, contato social e uso de dispositivos eletrônicos) foram coletados usando questionários no recrutamento.

Modelos de Cox foram usados para estimar as associações de itens relacionados à atividade física e mental, bem como os principais padrões de atividade identificados pela análise de componentes principais, com o risco de demência1, ajustado para múltiplos fatores de confusão.

O papel da modificação da suscetibilidade à doença em tais associações foi avaliado por meio de análises estratificadas pelo escore de risco poligênico (ERP) de demência1 gerado com base em estatísticas resumidas de estudos de associação genômica independentes, pelo genótipo10 da apolipoproteína E (APOE) e pelo autorrelato da história familiar de demência1.

A idade média no recrutamento foi de 56,53 anos e 45,60% dos participantes eram do sexo masculino. Durante um seguimento médio de 10,66 anos, foram identificados 5.185 casos de demência1.

Quando analisados separadamente, vários itens estudados relacionados à atividade física e mental mostraram associações significativas com o risco de demência1. As análises de padrões revelaram que maior nível de adesão aos padrões de atividade relacionados a exercícios frequentes vigorosos e outros (taxa de risco [HR] = 0,65, intervalo de confiança [IC] de 95%, 0,59-0,71), atividade relacionada ao trabalho doméstico (0,79, 0,72-0,85) e visita de amigos/família (0,85, 0,75-0,96) foram associados a um menor risco de demência1.

Foram obtidos resultados comparáveis para demência1 vascular6 e doença de Alzheimer11, bem como nas análises estratificadas por ERP para demência1, genótipo10 APOE ou história familiar de demência1.

O estudo concluiu que padrões de atividade mais aderentes a exercícios frequentes vigorosos e outros, atividades relacionadas ao trabalho doméstico e visitas a amigos/família foram associados a um risco reduzido de vários tipos de demência1. Tais associações são independentes da suscetibilidade à doença, destacando o potencial desses padrões de atividade física e mental, como intervenções efetivas, na prevenção primária da demência1.

Estudo 2 – Atividades de lazer e o risco de demência1

As atividades de lazer são os principais componentes de estilos de vida modificáveis e saudáveis e são propostas para ajudar a prevenir o desenvolvimento de demência1. Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos de diferentes tipos de atividades de lazer, incluindo atividades cognitivas, físicas e sociais, na incidência12 de demência1 por todas as causas (DTC), doença de Alzheimer11 (DA) e demência1 vascular6 (DV).

Foi realizada uma revisão sistemática e metanálise dos bancos de dados Cochrane, PubMed, Embase e Web of Science para identificar estudos longitudinais que examinaram associações entre atividades de lazer e demência1.

Riscos relativos (RRs) e intervalos de confiança de 95% (IC 95%) foram agrupados usando metanálise de efeitos aleatórios. Análises de subgrupos foram usadas para estimar potenciais modificadores de efeito.

Um total de 38 estudos longitudinais, com 2.154.818 participantes no início do estudo, 74.700 casos de DTC, 2.848 casos de DA e 1.423 casos de DV durante o acompanhamento, foram incluídos na metanálise.

As análises de subgrupo mostraram que as atividades físicas (RR = 0,83, IC 95%: [0,78-0,88]), cognitivas (RR = 0,77 [0,68-0,87]) e sociais (RR = 0,93 [0,87-0,99]) foram inversamente associadas com incidência12 de DTC.

Além disso, atividades físicas (RR = 0,87 [0,78-0,96]) e cognitivas (RR = 0,66 [0,52-0,85]) foram relacionadas com a redução do risco de DA. A atividade física (RR = 0,67 [0,53-0,85]) foi associada à menor incidência12 de DV.

Os achados sugerem que as atividades de lazer estão inversamente associadas ao risco de demência1 por todas as causas, doença de Alzheimer11 e demência1 vascular6.

Estudo 3 – Associações longitudinais de perfis de condicionamento físico e de obesidade13 infantil com função cognitiva14 na meia-idade

Conjuntos de baixo condicionamento físico e alta obesidade13 na infância estão associados a piores resultados de saúde3 na vida adulta, no entanto, sua relação com a cognição15 é desconhecida. A identificação desses perfis pode informar estratégias para reduzir o risco de declínio cognitivo5.

Este estudo examinou se perfis específicos de condicionamento físico e obesidade13 infantis estavam associados à cognição15 na meia-idade.

Neste estudo prospectivo9, em 1985, participantes com idades entre 7 e 15 anos do estudo Australian Childhood Determinants of Adult Health foram avaliados quanto ao condicionamento físico (cardiorrespiratório, potência muscular, resistência muscular) e antropometria (relação cintura-quadril).

Os participantes foram acompanhados entre 2017 e 2019 (39-50 anos de idade). Compostos de atenção-velocidade psicomotora16, memória de trabalho17 e de aprendizagem e cognição15 global foram avaliados usando a bateria computadorizada CogState.

A análise do perfil latente foi usada para derivar perfis mutuamente exclusivos com base no condicionamento físico e na antropometria. Análises de regressão linear examinaram as associações entre o perfil da infância e a cognição15 da meia-idade, ajustando-se para idade, sexo e nível de educação.

1.244 participantes foram incluídos (idade: 44,4±2,6 [média±DP] anos, 53% do sexo feminino). Em comparação com aqueles com os mais altos níveis de condicionamento físico e menor relação cintura-quadril, três perfis diferentes caracterizados por combinações de condicionamento cardiorrespiratório, resistência muscular e potência mais baixos foram associados a uma menor atenção psicomotora16 na meia-idade (até -1,09 [-1,92, -0,26] DP) e menor cognição15 global (até -0,71 [-1,41, -0,01) DP). Nenhuma associação foi detectada com a memória de trabalho17 e de aprendizagem.

O estudo concluiu que estratégias que melhoram o baixo condicionamento físico e diminuem os níveis de obesidade13 na infância podem contribuir para melhorias no desempenho cognitivo18 na meia-idade.

Veja também sobre "Distúrbio neurocognitivo", "Doenças degenerativas19" e "Quando a perda de memória não é normal".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 27 de julho de 2022.
Neurology, publicação em 10 de agosto de 2022.
Journal of Science and Medicine in Sport, Vol. 25, Nº 8, em agosto de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 15 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudos detalham tipos de exercícios que reduzem o risco de demência. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1425160/estudos-detalham-tipos-de-exercicios-que-reduzem-o-risco-de-demencia.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Neurologista: Médico especializado em problemas do sistema nervoso.
5 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
6 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
7 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
8 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
9 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
10 Genótipo: Composição genética de um indivíduo, ou seja, os genes que ele tem.
11 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
12 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
13 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
14 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
15 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
16 Psicomotora: Própria ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
17 Memória de trabalho: Atua no momento em que a informação está sendo adquirida, retendo a informação por alguns segundos e, então, a destinando a ser guardada por períodos mais longos ou a ser descartada. A memória de trabalho pode, ainda, armazenar dados por via inconsciente. Difere da memória de curto prazo pois esta trabalha com as informações por algumas horas até que sejam gravadas de forma definitiva.
18 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
19 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!