Gostou do artigo? Compartilhe!

Preservação da fertilidade não foi associada a mortalidade ou recidiva no câncer de mama

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A preservação da fertilidade com ou sem estimulação hormonal não foi associada à mortalidade1 específica da doença ou recidiva2 em mulheres com câncer3 de mama4, segundo um estudo de coorte5 prospectivo6 nacional sueco publicado no JAMA Oncology.

Entre mais de 1.200 mulheres, a mortalidade1 específica da doença foi semelhante em mulheres submetidas à preservação hormonal da fertilidade, mulheres submetidas à preservação não hormonal da fertilidade e aquelas que não foram expostas à preservação da fertilidade após o ajuste para possíveis fatores de confusão.

Além disso, na subcoorte de 723 mulheres com informações detalhadas sobre recidiva2, não houve diferença estatisticamente significativa na taxa de recidiva2 ou morte entre as mulheres submetidas à preservação hormonal da fertilidade e aquelas que foram submetidas a tratamento não hormonal de preservação da fertilidade.

As taxas de sobrevida7 específica do câncer3 de mama4 em 5 anos foram de 96%, 93% e 90% nos grupos de preservação hormonal da fertilidade, preservação não hormonal da fertilidade e grupos não expostos, respectivamente, e as estimativas de 10 anos foram de 88%, 90% e 81%.

As taxas de sobrevida7 livre de recidiva2 em 5 anos foram de 89%, 83% e 82%, respectivamente, e as estimativas de 10 anos foram de 82%, 80% e 73%.

Leia sobre "Diferença entre infertilidade8 e esterilidade9" e "Infertilidade8 feminina".

“Os resultados deste estudo fornecem evidências adicionais muito necessárias sobre a segurança dos procedimentos de preservação da fertilidade em mulheres10 com câncer3 de mama4 e podem influenciar a prática atual de cuidados de saúde11 em benefício de mulheres jovens que desejam preservar sua fertilidade”, concluíram os autores. “Mulheres diagnosticadas com câncer3 de mama4 durante seus anos reprodutivos devem ser encaminhadas, quando interessadas, para aconselhamento de fertilidade e receber as informações disponíveis sobre a segurança dos procedimentos oferecidos”.

O câncer3 de mama4 (CM) é a indicação mais comum para preservação da fertilidade (PF) em mulheres em idade reprodutiva. Os procedimentos para PF geralmente incluem estimulação hormonal, mas os dados atuais são escassos sobre se o uso de estimulação hormonal para PF está associado a alguma deterioração no prognóstico12 do CM.

O objetivo deste estudo, portanto, foi investigar o risco de mortalidade1 específica da doença e recidiva2 em mulheres que realizaram PF com ou sem estimulação hormonal em comparação com mulheres que não o fizeram no momento do diagnóstico13 de CM.

Este estudo de coorte5 prospectivo6 nacional sueco foi realizado para avaliar a segurança dos procedimentos de PF hormonais e não hormonais indicados por CM na Suécia de 1º de janeiro de 1994 a 30 de junho de 2017.

As mulheres foram identificadas em qualquer um dos programas regionais de PF localizados em hospitais universitários suecos. Um total de 425 mulheres foram submetidas à PF, e 850 comparadoras populacionais que não foram submetidas à PF foram amostradas de registros regionais de CM e pareadas por idade, período de diagnóstico13 e região.

A sobrevida7 livre de recidiva2 foi avaliada em uma subcoorte de 241 mulheres submetidas à PF e 482 mulheres que não o fizeram, com dados completos. Registros demográficos e de saúde11 em todo o país forneceram dados sobre desfecho, variáveis relacionadas à doença e ao tratamento e características socioeconômicas. As análises dos dados foram realizadas entre novembro de 2021 e março de 2022 e concluídas em junho de 2022.

Os principais desfechos e medidas foram recidiva2 e mortalidade1 específica da doença após o diagnóstico13 de CM.

A população final do estudo incluiu 1.275 mulheres (média [DP] idade, 32,9 [3,8] anos) no momento do diagnóstico13 de CM. Após estratificação pelas variáveis de correspondência idade, período do calendário e região e ajuste para país de nascimento, educação, paridade no diagnóstico13, tamanho do tumor14, número de metástases15 linfonodais e status do receptor de estrogênio, a mortalidade1 específica da doença foi semelhante em mulheres submetidas à PF hormonal (taxa de risco ajustada [aHR], 0,59; IC 95%, 0,32-1,09), mulheres submetidas à PF não hormonal (aHR, 0,51; IC 95%, 0,20-1,29) e mulheres não expostas à PF (referência).

Em uma subcoorte com dados detalhados sobre recidiva2, a taxa ajustada de mortalidade1 específica da doença e recidiva2 também foram semelhantes entre os grupos das que foram submetidas à PF hormonal (aHR, 0,81; IC 95%, 0,49-1,37), submetidas à PF não hormonal (aHR, 0,75; IC 95%, 0,35-1,62), e não foram expostas à PF (referência).

Neste estudo de coorte5, a preservação de fertilidade com ou sem estimulação hormonal não foi associada a nenhum risco aumentado de recidiva2 ou mortalidade1 específica da doença em mulheres com câncer3 de mama4.

Veja também sobre "Câncer3 de mama4", "Alguns conceitos ligados à reprodução16 humana" e "Modulação hormonal".

 

Fontes:
JAMA Oncology, publicação em 25 de agosto de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 25 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Preservação da fertilidade não foi associada a mortalidade ou recidiva no câncer de mama. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1424860/preservacao-da-fertilidade-nao-foi-associada-a-mortalidade-ou-recidiva-no-cancer-de-mama.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
8 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
9 Esterilidade: Incapacidade para conceber (ficar grávida) por meios naturais. Suas causas podem ser masculinas, femininas ou do casal.
10 Fertilidade em Mulheres: Habilidade de engravidar e ter um bebê. Os anos reprodutivos da mulher começam quando ela inicia seus ciclos menstruais durante a puberdade (em torno de 13 anos). A capacidade de ter um filho usualmente acaba em torno dos 45 anos de idade, embora seja potencialmente possível para uma mulher engravidar até que seus ciclos menstruais cessem com a menopausa (por volta dos 51 anos).
11 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
12 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
15 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
16 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!