Gostou do artigo? Compartilhe!

Risco de evento cardiovascular é aumentado nos meses após um surto de gota

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes com gota1 experimentando um surto estavam em maior risco de infarto do miocárdio2 e acidente vascular cerebral3 nos 4 meses seguintes ao surto de gota1, de acordo com um novo estudo publicado no JAMA.

Os resultados do estudo, que envolveu 62.574 pacientes com gota1, demonstram que os pacientes que sofreram um surto de gota1 tiveram quase o dobro do risco de um evento cardiovascular nos 60 dias após o surto, com risco residual observado até 120 dias após o início do surto de gota1.

Leia sobre "Gota1 - o que é" e "O que é ácido úrico".

“Os resultados mostram que, entre os pacientes com gota1, os pacientes que sofreram um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral3 tinham chances significativamente aumentadas de ter tido um surto de gota1 durante os 120 dias anteriores em comparação com os pacientes que não sofreram tais eventos. Essas descobertas sugerem que as crises de gota1 estão associadas a um aumento transitório de eventos cardiovasculares após as crises”, disse o investigador principal Abhishek Abhishek, PhD, professor de reumatologia da Universidade de Nottingham e reumatologista consultor honorário do Hospital Universitário de Nottingham, em um comunicado.

No artigo, os pesquisadores relatam que a gota1 está associada a doenças cardiovasculares4, mas a associação temporal entre crises de gota1 e eventos cardiovasculares não foi investigada.

O objetivo do estudo, portanto, foi investigar se há um aumento transitório no risco de eventos cardiovasculares após um surto recente de gota1.

Um estudo observacional retrospectivo5 foi realizado usando registros eletrônicos de saúde6 do Clinical Practice Research Datalink na Inglaterra entre 1º de janeiro de 1997 e 31 de dezembro de 2020. Um estudo de caso-controle aninhado multivariável foi realizado entre 62.574 pacientes com gota1 e uma série de casos autocontrolada, ajustada para estação e idade, foi realizada entre 1.421 pacientes com crise de gota1 e evento cardiovascular.

Os surtos de gota1 foram verificados usando registros de hospitalização, atendimento ambulatorial de atenção primária e prescrição.

O desfecho primário foi um evento cardiovascular, definido como infarto7 agudo8 do miocárdio9 ou acidente vascular cerebral3. A associação com crises de gota1 anteriores recentes foi medida usando odds ratios (ORs) ajustados com ICs de 95% em um estudo de caso-controle aninhado e razões de taxas de incidência10 (IRRs) ajustadas com ICs de 95% em uma série de casos autocontrolada.

Entre os pacientes com um novo diagnóstico11 de gota1 (idade média, 76,5 anos; 69,3% homens, 30,7% mulheres), 10.475 pacientes com eventos cardiovasculares subsequentes foram pareados com 52.099 pacientes sem eventos cardiovasculares.

Pacientes com eventos cardiovasculares, em comparação com aqueles que não tiveram eventos cardiovasculares, tiveram chances significativamente maiores de surto de gota1 nos últimos 0 a 60 dias (204/10.475 [2,0%] vs 743/52.099 [1,4%]; OR ajustado, 1,93 [IC 95%, 1,57-2,38]) e nos 61 a 120 dias anteriores (170/10.475 [1,6%] vs 628/52.099 [1,2%]; OR ajustado, 1,57 [IC 95%, 1,26-1,96]).

Não houve diferença significativa nas chances de surto de gota1 nos 121 a 180 dias anteriores (148/10.475 [1,4%] vs 662/52.099 [1,3%]; OR ajustado, 1,06 [IC 95%, 0,84-1,34]).

Na série de casos autocontrolados (N = 1.421), as taxas de eventos cardiovasculares por 1.000 pessoas-dias foram 2,49 (IC 95%, 2,16-2,82) dentro dos dias 0 a 60; 2,16 (IC 95%, 1,85-2,47) dentro dos dias 61 a 120; e 1,70 (IC 95%, 1,42-1,98) dentro dos dias 121 a 180 após um surto de gota1, em comparação com taxas de eventos cardiovasculares de 1,32 (IC 95%, 1,23-1,41) por 1.000 pessoas-dias nos 150 dias anteriores ou 181 a 540 dias após o surto de gota1.

Em comparação com 150 dias antes ou 181 a 540 dias após um surto de gota1, as diferenças na taxa de incidência10 de eventos cardiovasculares foram de 1,17 (IC 95%, 0,83-1,52) por 1.000 pessoas-dias, e as IRRs ajustadas foram de 1,89 (IC 95%, 1,54-2,30) dentro dos dias 0 a 60; 0,84 (IC 95%, 0,52-1,17) por 1.000 pessoas-dias e 1,64 (IC 95%, 1,45-1,86) dentro dos dias 61 a 120; e 0,38 (IC 95%, 0,09-0,67) por 1.000 pessoas-dia e 1,29 (IC 95%, 1,02-1,64) dentro dos dias 121 a 180 após um surto de gota1.

O estudo concluiu que, entre os indivíduos com gota1, aqueles que sofreram um evento cardiovascular, em comparação com aqueles que não sofreram tal evento, tiveram chances significativamente maiores de ter tido um surto recente de gota1 nos dias anteriores.

Esses achados sugerem que os surtos de gota1 estão associados a um aumento transitório de eventos cardiovasculares após o surto.

Veja também sobre "Doenças cardiovasculares4" e "Sete passos para um coração12 saudável".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 02 de agosto de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 02 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Risco de evento cardiovascular é aumentado nos meses após um surto de gota. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1422260/risco-de-evento-cardiovascular-e-aumentado-nos-meses-apos-um-surto-de-gota.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
2 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
3 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
8 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
9 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!