Gostou do artigo? Compartilhe!

Sintomas da Covid longa podem incluir perda de cabelo e disfunção sexual

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As pessoas que tiveram COVID relataram uma gama maior de sintomas1 pós-infecção2 aos seus médicos de cuidados primários do que o esperado, mostrou um estudo de coorte3 retrospectivo4 no Reino Unido.

O estudo de 2,4 milhões de registros de saúde5 sugere que o conjunto de 33 sintomas1 de Covid longa, ou síndrome6 pós-Covid, da Organização Mundial da Saúde5 (OMS) pode ser muito limitado.

A OMS define Covid longa como um conjunto de 33 sintomas1 que geralmente se desenvolvem dentro de três meses após uma infecção2 por SARS-CoV-2, com os sintomas1 durando pelo menos dois meses sem explicação alternativa.

No geral, 62 sintomas1 foram significativamente associados a um histórico de infecção2 por SARS-CoV-2 após 12 semanas, relataram os pesquisadores no artigo publicado na revista Nature Medicine.

Os sintomas1 com as maiores razões de risco (HR) ajustadas foram anosmia (HR 6,49), queda de cabelo7 (HR 3,99), espirros (HR 2,77), dificuldade de ejaculação8 (HR 2,63), diminuição da libido9 (HR 2,36), falta de ar em repouso (HR 2,20), fadiga10 (HR 1,92), dor torácica pleurítica (HR 1,86), voz rouca (HR 1,78) e febre11 (HR 1,75).

Vinte dos 62 sintomas1 relatados estavam entre os 33 sintomas1 listados na definição de caso clínico de COVID longa da OMS. No geral, 5,4% das pessoas com COVID e 4,3% das pessoas sem COVID relataram pelo menos um sintoma12 incluído na definição de caso da OMS.

“Exploramos o efeito da Covid-19 em 115 sintomas1, dos quais encontramos 62 sintomas1 associados estatisticamente significativamente à covid-19 12 semanas (ou mais) após a infecção”, disse Anuradhaa Subramanian, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido. “Alguns desses novos sintomas1, como redução da libido9, disfunção sexual e queda de cabelo7, são realmente novos. Eles não haviam sido atribuídos à covid-19 no longo prazo antes.”

Leia sobre "Síndrome6 pós-Covid", "Queda de cabelos - o que acontece" e "Informações sobre ejaculação8".

Subramanian e seus colegas analisaram os registros de saúde5 de 486.149 pessoas no Reino Unido que testaram positivo para covid-19 entre janeiro de 2020 e abril de 2021 – quando a variante alfa era dominante – mas não foram hospitalizadas. Esses registros de atenção primária foram comparados com os de cerca de 1,9 milhão de pessoas que não testaram positivo para covid-19.

Esses pares foram combinados de acordo com uma série de fatores, incluindo idade, sexo, etnia, status socioeconômico, tabagismo, índice de massa corporal13 e quaisquer outras condições de saúde5, como pressão alta.

Os participantes que testaram positivo para covid-19 eram mais propensos a relatar qualquer um dos 62 sintomas1 do estudo por pelo menos 12 semanas após a infecção2, em comparação com aqueles que não haviam testado positivo para covid-19.

“Além da ejaculação8 precoce, atrasada e retrógrada, nossa definição inclui ejaculação8 dolorosa, ejaculação8 tardia e medo da ejaculação”, diz Subramanian.

Como exatamente a covid-19 leva à perda de cabelo7 não está claro, mas isso pode ser desencadeado por outras infecções14, como gripe15 sazonal e eventos estressantes.

“Quando seu corpo está em estado de estresse, isso pode resultar no crescimento de novos cabelos, o que, paradoxalmente, faz com que os cabelos existentes caiam”, diz o co-autor Shamil Haroon, da Universidade de Birmingham. “Esta é uma condição chamada eflúvio telógeno16. O que ocorre não é como a perda de um único pedaço de cabelo7, mas sim uma espécie de perda de cabelo7 generalizada, então esse é um mecanismo potencial para a perda de cabelo7 relacionada à Covid.”

Problemas com ejaculação8 e diminuição da libido9 são comuns em outras condições crônicas, como diabetes17, mas como exatamente a disfunção sexual pode se desenvolver após uma infecção2 viral não é bem compreendido.

“Pessoas com outras doenças crônicas frequentemente experimentam disfunção sexual e encontramos o mesmo com a Covid-19, sugerindo que a Covid-19 é uma doença crônica”, diz Haroon. “Mas não analisamos outras infecções14 virais da mesma forma que analisamos a Covid longa e acho que foi isso que a Covid longa nos fez perceber, que as infecções14 virais não são apenas eventos agudos”.

A análise da equipe também revelou que pessoas com Covid longa tendem a ter um de três tipos da doença. Mais comumente, as pessoas experimentaram uma ampla gama de sintomas1, incluindo fadiga10, erupção18 cutânea19 e dor, que juntos afetaram cerca de 80% dos participantes que tiveram covid-19.

Mais de um em cada 10 (14,2%) apresentava principalmente sintomas1 cognitivos20, incluindo depressão, ansiedade, insônia e confusão mental. E 5,8% dos participantes apresentavam principalmente problemas respiratórios, como tosse, falta de ar e chiado no peito21.

Haroon diz que capturar toda a amplitude dos sintomas1 de Covid longa e entender seus diferentes tipos pode ajudar os médicos a desenvolver melhores planos de tratamento para aqueles com a doença.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como a infecção2 por SARS-CoV-2 está associada a uma série de sintomas1 persistentes que afetam o funcionamento diário, conhecida como síndrome6 pós-COVID-19 ou COVID longa.

Foi realizado um estudo de coorte3 retrospectivo4 usando um banco de dados de cuidados primários do Reino Unido, Clinical Practice Research Datalink Aurum, para determinar os sintomas1 associados à infecção2 confirmada por SARS-CoV-2 para além de 12 semanas em adultos não hospitalizados e os fatores de risco associados a desenvolver sintomas1 persistentes.

Foram selecionados 486.149 adultos com infecção2 confirmada por SARS-CoV-2 e 1.944.580 adultos pareados pelo escore de propensão sem evidências registradas de infecção2 por SARS-CoV-2.

Os resultados incluíram 115 sintomas1 individuais, bem como COVID longa, definida como um resultado composto de 33 sintomas1 pela definição de caso clínico da Organização Mundial da Saúde5.

Modelos de riscos proporcionais de Cox foram usados para estimar as razões de risco ajustadas (aHRs) para os resultados.

Um total de 62 sintomas1 foram significativamente associados à infecção2 por SARS-CoV-2 após 12 semanas. As maiores aHRs foram para anosmia (aHR 6,49, IC 95% 5,02-8,39), queda de cabelo7 (3,99, 3,63-4,39), espirros (2,77, 1,40-5,50), dificuldade de ejaculação8 (2,63, 1,61-4,28) e redução da libido9 (2,36, 1,61-3,47).

Entre a coorte22 de pacientes infectados com SARS-CoV-2, os fatores de risco para COVID longa incluíram sexo feminino, pertencer a uma minoria étnica, privação socioeconômica, tabagismo, obesidade23 e uma ampla gama de comorbidades24.

O risco de desenvolver COVID longa também aumentou ao longo de um gradiente de idade decrescente.

O estudo concluiu que a infecção2 por SARS-CoV-2 está associada a uma abundância de sintomas1 associados a uma série de fatores de risco sociodemográficos e clínicos.

Veja também sobre "Sintomas1 da Covid-19", "Ejaculação8 retrógrada", "Ejaculação8 precoce" e "Queda da libido9".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 25 de julho de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 25 de julho de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 25 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Sintomas da Covid longa podem incluir perda de cabelo e disfunção sexual. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1422100/sintomas-da-covid-longa-podem-incluir-perda-de-cabelo-e-disfuncao-sexual.htm>. Acesso em: 7 out. 2022.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
7 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
8 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
9 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
10 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
11 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
12 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
14 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
15 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
16 Eflúvio telógeno: Caracteriza-se por períodos concentrados e limitados de intensa perda de cabelos que estão na fase telógena, ou seja, na fase de queda do ciclo de renovação capilar. Várias causas determinam o seu surgimento: pós-parto, interrupção do uso de pílulas anticoncepcionais ou de reposição hormonal, infecções e doenças acompanhadas de febre alta, traumas físicos e/ou emocionais, pós-operatório, doenças da tireoide, anemias ou deficiências nutricionais. Considerando-se que a queda de cerca de até 100 fios por dia é normal, o número de fios que caem deve ser maior que este. Não existem outros sintomas acompanhando a queda dos cabelos. Normalmente, a resolução é espontânea em 3 a 6 meses.
17 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
18 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
19 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
20 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
21 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
22 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
23 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
24 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!