Gostou do artigo? Compartilhe!

Aleitamento materno em prematuros durante a hospitalização melhora os resultados do neurodesenvolvimento na infância

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Quais são as associações entre a alimentação com leite materno e os resultados cognitivos1, acadêmicos e comportamentais de bebês2 prematuros nascidos com menos de 33 semanas de gestação?

A alimentação com leite materno pode ter benefícios únicos no desenvolvimento neurológico de longo prazo em bebês2 muito prematuros. Nesse sentido, o objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi examinar até que ponto a alimentação com leite materno após o nascimento muito prematuro está associada a resultados cognitivos1, acadêmicos e comportamentais na idade escolar.

Este estudo de coorte3 prospectivo4 avaliou 586 bebês2 nascidos com menos de 33 semanas de gestação em 5 centros perinatais australianos e inscritos no estudo Ácido Docosahexaenóico para Melhoria dos Resultados do Neurodesenvolvimento (1º de janeiro de 2001 a 31 de dezembro de 2005) que foram avaliados na idade corrigida de 7 anos. A análise estatística foi concluída em 19 de janeiro de 2022.

A exposição do estudo foi ingestão de leite materno, incluindo volume médio (mililitros por quilograma por dia) durante a internação neonatal e duração total (em meses).

Leia sobre "Aleitamento materno5", "Desenvolvimento infantil" e "Prematuridade e cuidados necessários".

Os resultados do neurodesenvolvimento aos 7 anos de idade foram:

  1. QI6 (Escala de Inteligência de Wechsler Abreviada)
  2. Desempenho acadêmico (Wide Range Achievement Test, Quarta Edição)
  3. Sintomas7 de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (Índice de TDAH de Conners Terceira Edição, relatado pelos pais)
  4. Função executiva8 (Inventário de Avaliação Comportamental do Funcionamento Executivo, relatado pelos pais)
  5. Comportamento (Questionário de Forças e Dificuldades, relatado pelos pais)

Um total de 586 bebês2 (média [DP] da idade gestacional ao nascimento, 29,6 [2,3] semanas; 314 do sexo masculino [53,6%]) nascidos de 486 mães (média [DP] de idade, 30,6 [5,5] anos; 447 [92,0%] brancas) foram incluídos.

A ingestão média (DP) de leite materno na unidade de terapia intensiva9 neonatal foi de 99 (48) mL/kg/dia, e a duração média (DP) do leite materno foi de 5,1 (5,4) meses. O QI6 médio (DP) em escala completa foi de 98,5 (13,3) pontos.

Após o ajuste de co-variáveis, a maior ingestão de leite materno durante a internação neonatal foi associada a um maior desempenho no QI6 (0,67 pontos por 25 mL/kg diários adicionais; IC 95%, 0,10-1,23 pontos), nas pontuações de leitura (1,14 pontos por 25 mL/kg diários; IC 95%, 0,39-1,89 pontos) e nas pontuações de matemática (0,76 pontos por 25 mL/kg diários; IC 95%, 0,14-1,37 pontos), e menos sintomas7 de TDAH (-1,08 pontos por 25 mL/kg diários; IC 95%, -1,96 a -0,20 pontos).

A maior duração da ingestão de leite materno foi associada a maiores pontuações de leitura (0,33 pontos por mês adicional; IC 95%, 0,03-0,63 pontos), ortografia (0,31 pontos por mês; IC 95%, 0,01-0,62 pontos) e matemática (0,30 pontos por mês; IC 95%, 0,03-0,58 pontos).

O leite materno não foi associado à melhora do QI6 em escala completa, QI6 verbal, função executiva8 ou comportamento.

A maioria das associações foi mais forte entre os bebês2 nascidos em idades gestacionais mais baixas, particularmente com menos de 30 semanas (valores de P para interação <0,01).

Neste estudo de coorte3 de prematuros, a alimentação com leite materno durante a hospitalização neonatal e após a alta foi associada a um melhor desempenho em idade escolar no QI6, melhor desempenho acadêmico e à redução dos sintomas7 de TDAH, principalmente entre os bebês2 nascidos com menos de 30 semanas de gestação.

Esses achados confirmam recomendações para fornecer leite materno a bebês2 muito prematuros hospitalizados com base em potenciais benefícios de longo prazo para o neurodesenvolvimento.

Veja também sobre "A importância do leite materno" e "Distúrbios de aprendizagem escolar".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 13 de julho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Aleitamento materno em prematuros durante a hospitalização melhora os resultados do neurodesenvolvimento na infância. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1421080/aleitamento-materno-em-prematuros-durante-a-hospitalizacao-melhora-os-resultados-do-neurodesenvolvimento-na-infancia.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
5 Aleitamento Materno: Compreende todas as formas do lactente receber leite humano ou materno e o movimento social para a promoção, proteção e apoio à esta cultura. Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
6 QI: O QI é utilizado para dimensionar a inteligência humana em relação à faixa etária a que um sujeito pertence. Em 1905, os franceses Alfred Binet e Theodore Simon desenvolveram uma ferramenta para avaliar os potenciais cognitivos dos estudantes, tentando detectar entre eles aqueles que precisavam de um auxílio maior de seus mestres, criando a Escala de Binet-Simon. Outros estudiosos aperfeiçoaram esta metodologia. William Stern foi quem, em 1912, propôs o termo “QI“. O Quociente de Inteligência é a razão entre a Idade Mental e a Cronológica, multiplicada por 100 para se evitar a utilização dos decimais. Seguindo-se este indicador, é possível avaliar se um infante é precoce ou se apresenta algum retardamento no aprendizado. Os que apresentam o quociente em torno de 100 são considerados normais, os acima deste resultado revelam-se precoces e os que alcançam um valor mais inferior (cerca de 70) são classificados como retardados. Uma alta taxa de QI não indica que o indivíduo seja mentalmente são, ou mesmo feliz, e também não avalia outros potenciais e capacidades, tais como as artísticas e as de natureza espiritual. O QI mede bem os talentos linguísticos, os pensamentos lógicos, matemáticos e analíticos, a facilidade de abstração em construções teóricas, o desenvolvimento escolar, o saber acadêmico acumulado ao longo do tempo. Os grandes gênios do passado, avaliados dessa forma, apresentavam uma taxa de aproximadamente 180, o que caracteriza um superdotado.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Função executiva: Também conhecida como controle cognitivo ou sistema supervisor atencional é um conceito neuropsicológico que se aplica ao processo cognitivo responsável pelo planejamento e execução de atividades, que podem incluir, por exemplo, a iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada e inibição de impulsos.
9 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
Gostou do artigo? Compartilhe!