Gostou do artigo? Compartilhe!

Mudanças cerebrais divergem entre homens e mulheres: volume de hiperintensidades da substância branca acelera após a menopausa

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Hiperintensidades da substância branca – pequenas lesões1 cerebrais associadas a comprometimento cognitivo2 ou risco de acidente vascular cerebral3 – foram mais comuns em mulheres na pós-menopausa4 do que em homens de idade semelhante, mostraram dados transversais.

Mulheres na pré-menopausa4 e homens da mesma idade, no entanto, não tiveram diferença no fardo de hiperintensidades da substância branca, de acordo com Monique Breteler, MD, PhD, do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas em Bonn e co-autores.

À medida que a idade avançava, o volume de hiperintensidades da substância branca acelerou em homens e mulheres, mas a aceleração foi mais rápida nas mulheres, relataram os pesquisadores em estudo publicado na revista Neurology.

As hiperintensidades da substância branca são um marcador subclínico de doença cerebrovascular5 e envelhecimento cerebral.

Leia sobre "Menopausa4" e "Envelhecimento saudável".

“As hiperintensidades da substância branca aumentam à medida que o cérebro6 envelhece e, embora tê-las não signifique que uma pessoa desenvolverá demência7 ou terá um AVC, quantidades maiores podem aumentar o risco de uma pessoa”, disse Breteler em comunicado.

“Nossos resultados implicam que as hiperintensidades da substância branca evoluem de maneira diferente para homens e mulheres, onde a menopausa4 ou fatores que determinam quando a menopausa4 começa – como variações no processo de envelhecimento – são fatores definidores”, acrescentou.

“Eles também demonstram a necessidade de levar em conta diferentes trajetórias de saúde8 para homens e mulheres e o status da menopausa”, enfatizou Breteler. “Nossa pesquisa ressalta a importância da medicina específica do sexo e da terapia mais atenta para mulheres mais velhas, especialmente aquelas com fatores de risco vasculares”.

No artigo, os pesquisadores contextualizam como evidências crescentes implicam que existem diferenças sexuais no fardo de hiperintensidade da substância branca (HSB) em idosos. Permanecem dúvidas sobre possíveis diferenças no fardo de HSB entre homens e mulheres de idade mais jovem, trajetórias etárias específicas do sexo e efeitos da hipertensão9 (des)controlada e o efeito da menopausa4 na HSB.

Portanto, o objetivo deste estudo foi investigar essas diferenças de sexo e dependências de idade no fardo de HSB ao longo da vida adulta e examinar o efeito da menopausa4.

Esta análise transversal foi baseada em participantes do Estudo Rhineland de base populacional (30 – 95 anos) que foram submetidos a ressonância magnética10 cerebral. Quantificou-se automaticamente a HSB usando imagens ponderadas em T1, ponderadas em T2 e FLAIR. O status quanto à menopausa4 foi autorrelatado.

Examinou-se as associações de sexo e menopausa4 com fardo do HSB (transformada em logit e padronizada em z) usando modelos de regressão linear, enquanto ajustando para idade, idade ao quadrado e fatores de risco vascular11.

Verificou-se a interação idade*sexo e hipertensão9 (des)controlada*sexo e estratificou-se para o status de menopausa4 comparando homens com mulheres na pré-menopausa4 (pessoas com idade ≤59 anos), homens com mulheres na pós-menopausa4 (pessoas com idade ≥45 anos) e mulheres na pré-menopausa4 com mulheres na pós-menopausa4 (faixa etária de 45 a 59 anos).

Dos 3.410 participantes com idade média de 54,3 anos (DP = 13,7), 1.973 (57,9%) eram mulheres, das quais 1.167 (59,1%) estavam na pós-menopausa4.

Descobriu-se que o aumento do fardo de HSM acelera com a idade e de forma dependente do sexo. Mulheres na pré-menopausa4 e homens de idade semelhante não diferiram no fardo de HSB.

O fardo de HSB foi maior e acelerado mais rapidamente em mulheres na pós-menopausa4 em comparação com homens de idade semelhante.

Além disso, observou-se alterações relacionadas à menopausa4, em que mulheres na pós-menopausa4 apresentavam mais HSB do que mulheres na pré-menopausa4 de idade semelhante.

O estudo concluiu que, após a menopausa4, as mulheres apresentaram uma maior carga de hiperintensidades da substância branca do que mulheres na pré-menopausa4 e homens contemporâneos, e um aumento acelerado nas hiperintensidades da substância branca.

Os efeitos específicos do sexo da hipertensão9 não controlada na hiperintensidade da substância branca não foram relacionados à menopausa4.

Mais estudos são necessários para investigar as alterações fisiológicas12 relacionadas à menopausa4, que podem informar sobre os mecanismos causais envolvidos na progressão da doença de pequenos vasos cerebrais.

Saiba mais sobre "Doenças cerebrovasculares", "O processo de envelhecimento" e "Envelhecimento cerebral normal ou patológico".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 29 de junho de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 30 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Mudanças cerebrais divergem entre homens e mulheres: volume de hiperintensidades da substância branca acelera após a menopausa. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1420395/mudancas-cerebrais-divergem-entre-homens-e-mulheres-volume-de-hiperintensidades-da-substancia-branca-acelera-apos-a-menopausa.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
5 Doença cerebrovascular: É um dano aos vasos sangüíneos do cérebro que resulta em derrame (acidente vascular cerebral). Os vasos tornam-se obstruídos por depósitos de gordura (aterosclerose) ou tornam-se espessados ou duros bloqueando o fluxo sangüíneo para o cérebro. Quando o fluxo é interrompido, as células nervosas sofrem dano ou morrem, resultando no derrame. Pacientes com diabetes descompensado têm maiores riscos de AVC.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
10 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
11 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
12 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
Gostou do artigo? Compartilhe!